(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Ministério Público é a favor da restrição de veículos de grande porte no trevo do Daia

Geral Comentários 25 de janeiro de 2013

O Dnit bloqueou a entrada de caminhões e ônibus para melhorar o tráfego na região. Sindicato impetrou mandado de segurança contra o bloqueio


Um dos pontos mais movimentados da malha rodoviária que corta Goiás – o trecho da BR-060, que dá acesso ao Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia) – é alvo de uma polêmica. O ponto, que concentra 40% dos acidentes naquela rodovia, foi bloqueado para a passagem de caminhões e ônibus pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para melhorias no tráfego da região. O Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) concorda com a restrição e se manifestou a favor da autarquia em mandado de segurança impetrado pelo Sindicato das Pequenas e Microempresas de Transporte de Veículos Novos do Estado de Goiás (Sintrave).
Para o sindicato, o Dnit agiu de maneira arbitrária, motivo pelo qual pede que a Justiça mande retirar as placas que impedem a conversão de caminhões e ônibus no local. Já para o MPF/GO, por meio da Procuradoria da República em Anápolis, a postura do Dnit foi a correta e a restrição deve ser mantida até que as obras para a construção de um viaduto no local sejam concluídas. “A medida escolhida pelo Dnit se mostra adequada, necessária e proporcional, atingindo, na medida do possível, os objetivos de melhorar o tráfego e diminuir os acidentes no trevo do DAIA. No entanto, trata-se de medida paliativa, pois apenas a construção do viaduto no local resolverá eficazmente os problemas”, posiciona-se o procurador da República Rafael Paula Parreira Costa.

Viaduto
Não é de hoje que o MPF em Goiás busca melhorias para a BR-060, principalmente no trevo do Daia. A licitação para o viaduto no trevo já se arrasta desde 2010. Em julho de 2012, saiu o novo processo licitatório após o Ministério Público Federal ajuizar ação civil pública em face do Dnit.
A anulação da licitação anterior, que ocorreu em 2010, foi recomendada pelo MPF após parecer técnico da Assessoria Técnica da Procuradoria da República em Goiás (PR/GO), que constatou sérios indícios de fraude no processo licitatório. De acordo com o estudo, das três propostas apresentadas para execução das obras, duas tinham evidências de manipulação dos preços unitários com intuito de alinhar os valores totais das propostas, indicando conluio entre as empresas.
Além disso, vários serviços necessários para a execução da obra tiveram seu custo aumentado. Entre os principais problemas apontados pelo MPF estavam indícios de superdimensionamento nos coeficientes de mão de obra no fornecimento, fabricação, transporte, tratamento e pintura de vigas e peças metálicas, e de equipamentos e mão de obras para instalação e manutenção do canteiro de obras e alojamento. (Fonte: MPFGO)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Cidades têm até abril de 2019 para elaborarem planos de mobilidade

19/01/2018

Os municípios brasileiros que ainda não possuem planos de mobilidade urbana terão até abril de 2019 para elaborar. O novo...

Blogueira lança calendário

19/01/2018

Acontece na próxima segunda-feira, 22, o lançamento do Calendário 2018 da Casa Joana, instituição anapolina que trabalha...

UEG: concurso para professores de Direito e Medicina

19/01/2018

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) torna público o Edital de abertura do concurso público para o cargo de docente de e...

Prefeitura lança projeto “Jovem conectado no campo”

19/01/2018

A Prefeitura de Anápolis, por meio da Secretaria Municipal de Governo, apresentou na manhã desta terça-feira, 16, o proje...