(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Menor que matou Brendo vai a julgamento na terça-feira, 14

Violência Comentários 12 de agosto de 2012

Marcada para a próxima terça-feira, 14, a audiência que definirá o destino do menor de inicial K, 16 anos, acusado morte de Brendo Ribeiro, 17, funcionário de uma locadora na Vila Jaiara


A lei determina que o julgamento seja pelo sistema de júri singular, ou seja, sem a presença de público, ou do corpo de jurados, retirado do Conselho de Sentença. O Juiz aplica a pena com base nas provas dos autos. Devem estar presentes, apenas, o magistrado (Juiz Carlos Limongi), o representante do Ministério Público (Promotor Carlos Alexandre), advogados e serventuários da Justiça convocados para a sessão. Também é exigência da lei que atos infracionais praticados por menores de idade devam ser processados e julgados em um prazo máximo de 45 dias. O menor K foi localizado pela Polícia na Cidade de Itapaci, e trazido para Anápolis, onde aguarda o pronunciamento da Justiça. O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê punição que vai desde uma simples advertência à internação. Esta ocorre quando tratar-se de ato infracional cometido mediante grave ameaça ou violência à pessoa (Artigo 122 - I). Mas, segundo ainda o Estatuto da Criança e do Adolescente, “em nenhuma hipótese, o período máximo de internação excederá a três anos” (Artigo 121§ 3º). Ressalte-se que o adolescente K já fora recolhido por outros atos infracionais.
Na quinta-feira, 09, ele concedeu entrevista à Rede Globo, onde afirmou que tentou praticar o assalto porque queria uma moto e os familiares não concordaram, principalmente pelo fato de ele ser menor de idade e, portanto, impossibilitado de obter a Carteira Nacional de Habilitação. O acusado disse, ainda, que, nos primeiros dias após ser apreendido chorou muito por arrependimento, mas que, hoje, não chora mais. “É melhor estar preso do que morto, ou aleijado”, disse ele. A reportagem ouviu, também, as mães dos dois: vítima e acusado. Ambas, cada qual a seu modo estão, ainda, chocadas. Uma porque perdeu o filho exemplar. Outra porque disse não imaginar um dia ter um filho assassino.

Recordando
Era pouco mais de oito da noite da terça-feira, 10 de julho, quando o acusado encostou sua bicicleta em frente à Locadora de Vídeo Aquarius, na Avenida 24 de Agosto, divisa do Bairro Alexandrina com a Vila Jaiara. Ato contínuo, invadiu o estabelecimento de arma em punho e anunciou o assalto. A ação durou poucos segundos. Ninguém reagiu, mas, mesmo assim, ele disparou um tiro contra o peito do adolescente Brendo Ribeiro, 17 anos, que morreu na hora. K fugiu à pé sem levar nada. No momento do assalto havia poucas pessoas no interior da loja.
Brendo era um adolescente cheio de sonhos que, há dois meses, havia começado a trabalhar na locadora para ajudar os pais nas despesas de casa. Os parentes e amigos contaram que quando se formou no Colégio Militar, no ano passado, o jovem recebeu honras pelo seu bom comportamento, o que lhe rendeu, até mesmo, um certificado elogioso. Assim era Brendo Ribeiro de Souza, que iria cursar o terceiro período de do curso de Direito, e tinha por maior sonho ser piloto da Aeronáutica.

Chocante
A cena, mostrada em rede nacional pela TV, chocou a muitos, principalmente, pela banalidade. Em momento algum o proprietário e alguns clientes que estavam no local, inclusive uma criança, esboçaram qualquer reação. O assalto foi registrado pelas câmeras de segurança do estabelecimento.
A mãe de Brendo, Regina Helena Ribeiro de Souza, durante entrevista à TV Globo disse que, pela fé que professa, perdoaria o matador de seu filho. Os parentes ainda estão perplexos com a brutalidade do crime e dias atrás promoveram uma passeata na região onde moram, pedindo paz.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Violência

Operação conjunta prende suspeitos de homicídios

10/08/2017

Operações realizadas pelo Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) da Polícia Civil, de Anápolis e Luziânia, cumprir...

O que mudou 11 anos depois de aprovada a Lei “Maria da Penha

03/08/2017

Embora se admita que o sexo feminino tenha experimentado mais poderes na última década, a Lei Maria da Penha, que completar...

Índice de mortes violentas ainda assusta a população anapolina

28/07/2017

A aparente tranquilidade que vinha sendo registrada no que diz respeito aos crimes contra a vida, em Anápolis, foi interromp...

Vereador do PSDB alerta sobre onda de assaltos em farmácias

06/07/2017

Os proprietários e funcionários de farmácias de Anápolis vivem com medo com a frequência de assaltos nos estabelecimento...