(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Medicamentos especiais gratuitos

Geral Comentários 27 de dezembro de 2018

Pacientes não necessitarão, mais, recorrerem à justiça para obtê-los


A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias incorporou os medicamentos Vimizim (alfaelosulfase) e Naglazyme (galsulfase) junto ao Sistema Único de Saúde para o tratamento das mucopolissacaridoses do tipo IV A e VI, respectivamente. A decisão de incorporação beneficiará a centenas de pacientes que não precisarão mais recorrer à judicialização para conseguirem tratamento.
As MPS são doenças genéticas raras de depósito lisossômico que, por ausência de algumas enzimas, gera um acúmulo de substâncias tóxicas nas células do corpo, implicando em uma série de complicações, como baixa estatura, face característica da doença, problemas ortopédicos e nas articulações, comprometimento cardíaco e respiratório dentre outras. A ausência da terapia de reposição enzimática pode comprometer a qualidade de vida do paciente e também piorar seu prognóstico.
A médica Carolina Fischinger, membro da Sociedade Brasileira de Genética Médica disse que “a partir de agora, todo paciente com o diagnóstico desses tipos de MPS terá também acesso a essas terapias no SUS de forma estruturada”. A ausência de acesso a terapias para o tratamento das doenças raras é uma realidade na vida de centenas de pacientes, mas após um longo processo marcado pelo forte engajamento e participação de associações de pacientes, esse cenário muda para as mucopolissacaridoses IV A e VI.
O acesso ao tratamento para os pacientes com MPS tem um peso importante. “O paciente diagnosticado com estre tipo de doença depende, diretamente, do tratamento para sobreviver. A ausência dele, muito comum quando judicializado, compromete, muitas das vezes, de forma definitiva a saúde daquele paciente, podendo levar a uma morte prematura”.
Além da comunidade médica e associações de pacientes, outras duas instituições dividem o mérito por essa conquista. Tanto o Ministério da Saúde quanto a CONITEC desempenharam um papel fundamental para essa vitória ao avaliar as evidências científicas sobre ambos os medicamentos, além das melhorias em seus processos internos, o que foi fundamental para que o Secretário de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Marco Antônio Fireman tomasse essa decisão.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Procon de Anápolis promove curso de Defesa do Consumidor

15/03/2019

Nesta sexta-feira, 15, comemora-se o Dia Internacional do Consumidor e, em alusão a data, a Prefeitura de Anápolis, por mei...

Mulher trabalhadora recebe 79,5% do rendimento do homem no Brasil

15/03/2019

Em 2018, o rendimento médio das mulheres ocupadas com entre 25 e 49 anos de idade (R$ 2.050) equivalia a 79,5% do recebido p...

Adesão automática a cadastro vai à sanção presidencial

15/03/2019

A adesão automática de consumidores e empresas aos cadastros positivos de crédito segue para sanção presidencial. O Plen...

Vereador pede reativação da Delegacia de Meio Ambiente

15/03/2019

O vereador Valdete Fernandes (PDT) sempre se mostrou incomodado e sensível quanto às questões ambientais no município de ...