(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Marconi cobra pacto federativo mais justo

Economia Comentários 16 de maro de 2013

De acordo com o Governador, demandas dos estados e municípios cresceram sem o correspondente aumento dos recursos


Durante reunião realizada nesta quarta-feira, dia 13, no Salão Negro do Congresso Nacional, onde participaram 23 governadores, dentre eles o governador Marconi Perillo, ficaram acertados alguns pontos gerais fundamentais para o novo pacto federativo, que está sendo discutido e deve ser encaminhado, em forma de propostas, à Câmara e ao Senado.
Os governadores querem, entre outras medidas, a extinção do Pasep, a redução do comprometimento dos Estados com dívidas, o acréscimo de novas fontes de receitas ao Fundo de Participação dos Estados e o impedimento de criação de novas despesas sem a determinação legal de novas receitas.
Os governadores elaboraram um documento onde pontuam as propostas e definem o encaminhamento. São elas: redução em 33% do comprometimento da Receita Líquida Real com o pagamento da dívida intra-limite com a União, retroativo a janeiro de 2013 e ampliação do limite de 16% para 30% do montante de operações que poderão ser realizadas por exercício financeiro, em 2013 e 2014.
E, ainda, aprovação de uma emenda constitucional impedindo onerar as finanças estaduais sem a correspondente criação de novas fontes de receita; compensação por parte da União das perdas reais no montante do FPE, decorrentes de Políticas Tributárias de Desoneração, que diminuem o valor a ser distribuído aos Estados; zerar a contribuição dos Estados e municípios para o Pasep; e a proposição de uma emenda constitucional inserindo na base do FPE e do FPM a Cofins e a CSLL de forma gradativa, modificando os percentuais de acordo com a nova base. Para esta medida já elaboraram e anexaram um projeto às propostas.
De acordo com Marconi, da forma como está disposta essa relação fiscal, que veio sendo modificada desde a Constituição de 1988, com a criação de contribuições e novos encargos para os entes federativos, a cada dia que passa vão ficando inviáveis as administrações. “A União fica com mais de 70% das receitas arrecadadas no País, cabendo menos de 30% a Estados e municípios para o cumprimento de obrigações constituídas legalmente”, observou o governador, acrescentando que Estados e municípios tiveram paulatinamente suas obrigações legais aumentadas sem a devida compensação financeira. Marconi disse que essa defasagem está inviabilizando essas administrações e que por isso mesmo é imprescindível determinar, com leis, que para cada obrigação hajam os recursos previstos.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...