(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Manutenção de emprego formal em Anápolis tem queda acentuada

Economia Comentários 28 de agosto de 2014

De janeiro a julho deste ano, o número de admitidos caiu e as demissões aumentaram no Município, conforme dados oficiais do Ministério do Trabalho


Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego, apontam uma variação bastante acentuada na manutenção de empregos formais em Anápolis. Conforme pesquisa realizada pelo CONTEXTO junto à base de dados do CAGED, de janeiro a julho deste ano, o saldo (diferença entre o número de admitidos e desligados nas empresas) foi de 901. Já, no mesmo período, em 2013, o saldo foi de 2.889. Como o registro é, apenas, estatístico, não há informações sobre o que teria provocado essa grande diferença, que chega a cerca de 320%.
Ainda em relação à avaliação do mês de janeiro a julho de 2014, o número de admitidos foi de 28.898 contra 27.997 desligamentos. Em 2013, o número de admitidos foi de 29.690 e o de desligados de 26.801. Nota-se que a diferença de admitidos de 2013 para 2014 foi de 792 e de desligamentos, de 1.196.
Do total de 28.898 admissões no período de janeiro a julho deste ano, 3.084 foram de primeiro emprego; 25.330 reemprego; 15 reintegração; 469 de contratos de trabalho por tempo determinado e 2.631 resultante de transferências administrativas. Por outro lado, dos 27.997 desligamentos neste mesmo período, 15.946 foram por dispensa sem justa causa; 452 dispensas com justa causa; 3.022 a pedido do próprio empregado; 11 por aposentadoria; 72 por mortes; 229 motivadas pelo término do contrato por prazo determinado e 2.387 por motivo de transferência.
Conforme os dados CAGED, as ocupações que registraram os melhores saldos foram as seguintes: Alimentador de linha de produção (556); Auxiliar de produção farmacêutica (427); Servente de obras (382); Auxiliar de escritório em geral (176) e Carregador de armazém (168). As ocupações com menores saldos foram: Operador de máquina de produtos farmacêuticos (- 194); Trabalhador da cultura de cana de açúcar (-164); Vendedor de comércio varejista (-119); Contínuo (-75) e Soldador (-72).
Com relação ao mês de julho de 2014, o número de admitidos foi de 4.218 e o de desligamentos de 3.894, gerando um saldo positivo de 324 empregos formais mantidos. No ano passado, neste mesmo mês, os admitidos somaram 4.304 e os desligados 4.033, ocorrendo um saldo de 271 empregos formais mantidos. O crescimento, na comparação, foi de 19,55%.
Conforme informações da Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Renda que faz, também, o acompanhamento dos números do CAGED, a indústria foi o setor que apresentou melhor saldo no mês de julho deste ano, com 230 postos formais mantidos. O setor de serviço vem, em seguida, com saldo de 57, depois vêm o agronegócio (25) e o comércio (23).
Em números absolutos, os municípios goianos que registraram o melhor saldo (número de admitidos maior do que o de desligados), foram: Cristalina (877); Anápolis (324); Senador Canedo (313); Aparecida de Goiânia (220) e Luziânia (135).
Em janeiro, o número total de empregos formais em Anápolis era de 87.504 distribuídos em 13.508 estabelecimentos, também, formais.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...