(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Licitação para a retomada da obra deve acontecer, ainda, este mês

Política Comentários 12 de janeiro de 2018

Serviços foram paralisados há um ano e oito meses, com prejuízo para a própria Casa e para a sociedade


O 1º secretário da Câmara Municipal, Leandro Ribeiro, informou que a Casa espera para, ainda, este mês, a conclusão do projeto de retomada da obra do novo prédio do Legislativo, que encontra-se paralisada há um ano e oito meses. Com o projeto pronto, o próximo passo será realizar a licitação para se escolher a empresa que vai assumir o canteiro de obras.
Enquanto o trabalho não é retomado - o que ainda deve demorar, devido aos trâmites burocráticos - a Mesa Diretora adota providências para garantir a segurança do local. Todo o canteiro será cercado para se evitar a entrada de pessoas estranhas. No local, há alguns barracões, antes utilizados para a guarda de materiais, os quais serão derrubados, pois, estariam servindo de abrigo para moradores de ruas e pessoas que estariam cometendo delitos na região, inclusive, no próprio Parlamento e suas imediações. Além disso, foram iniciadas, pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente, a limpeza e a retirada de lixo de todo o terreno, pois, com o abandono, o local ficou propício para se formarem criadouros do Aedes aegypti (mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, além de outros vetores de doenças).
A obra foi paralisada em junho de 2016, após uma sequência de falhas nos projetos e na sua execução. O valor empreitado era de R$ 17 milhões. Informações extraoficiais apontam que 80% desse montante já teriam sido gastos. O caso foi parar no Ministério Público, que realizou um amplo levantamento sobre os prejuízos, a fim de instaurar um processo de responsabilidade. A Prefeitura, também, realizou alguns levantamentos. Porém, até o momento, nem o MP e nem o Executivo divulgaram, de forma oficial, os relatórios produzidos.
A ordem de serviço para o início da construção do novo prédio da Câmara Municipal foi assinado no dia 15 de maio de 2014, junto à construtora Albenge Engenharia, Indústria e Comércio Ltda. O projeto, orçado em R$ 17 milhões, começou a ser executado com recursos de um fundo criado em 2009, com depósitos mensais de R$ 50 mil por parte da própria Câmara Municipal e da Prefeitura, no mesmo valor, além de outros aportes. Exatos dois anos depois, foi anunciada a paralisação, com menos da metade do projeto executado.

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

“Coloco o meu trabalho e minha história para o eleitor de Goiás”, diz Odilon

14/09/2018

Pela terceira vez na disputa de uma vaga na Assembleia Legislativa de Goiás, o advogado e empresário Odilon de Oliveira, do...

Lúcia Vânia teve movimentada agenda em Anápolis esta semana

14/09/2018

Candidata à reeleição pelo PSB, a Senadora Lúcia Vânia cumpriu agenda em Anápolis na última quarta-feira, 12. O primei...

Kátia Maria diz que “time de Lula” está motivado para buscar votos

06/09/2018

A candidata do Partido dos Trabalhadores, Kátia Maria, fez campanha em Anápolis na última quarta-feira, 05. Ela participou...

Alckmin: campanha em Goiás começa com o “pé direito” por Anápolis

06/09/2018

O candidato à presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckimin, esteve em Anápolis na noite da última quarta-feira,0...