(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Kajuru terá de indenizar governador Marconi Perillo por ofensas

Geral Comentários 17 de julho de 2015

Radialista alegou estar exercendo o direito de liberdade de expressão e que não extrapolou “o limite do razoável”


Jorge Reis da Costa, o Jorge Kajuru, terá de indenizar o governador Marconi Perillo, em R$ 20 mil, por danos morais, devido a ofensas em entrevistas. A decisão é da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás que, à unanimidade de votos, manteve inalterada a sentença do juiz da 3ª Vara Cível de Goiânia, Sebastião José de Assis Neto. O relator do processo foi o juiz substituto em segundo grau Delintro Belo de Almeida Filho, que considerou que houve excesso no exercício da liberdade de expressão por parte de Jorge Kajuru, “o qual atingiu a honra e a imagem do autor”.


Consta dos autos que Kajuru, em duas entrevistas na Rádio Interativa FM, se referiu de forma ofensiva ao governador e o comparou a criminosos. Em sua apelação cível, Kajuru alegou “não ter extrapolado o limite do razoável, exercendo sua liberdade de expressão”. Porém, ao analisar os autos, o relator considerou não ser esse o caso já que, em seu entendimento, Kajuru proferiu “expressões ofensivas, o que não configura mera crítica permitida pela liberdade de expressão”.


Delintro Belo ressaltou que a vida política e pública de uma pessoa não justifica agressão moral. “A liberdade de expressão não é subterfúgio para que se ofenda a honra e a moral de outrem, não podendo ser confundida com oportunidade para falar-se o que bem entender de forma a insultar a respeitabilidade inata de todo indivíduo”.


 


Cerceamento de defesa


Kajuru também buscava a anulação da sentença ao argumentar que o juiz não analisou a tese levantada em sua defesa, referente ao seu estado de saúde na época da entrevista. No entanto, o juiz explicou que o artigo 330 do Código de Processo Civil (CPC) “autoriza o juiz a julgar o mérito de forma antecipada, quando este verificar que os autos foram suficientemente instruídos, com elementos de prova documental hábeis a formar seu convencimento”.


O magistrado esclareceu que, dessa forma, o juiz não necessita analisar todas as teses e dispositivos legais usados pelas partes, bastando que fundamente sua decisão, apontando os motivos de seu convencimento, o que, em sua análise, aconteceu no caso. (Com informações do Centro de Comunicação Social do TJGO)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Município quita dívidas trabalhistas de ex-servidores comissionados

19/04/2017

A Prefeitura de Anápolis começa a quitar dívidas trabalhistas do município, que estão pendentes desde 2011, para ex-serv...

Ovos de chocolate com diferenças salgadas, aponta pesquisa do Procon

12/04/2017

O Procon de Anápolis divulgou a pesquisa sobre os preços de produtos para a páscoa- ovos de chocolate e caixas de bombons....

Projeto da sede do MP tem significativo avanço

12/04/2017

A proposta de se definir uma nova sede para as promotorias de Justiça em Anápolis (hoje funcionando em um edifício da Aven...

Advogados receberam a Caravana Nacional de Prerrogativas

07/04/2017

Morosidade do Poder Judiciário; desrespeito por parte de autoridades policiais, juízes, promotores; porte de arma; e até o...