(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Jogo sucessório

Contexto Político Comentários 21 de maio de 2010

O jogo eleitoral é imprevisível. Até o final do ano passado, havia a possibilidade de Anápolis comparecer na chapa majoritária para o Governo de Goiás com, pelo menos, dois nomes: o deputado federal Rubens Otoni, pelo PT; e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, até então sem partido, mas era dado como presença certa na disputa.


Jogo sucessório
O jogo eleitoral é imprevisível. Até o final do ano passado, havia a possibilidade de Anápolis comparecer na chapa majoritária para o Governo de Goiás com, pelo menos, dois nomes: o deputado federal Rubens Otoni, pelo PT; e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, até então sem partido, mas era dado como presença certa na disputa.
Meirelles se filou ao PMDB, já com isso avançando sobre as pretensões de Rubens Otoni, em razão da aliança com o PT, para dar sustentação à candidatura de Dilma Rousseff à Presidente da República, em Goiás. Chegou-se, ainda, a cogitar o democrata Ronaldo Caiado para postular a candidatura ao Governo. Porém, a proposta não decolou.
Neste exato momento o quadro que se configura é o seguinte: são pré-candidatos à sucessão de Alcides Rodrigues Íris Rezende (PMDB), Vanderlan Cardoso (PR) - apoiado pelo Governador Alcides Rodrigues, Marconi Perillo (PSDB) e Ênio Tatico (PRP). Não há, portanto, mais nomes ligados a Anápolis nas chapas majoritárias, dependendo agora das escolhas para os cargos de vice-governador, senador e suplente de senador. São acontecimentos de bastidores, que o eleitor deve ir acompanhando para, lá na frente, amadurecer o seu voto. E muita água ainda vai rolar por debaixo da ponte.

Decidido
O deputado federal Rubens Otoni (PT) já definiu seu futuro político. Deve, mesmo, buscar a reeleição para a Câmara Federal. Segundo ele, essa decisão foi fruto de muita discussão dentro da legenda e o entendimento que tem prevalecido é que Anápolis não pode correr o risco de ficar desguarnecido de representação na Câmara Federal, inclusive, devido ao fato de que a Administração do Prefeito Antônio Gomide vai indo, até agora, muito bem e contanto com o respaldo do irmão, ajudando a abrir portas nos ministérios em Brasília para a busca de recursos.

PDT
O deputado Rubens Otoni (PT), confirmou que está havendo conversações em Goiânia, para que o PDT possa cerrar fileiras na chapa PT-PMDB. Ele entende que há um caminho natural para que isso ocorra, porque a legenda já faz parte da base aliada do Presidente Lula e um dos articuladores para que a aliança possa se sacramentar é o ministro Carlos Lupi.

Fama
Anápolis deverá ter, também, a sua calçada da fama. O Projeto de lei de autoria do vereador Carlos Antônio (PSC) já foi aprovado em segundo turno de votação e, agora, segue para sanção do prefeito Antônio Gomide. A proposta é que a calçada da fama seja feita no Estádio Municipal “Jonas Duarte”, para homenagear os desportistas da cidade.

Cachimbo da paz
Os vereadores Carlos Antônio (PSC) e Sírio Miguel (PSB), que recentemente tiveram uma discussão e quase foram às vias de fato, numa solenidade onde se fazia o anúncio de asfalto, já fumaram o “cachimbo da paz” e, segundo eles, não há mais ressentimentos. É como diz o ditado do vereador-filósofo Mauro Severiano (PDT): “não se pode ficar olhando pelo retrovisor para não bater na frente”.

IBGE
O vereador Mauro Severiano quer que o IBGE seja mais rigoroso no recenseamento que será feito este ano. Há 10 anos, o edil esbravejou que ele e milhares de pessoas não foram visitados pelos agentes do Instituto. Quando o resultado foi divulgado, Anápolis apareceu em terceiro lugar com maior número de habitantes em Goiás, atrás de Goiânia e Aparecida de Goiânia. Segundo ‘Maurão’, nada contra os aparecidenses, “mas Anápolis é a cidade que mais cresce no Centro-Oeste e é, seguramente, a segunda cidade com maior população no estado. Desta vez quero ver se eles vão passar pela minha casa, porque até hoje estou esperando”, ironizou.

Ausência
O prefeito Antônio Gomide não pôde estar presente na solenidade realizada pela Câmara Municipal em homenagem aos 25 anos de reconquista da autonomia política. Ele foi representado, na ocasião, pelo vice-prefeito João Gomes que, em seu discurso, não mencionou qual teria sido o motivo da ausência.

Holofotes
Aliás, a solenidade promovida na Câmara teve algumas singularidades. Pela primeira vez, numa sessão extraordinária (como foi o caso), a vaga do 2º. Secretário, que é ocupada pelo vereador Domingos de Paula (PTB), foi ocupada por três vereadores: Wesley Silva (PMDB), Mauro Severiano (PDT) e Fernando Cunha (PSDB). Assim é que o 1º. Secretário Amilton Batista (PTB) teve reforço garantido para apenas três projetos pautados na Ordem do Dia. Na verdade, os três não cumpriram conjuntamente a “liturgia” da função, mas arrumaram um local para ficar bem na foto.

Corregedor
A Câmara Municipal passará a contar com uma corregedoria, para instaurar procedimentos sobre quebra de decoro parlamentar e outras condutas impróprias que algum vereador, eventualmente, venha cometer no exercício do cargo. O projeto de Resolução da Mesa Diretora foi aprovado na sessão extraordinária de quinta-feira, 20, por unanimidade. Também foi unânime a escolha do vereador Valmir Jacinto (PR) para corregedor e a vereadora Gina Tronconi (PPS), como corregedora substituta. Foi ainda aprovada a Resolução que cria a Ouvidoria da Casa, mas não foi anunciado quem ocupará o cargo.

Bola fora
E, por falar no vereador Cabo Jacinto, ele deu uma declaração, no mínimo, estranha esta semana. Diz ser contra o fato de um homem assumir o cargo de subsecretário da educação em Anápolis. E falou, diretamente, ao atual ocupante desse cargo, professor Paulo Henrique de Freitas Miranda. Segundo Jacinto, esse cargo “cai melhor para uma mulher, tendo em vista serem elas a maioria no magistério”. Ninguém entendeu nada.

Continua
Jorcelino Braga, ex-secretário da Fazenda Estadual, continua mais vivo do que nunca no Governo. Despacha, quase que diariamente, no Palácio das Esmeraldas. Com, direto a mesa, secretária, telefone e tudo mais que um cargo oficial exige. Quem pode, pode...

Twitter I
O senador Demóstenes Torres lança no próximo dia 31, às 19h30, na Globo Revistaria, em Goiânia (na Avenida T-63), , o livro “Máximas do Twitter” que, segundo ele, narra encontros com participantes do perfil@demostenes_go. Na ocasião, será, ainda, lançado o Portal: www.demostenestorres.com e uma exposição de fotos de Sinésio Di Oliveira. O evento é aberto a quem quiser participar.


Twitter II
No microblog, o senador Marconi Perillo (PSDB), se disse honrado por ter presidido a sessão histórica do Senado que aprovou o projeto “Ficha Limpa”, que partiu de iniciativa popular, mas ganhou várias emendas. Não saiu como queria a proposta original, mas já é um avanço.


Ficha limpa I
O Senado aprovou, na quarta-feira (19/5), o projeto ficha limpa, que impede a candidatura de políticos condenados na justiça em decisão colegiada em processos ainda não concluídos. Foi mantido o texto aprovado na Câmara. O projeto teve 76 votos a favor, sem votos contrários e abstenções. O projeto segue, agora, para a sanção do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Se isso ocorrer até nove de junho próximo, a regra já poderá vigorar no pleito deste ano.

Ficha limpa II
O texto aprovado na Câmara e mantido integralmente no Senado pelo relator Demóstenes Torres (DEM-GO) proíbe, por oito anos, a candidatura de políticos condenados na Justiça em decisão colegiada, mesmo que o trâmite do processo não tenha sido concluído no Judiciário. Esse tipo de decisão colegiada acontece, geralmente, na segunda instância ou no caso de pessoas com foro privilegiado. O texto que sai do Congresso é mais flexível do que o proposto pelo movimento. A ideia inicial era proibir a candidatura de todos os condenados em primeira instância.

Com Dilma
Pré-candidato ao governo do Estado, Vanderlan Cardoso (PR) teve, nesta quarta-feira, conversa reservada com a ex-ministra e pré-candidata à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT). O encontro ocorreu após a participação da petista na 13ª Marcha Nacional dos Prefeitos, em Brasília, para a qual, o republicano foi convidado pelo presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski.

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Contexto Político

Clique na imagem para ver a coluna - Ed.618

19/04/2017

Contexto Político...

Clique na imagem para ver a coluna - Ed.616

12/04/2017

Contexto Político...

Clique na imagem para ver a coluna - Ed.616

07/04/2017

Contexto Político...

Clique na imagem para ver a coluna - Ed.615

31/03/2017

Contexto Político...