(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Investigações sobre morte de “Periquito” seguem em sigilo absoluto

Violência Comentários 25 de setembro de 2014

O delegado à frente do caso preferiu não se manifestar. Os pais do jovem tentam pressionar as autoridades para que o principal suspeito seja preso


O inquérito sobre o crime que tirou a vida do jovem Júlio César Ferreira Honorato, conhecido como “periquito”, ainda não foi finalizado. Familiares e amigos da vítima realizaram uma manifestação esta semana, cobrando a prisão do principal suspeito de ter cometido o assassinato, Jefferson Renato Ferreira.
O CONTEXTO ouviu o pai de Júlio César, Antônio Honorato Filho, que disse não ter acesso a informações sobre o andamento das investigações. No entanto, segundo ele, existem evidências mais do que suficientes de que Jefferson é, mesmo, o autor do crime. Ele já foi ao Ministério Público e espera ser recebido nesta sexta-feira, 26, pelo juiz que julgará o caso.
Ainda, de acordo com Antônio Honorato, o suspeito responde inúmeros outros processos, inclusive, por porte de arma de fogo. “Ele alegou que meu filho era quem estava com a arma e que tomou dele e atirou em legitima defesa. Mas, a arma sumiu. Até a forma como ele depôs foi armada pelo advogado. Eles se apresentaram em outro departamento policial e não para o Grupo de Homicídios, sabendo que assim não seria lavrado o flagrante”, disse.
O pai de Júlio César, também, afirmou que vai seguir realizando manifestações até que alguma providência seja tomada. “Estamos organizando uma coisa bem grande. Inclusive, entrei em contato com a família de uma pessoa que o Jefferson deixou paraplégico. Vou mostrar para todos quem ele realmente é. Vamos ficar em cima até que ele seja preso”, garantiu.
Na semana passa, o delegado Henrique Otto falou ao CONTEXTO que Jefferson teria negado ter disparado a arma contra Júlio. Mas, de acordo com o pai da vítima, no depoimento ele teria alegado legítima defesa. O Jornal Contexto procurou o delegado, novamente, mas ele disse que só irá se manifestar após a conclusão do inquérito.

Autor(a): Wanessa Mereb

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Violência

Anápolis aparece em relação das cidades mais violentas do Brasil

09/06/2017

Em 2015, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes de Anápolis, ficou em 40,9. Somada às Mortes Violentas com Causa Inde...

Governo diz que Goiás é um dos estados com menor índice criminal

09/06/2017

Os índices de criminalidade em Goiás apresentam queda sequenciada a partir de 2016. Na comparação entre janeiro e maio de...

Judiciário quer ações práticas para reduzir criminalidade em Anápolis

02/06/2017

A busca de soluções para o crescente aumento do índice de criminalidade em Anápolis foi debatida no final da tarde da úl...

Emanuelle Muniz e Emanuelle Ferreira: passageiras da agonia

04/05/2017

Emanuelle Muniz Gomes tinha 21 anos. Era transexual. Bela; extrovertida; meiga, alegre e filha carinhosa. Apesar da pouca ida...