(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Instituição para portadores de necessidades especiais busca apoio

Cidade Comentários 28 de fevereiro de 2014

O objetivo é encontrar instituições parcerias e voluntários para ampliar serviços que possam ajudar crianças e adolescentes portadoras de Síndrome de Down e Autismo a melhorar a qualidade de vida


Após ter uma filha com síndrome de down, Juliana Francis resolveu dedicar todo seu tempo para outras crianças e mães que enfrentam a mesma realidade que a sua e fundou há um mês, a Casa Joana. A instituição, que leva o nome de sua filha, é voltada para a inclusão social, principalmente, de pessoas mais carentes que não têm como custear tratamentos especializados. O espaço que, aos poucos, se estrutura, busca voluntários e padrinhos que queiram contribuir com a boa causa.
A Casa Joana está localizada no Bairro Santa Maria de Nazaré e já está realizando atendimento a 16 crianças e jovens com necessidades especiais, como a Síndrome de Down e Autismo. Atualmente, elas recebem reforço escolar, fisioterapia e aulas de artesanato. Mas a intenção da fundadora é que, em breve, a instituição possa oferecer também serviços de fonoaudiologia, psicologia e aulas de artes, música, informática e muito mais. Mas para isso, ela pede o apoio de profissionais dessas áreas e de instituições que possam ajudar a manter o projeto.
Segundo Juliana, o projeto social da Casa Joana, foi criado para levar a discussão do tema para toda a sociedade anapolina. “Além de trabalhar todas as necessidades desse público, com atividades culturais e terapêuticas, queremos estimular a independência deles e prepará-los melhor para a convivência no mundo”, disse.
Apoio
Os primeiros suportes foram encontrados em outras pessoas que, assim como Juliana, acreditam que este trabalho é fundamental para melhorar a qualidade de vida desses jovens. Entre eles, mães e profissionais que estão levando para dentro da Casa Joana todas as experiências bem sucedidas que adquiriram ao longo dos anos cuidando de seus filhos e pacientes.
Entre elas, está Christina Alencar Siqueira- mãe de uma portadora de Síndrome de Down de 26 anos, Dandara Siqueira- que trabalha na Casa Joana duas vezes por semana. Ela descobriu, cuidando de sua filha, que todo portador doa doença tem facilidade para a arte. Dandara, por exemplo, pinta telas há cinco anos e atualmente está matriculada em um curso de desenho.
“Nós estamos abraçando o projeto da Casa Joana, queremos vê-lo se desenvolver e se sustentar para que mais crianças com necessidades especiais encontrem referência e sejam estimuladas a vencer todos os obstáculos que enfrentam diariamente”, relatou Christina Alencar.
Além de Christina, a instituição também conta com o trabalho voluntário da fisioterapeuta, Cristiana Martins Moreira; da professora de artes, Solange Pierobão; da diretora da instituição, Adriana Aquino; da administradora da instituição, Regina Chaveiro e da professora, Morgani Veloso.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Anápolis tem novos comendadores

20/07/2017

A Comenda “Gomes de Sousa Ramos”, maior honraria instituída pelo Município, foi entregue a personalidade de diversos se...

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...