(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Ingresso no Ensino Fundamental gera polêmica na Cidade

Educação Comentários 29 de maio de 2014

Apenas crianças com seis anos completos podem ser matriculadas para a alfabetização na rede municipal de ensino


Wanessa Mereb
Na última semana, o CONTEXTO foi procurado pela leitora Ana Paula Fernandes Picro, que questionava o motivo do por que somente crianças com seis anos, ou que completarão esta idade até o dia 30 de março, podem ser matriculadas no ensino fundamental da rede pública. Segundo ela, não conseguiu a vaga para o seu filho que estudava, anteriormente, em uma escola da rede privada e terá que aguardar até o ano que vem.
Ana Paula conta que a escola onde o filho estava matriculado foi fechada. Segundo ela, o garoto já escreve, lê e está ansioso para voltar à escola. Inconformada, Ana Paula explica mora no Residencial Leblon e que outra escola particular, é muito longe para levar seu filho todos os dias. “A escola particular mais próxima seria no JK. Que país é esse que tem uma educação nota zero? Sou uma mãe que está indignada por não poder dar no mínimo educação ao seu filho” desabafou.
O CONTEXTO procurou a Secretária Municipal de Educação, Virgínia Melo, para esclarecer a situação. Segundo ela, o Município atua de acordo com a Resolução do Conselho Nacional de Educação n°06/2010, que estabeleceu que crianças só podem ser matriculadas no 1° ano do ensino fundamental com 06 anos completos, ou se completarem a idade até 30 de março. “A legislação federal estabeleceu a data de corte, porque estava se tornando comum os pais matricularem suas crianças cada vez mais cedo. O objetivo é preservar a infância de cada uma delas. Nessa idade estão em fase de brincar e são inquietos”, observou.
De acordo com a Professora Virgínia Melo, a experiência que a Secretaria Municipal de Educação tem vivido nos últimos anos, mostra que a criança não perde tempo ou se atrasa por ter que esperar completar seis anos, “Matricular os filhos muito cedo na escola, sem que eles tenham maturidade o suficiente, pode representar riscos para o futuro escolar deles”, advertiu.
No entanto, no caso da criança já ter completado o 1° ano em uma escola particular, segundo a Secretária, pode ser feita uma avaliação para ver se ela realmente está preparada para entrar no ensino fundamental. “Desde que ela tenha passado pela educação infantil esse teste pode ser aplicado”, explicou. Segundo ela, a mãe da criança pode, também, procurar a Secretaria de Educação para mais esclarecimentos sobe o caso.

Autor(a): Wanessa Mereb

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Educação

Câmpus do IFG Anápolis tem nova diretora eleita

30/11/2017

A Comissão Eleitoral Central publicou no final da noite desta quarta-feira, 29, o resultado preliminar da eleição para dir...

Associação Educativa Evangélica celebra os 500 anos da Reforma Protestante

03/11/2017

Serão necessários mais 500 anos para que as futuras gerações tenham a noção da importância da celebração realizada n...

Saúde na Escola atende a quase 40 mil estudantes

20/10/2017

A Prefeitura de Anápolis, em parceria com o Governo Federal, está desenvolvendo o Programa de Saúde na Escola (PSE), um co...

Oficinas gratuitas oferecidas no programa Semana Cidadã

06/10/2017

A 1ª edição da Semana Cidadã, uma parceria entre a UniEVANGÉLICA e a Prefeitura Municipal de Anápolis, através da Secr...