(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Informática disponível para a melhor idade

Comportamento Comentários 15 de maio de 2010

Uma faculdade de Anápolis desenvolve projeto social para inserir idosos na era digital. Os alunos demonstram interesse e fascínio por esse mundo que estão começando a descobrir


Quem pensa que informática é coisa, apenas, para jovens, está totalmente enganado. Uma turma, já cheia de experiência de vida, aceitou o desafio de entrar no mundo digital para, também, usufruir de todos os benefícios que a informática pode trazer. Por isso quem pensava que o trabalho desses vovôs e vovós seria bordando ou cuidando de netos, vai encontrá-los em outro lugar: em frente ao computador. E, com o objetivo de mudar essa realidade, uma faculdade de Anápolis está empenhada em levar os conhecimentos desse admirável mundo novo a essas pessoas que não têm medo de aprender.
De acordo com o diretor da faculdade e um dos idealizadores do projeto, Jessé Alves de Almeida, a ideia partiu da proposta de se aproveitar o espaço físico da instituição, já que, em grande parte do dia, a sala de informática ficava desocupada tendo uma boa estrutura que poderia estar sendo utilizada. Percebendo a necessidade de se utilizarem os equipamentos e desenvolver um projeto social, foi feita uma parceria com o Município objetivando levar conhecimentos básicos de informática às pessoas que vivem a chamada melhor idade.
Assim, os frequentadores do Centro de Convivência de Idosos (CCI) formam o público alvo dessa nova experiência de ensinar, e aprender, informática tendo mais de 60 anos. “A escolha foi devido às pessoas que participam do CCI já estarem abertas a atividades desenvolvidas fora de suas casas”, afirma o diretor da faculdade. Segundo Jessé Alves, com as aulas não só noções de informática são trabalhadas no local, mas, também, é criado um ambiente de relacionamento muito saudável para os participantes.

Os alunos

Mesmo com as aulas havendo começado há pouco tempo, para um dos professores, Pedro Paulo Prudente Pereira, é notável o grande interesse dos alunos em vivenciarem essa nova experiência. Segundo ele, todos têm muita vontade de aprender e se dedicam para que isso seja possível. Criador da apostila, Pedro Paulo afirma que buscou trazer para a linguagem mais simples, noções básicas de informática. Dessa maneira, o curso foi dividido em três módulos. O primeiro trabalha noções mais gerais do funcionamento do computador, mostrando aos alunos os componentes que formam a máquina objeto de estudo. O segundo módulo já desenvolve os conhecimentos básicos no controle do sistema operacional mais conhecido (Windows). A partir daí, os alunos começam a aprender a digitar, criar arquivos e outras funções. Já o terceiro módulo é o mais esperado pelos alunos: Internet.
De acordo com Pedro Paulo, grande parte dos alunos se matriculou buscando conhecimentos básicos de internet, com o principal objetivo de se comunicar com a família e amigos distantes. A aluna Odiléia Dias Pereira, dona de casa, e com 75 anos de idade, confirma esse propósito. Para ela, comunicar pela internet com os parentes que moram longe é seu principal objetivo. Apaixonada por música, Odiléia Dias não vê a hora de poder buscar suas canções preferidas na Web. “Adoro música, e quero saber gravar em cd as minhas preferidas”, diz Odiléia.
Para a aluna Valdete dos Reis, 54 anos, o curso é uma oportunidade de conhecer e praticar no computador de casa, o que aprendeu na aula. “Nunca havia manuseado um computador antes. Há três meses tive o primeiro contato e estou adorando aprender aqui. Será uma oportunidade de conversar com parentes que moram longe, como na Suíça”, afirma Valdete. Já, segundo o aposentado Marcos Antonio Caetano, de 72 anos, aprender a operar o computador representa, não só poder conversar com parentes que moram nos Estados Unidos, Japão ou gravar suas músicas preferidas, mas, sim, a oportunidade de acompanhar as mudanças que acontecem no mundo. “Atualizar-me e poder me inserir nesse mundo virtual é minha principal justificativa de estar aqui”, afirma Marcos Caetano.

O curso

São três turmas de 20 alunos, aprendendo informática. Os professores são voluntários e tentam, da melhor forma, ensinar a quem não teve esta oportunidade antes. O diretor da instituição afirma que, devido ao sucesso do curso, a faculdade pretende estabelecer novas parcerias para ampliar o projeto. “Estamos pretendendo integrar o curso de Fisioterapia de outra faculdade, para desenvolver atividades de recreação aqui no espaço. E, também, com alunos do curso de Direito, para palestras em um outro momento”, afirmou Jessé.
O curso de informática não tem um prazo para ser finalizado. De acordo Jessé Alves, o andamento vai ser de acordo com o progresso dos alunos. Para participar do curso, segundo ele, é necessário haver disponibilidade de vagas, já que a sala de informática está lotada e todos os computadores ficam ocupados. O aluno não paga nada pelo curso.

Autor(a): Flávia Gomes

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Comportamento

Registros de casamentos caem e os de divórcios aumentam, mostra IBGE

02/11/2018

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística acaba de divulgar a estatística de registro civil. Os números trazem dad...

Palmadas estimulam agressividade em crianças, diz estudo

29/04/2016

A criança que apanha (leves palmadas no bumbum ou em outra extremidade) é mais propensa a desafiar seus pais, ter um compor...

Brasileiras iniciam vida sexual na adolescência

02/10/2015

etade (53%) das mulheres inicia a vida sexual entre 16 e os 18 anos no Brasil. A pesquisa, reali...

Qual é a melhor idade para conversar com os filhos sobre o álcool?

14/09/2015

ara evitar o consumo excessivo de bebida alcoólica entre pré-adolescentes e jovens...