(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Informações sobre Alienação do Estabelecimento Empresarial – Contrato de Trespasse são úteis para o sistema econômico

Contexto Jurídico Comentários 23 de agosto de 2018


É muito comum, na prática empresarial, que um empresário venda a outro uma universalidade de bens pertencentes à pessoa jurídica da qual era titular ou sócio, ficando o adquirente responsável, a partir de então, pela condução do negócio, mas sem qualquer vinculação com a pessoa jurídica anterior, ressalvado determinado período de transição previsto em Legislação específica.
Essa operação é denominada Trespasse, sendo regulado pelo Código Civil através de seus artigos 1.142 a 1.149.
O instituto de Trespasse é o negócio jurídico pelo qual se transmite um estabelecimento comercial (Sociedade Empresária), em sua integralidade, ou seja, transfere-se o direito de propriedade sobre o estabelecimento. Salvo disposição contratual em contrário, a venda do estabelecimento abarca todos os bens corpóreos (instalações, máquinas, mercadorias, estoques, contas a pagar e a receber, dentre outros) e incorpóreos (marca e patentes), sejam eles imóveis ou móveis, desde que considerados indispensáveis à continuidade do exercício da atividade empresarial.
Importante destacar que o registro só produzirá efeitos em relação a terceiros depois de averbado à margem da inscrição do empresário, ou da sociedade empresária, no Registro Público de Empresas Mercantis, e de publicado na imprensa oficial, conforme aduz o art. 1.144 do Código Civil.
Chama-se à atenção para o artigo 1.145 do Código Civil, que dispõe quanto ao cuidado que o adquirente deve ter quanto às condições patrimoniais dos alienantes a fim de não colocar em risco a eficácia da transferência do estabelecimento, sendo inclusive recomendada a notificação dos credores.
Outro ponto importante é que o adquirente responde pelos débitos do vendedor, desde que estejam declarados. Quanto aos débitos trabalhistas e fiscais, restará ao adquirente o regresso – Ação Judicial - contra o vendedor.
Vale ressaltar que a venda do estabelecimento comercial, em determinados casos e situações específicas, somente será possível com a anuência dos credores do vendedor, caso contrário o negócio poderá ser anulado e, de consequência, ineficaz às partes e a terceiros.

CURIOSIDADE LEGAL:
O contrato de Trespasse não pode ser confundido com a Alienação de Quotas de sociedade, sendo que no Trespasse, o estabelecimento empresarial deixa de integrar o patrimônio de um empresário e passa para o de outro. Já a Alienação de Quotas, o estabelecimento empresarial não muda de titular.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Contexto Jurídico

Banco não responde por dano a terceiro que recebe cheque sem fundos

14/02/2019

Os Ministros da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça - STJ, por maioria, reafirmaram entendimento de que a instituiçã...

Inconstitucionalidade na cobrança do DIFAL na aquisição de mercadorias por empresas optante pelo Simples Nacional

08/02/2019

Com o advento do Decreto Estadual nº. 9.104/2017, as empresas goianas optantes do Simples Nacional que adquirem mercadorias ...

Ato de desídia. Faltar sem justificativa é motivo para justa causa

17/01/2019

Segundo entendimento da 1ª turma julgadora do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, faltar ao trabalho por mais de ...

Pensando em abrir seu próprio negócio? Vejaos principais tributos pagos por uma empresa:

10/01/2019

O que mais assusta os empreendedores e donos de negócios são os valores a serem pagos e a burocracia ao abrirem uma empresa...