(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Hospital psiquiátrico pode fechar até o final do ano

Saúde Comentários 19 de outubro de 2012

Instituição acolhe pacientes de 64 cidades goianas e de oito estados da União. Receitas do convênio com o SUS são insuficientes para manutenção


“Este alerta já foi repetido várias vezes, mas agora dificilmente conseguiremos contornar a dificuldade. Como está, o hospital não consegue passar este Natal e Ano Novo”. O grito foi dado pelo presidente do Sanatório Espírita de Anápolis, Adilson Pinto, referindo-se à dificuldade financeira vivida pelo Hospital Espírita de Psiquiatria (HEP), que é mantido pela instituição.
Segundo Adilson, “há mais de dez anos, o HEP sofre gradativa descapitalização decorrente do descaso do governo para com a entidade e a assistência psiquiátrica em geral”, afirma.
O hospital de psiquiatria anapolino funciona há 61 anos e sobrevive hoje com a maior parte da renda (mais de 90 %) proveniente do convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS). Depois de vender imóveis, para honrar compromissos e continuar de portas abertas, o Sanatório encontra-se lutando para conseguir do poder público municipal e estadual intercessão junto ao governo federal, “para corrigir urgentemente o achatamento no valor dos serviços prestados pela entidade ao SUS.
“Mais de 100 % das receitas do HEP estão sendo destinados à folha de pagamento. E vai começar a faltar dinheiro para alimentos, medicamentos, produtos de limpeza, transporte, manutenção de veículos e predial de toda uma quadra, que nossa entidade sempre manteve em perfeita ordem”, relata o diretor administrativo executivo do Sanatório, Cauby Moreira Pinheiro. O resultado mensal é um déficit de R$ 100 mil, para uma despesa geral mensal de R$ 500 mil.
Algumas transferências de verba têm sido feitas pelo governo estadual e pelo município, mas são insuficientes diante do montante geral que a atividade requer. “Isto aqui é uma entidade filantrópica, nenhum diretor ou conselheiro recebe qualquer pagamento pela sua atividade, pelo contrário, arrisca-se a arcar com o descaso governamental”, assevera Adilson Pinto.

Restrição

Embora sendo sempre avaliado positivamente por diferentes órgãos governamentais, o HEP vem sofrendo devido à campanha de desativação de leitos hospitalares psiquiátricos em curso pelo Governo Federal.
“A campanha está sendo conduzida de forma equivocada”, afirma Adilson Pinto. Segundo ele, “é temerária a abordagem indiscriminada com que as diversas patologias mentais estão sendo tratadas”, diz. “Os gestores públicos estão mixando casos leves da esfera da psicologia com transtornos radicais e crônicos”, denuncia. “O resultado tem sido o aumento de pacientes psiquiátricos e dependentes químicos pelas ruas e estradas do país, com alto índice de mortalidade e o preocupante aumento dos moradores de rua e da população carcerária”, explica Adilson.
O governo brasileiro ainda não dispõe de um sistema alternativo de atendimento para receber aqueles que ficam privados do atendimento hospitalar. Foram abertos pelo governo vários centros de atenção psicossocial. Na prática, porém, eles não dão, e não têm condições de dar, o atendimento necessário em grande parte dos casos. Mesmo assim, a campanha governamental tem como meta, a médio prazo, diminuir drasticamente, e mesmo eliminar os leitos dos hospitais psiquiátricos.

Pesquisa
Uma pesquisa do Ministério da Saúde conferiu ao HEP um escore de 8,59 pontos, classificando a instituição como o 6º melhor hospital em Goiás, dentre os outros 39 conveniados ao SUS no estado. O levantamento foi realizado em 2000, em todos os hospitais do país, junto aos usuários do SUS. Na região Centro-Oeste, o HEP foi o 10º colocado dentre 68 hospitais.
Foram avaliados hospitais gerais e de todas as especialidades, que atendem pelo SUS, no território nacional. No Brasil, o hospital psiquiátrico de Anápolis obteve a 216ª colocação dentre os 1.421 hospitais avaliados.
Atualmente, o HEP atende a cerca de 340 internos por mês. Além de Anápolis, pacientes de 64 municípios do estado necessitam do atendimento hospitalar ou ambulatorial do HEP. Um total de 282 funcionários trabalha na entidade.
O HEP mantém convênio de 320 leitos com o SUS para atendimento em regime de internação. Desse total, 150 leitos são para atendimento da população de Anápolis e 110 destinados a usuários de 64 municípios goianos pactuados com Anápolis. Outros 60 leitos estão permanentemente ocupados por pacientes moradores, sem família e cronificados, inclusive clinicamente.

Autor(a): Henrique Mendonça

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Faculdade promove campanha educativa

24/11/2017

Em novembro, a Faculdade Fama realiza uma ação, em parceria com a Prefeitura de Anápolis e apoio de empresas, voltada para...

Nova força-tarefa para combater a dengue, zika e chikungunya

16/11/2017

Durante solenidade realizada no Teatro Municipal, na última terça-feira,14, o Prefeito Roberto Naves reuniu dezenas de repr...

Dengue - Redução de casos economiza R$ 3,6 mi

09/11/2017

Com a chegada do período chuvoso, a Prefeitura de Anápolis volta a intensificar os cuidados com a dengue, chikungunya e zik...

Anápolis vai sediar campanha para doação de medula óssea

03/11/2017

Jovens e mães, Eva e Karise são duas amigas que enfrentam o mesmo problema: a leucemia. Eva Araújo, ex-servidora da Prefei...