(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Horários irregulares prejudicam a cognição

Saúde Comentários 14 de novembro de 2014

Expediente em turnos alternativos leva a um declínio das habilidades cognitivas, prejuízos só podem ser revertidos após cinco anos


Trabalhar em turnos alternativos como durante a madrugada ou em horários irregulares durante muitos anos reduz o funcionamento do cérebro e pode levar a problemas cognitivos, como danos à memória e ao raciocínio. Se isso for feito por até uma década, o cérebro “envelhece” cerca de 6 anos, mostra um novo estudo feito por pesquisadores franceses e publicado na última segunda-feira, 10, na revista científica Occupational & Environmental Medicine. De acordo com a pesquisa, o efeito negativo do trabalho em turnos alternativos é maior caso essa rotina seja mantida por mais de dez anos. Caso o hábito seja interrompido, tais danos podem ser revertidos — no entanto, a melhora pode levar cinco anos para ocorrer.
Pesquisas feitas anteriormente já mostraram que trabalhar, estudar ou realizar outras atividades em turnos alternativos afeta negativamente o relógio biológico, o que pode levar a problemas cardiovasculares e a síndromes metabólicas, como o diabetes e a obesidade. No entanto, ainda não havia sido feito um estudo sobre o efeito desse tipo de rotina sobre o cérebro.
O novo estudo incluiu 3 200 moradores da França entre 32 e 62 anos que trabalhavam ou que já haviam se aposentado. Os pesquisadores aplicaram nos participantes testes cognitivos para avaliar a memória de curto prazo e a velocidade para processar novas informações em três momentos: em 1996, em 2001 e em 2006.
Segundo os resultados, pessoas que trabalhavam em turnos alternativos ou em horários irregulares apresentaram uma piora da habilidade cognitiva ao longo dos anos em comparação com os indivíduos que tinham empregos com horários fixos. De acordo com os pesquisadores, é como se o cérebro daqueles que dormiam de dia e trabalhavam à noite tivesse cerca de 6 anos a mais, apresentando declínio cognitivo. Os cientistas também perceberam que as habilidades só voltavam ao normal depois de cinco anos sem turnos alternativos.
“O declínio cognitivo que observamos no estudo não é um sinal de alerta somente para as pessoas que trabalham em turnos, mas para a sociedade como um todo, já que cada vez mais aumenta o número de postos de empregos com horários irregulares”, escreveram os pesquisadores no artigo.

Dez formas de evitar o stress no trabalho
Identifique o que está provocando o stress
É preciso saber o que está provocando o stress no trabalho para que a atitude mais correta seja tomada. O problema pode ser você, então procure avaliar se você está se sobrecarregando porque não delega funções, cobra demais de si mesmo, leva o perfeccionismo ao extremo ou por outro motivo. No entanto, pode ser que as próprias características do trabalho (pressão, risco de vida e prazos apertados, por exemplo) acarretem stress. Finalmente, o ambiente de trabalho, construído pelos funcionários e pelas relações entre eles, pode ser o grande culpado.

Fique atento aos sinais do seu corpo
Os problemas clínicos associados ao stress que costumam aparecer primeiro são cansaço e desânimo desproporcionais, fadiga constante, dificuldades de concentração, problemas de memória, comportamento explosivos e irritabilidade. Além deles, sintomas comuns quando o nível de stress profissional é grande incluem depressão, transtornos de ansiedade, hipertensão, compulsão alimen tar, aumento de peso, gastrite e outras alterações gastrointestinais.

Seja flexível
Não delegar tarefas e cobrar muito de si são alguns dos comportamentos que podem se virar contra você, já que colaboram com o aumento do stress no trabalho. “Por exemplo, uma pessoa muito perfeccionista nunca vai ficar satisfeita com o seu trabalho, não importa o resultado. Ou ela vai considerar que não fez mais do que sua obrigação, ou vai se culpar pois deixou a desejar”, diz o psiquiatra Renato Mancini.

Não guarde os problemas para si
A falta de comunicação é um dos principais males da convivência profissional. Para melhorá-la, um profissional deve buscar e estudar quais são as melhores formas de interagir e de se comportar no ambiente de trabalho. “Se os problemas persistirem, é preciso conversar sobre eles, por mais difícil que possa ser, já que o ambiente profissional é muitas vezes opresso. É importante discutir, por exemplo, quando o prazo de um trabalho for impossível de ser cumprido”, diz Mancini.

Conheça o emprego antes de aceitá-lo
Saber quais são as características do seu emprego é fundamental para evitar uma quebra de expectativa e uma frustração. “É preciso ter certas coisas em mente. Não podemos esperar, por exemplo, que um colega de trabalho seja nosso melhor amigo”, diz Manicini. Além disso, é provável que o emprego atinja uma certa rotina e que as funções deixem de ser novidade. “Quem só gosta de novidades e desafios e cai na rotina se frustra. Por isso precisamos entender o ambiente em que estamos inseridos e avaliar se ele é estimulante”, afirma o médico.

Não limite sua vida ao trabalho
Quando a vida de uma pessoa está resumida somente ao trabalho, ou seja, quando nada mais lhe satisfaz, qualquer fato que ocorra no ambiente profissional terá um impacto muito maior do que deveria. Por isso é importante que um indivíduo tenha um hobbie, mantenha contato com família e amigos, procure um curso para fazer ou outra atividade para se engajar fora do trabalho.

Fortaleça o seu sistema imunológico
Hábitos alimentares corretos ajudam a fortalecer o sistema imunológico e, consequentemente, tornam uma pessoa menos vulnerável ao stress e seus efeitos. Vitamina C e alimentos ricos em zinco, como as amêndoas, são aliadas da imunidade.

Durma pelo menos 8 horas por dia
Dormir bem é outra maneira de melhorar a qualidade de vida e o bem-estar, diminuindo o cansaço e aumento a disposição para trabalhar. O sono adequado, ou seja, de oito horas diárias, ajuda uma pessoa a ser mais forte em frente ao stress e melhora a sua memória e raciocínio. “Uma melhor qualidade de vida melhora o desempenho no trabalho e a forma como uma pessoa lida com os conflitos profissionais, já que o stress prejudica o raciocínio e a tomada de decisões”, explica a psiquiatra Mara Maranhão.

Pratique atividades físicas
O bem-estar e a qualidade de vida também dependem do exercício físico. Eles melhoram a disposição de um indivíduo e o tornam mais forte para enfrentar situações de stress. O ideal é a prática de 30 minutos de qualquer atividade ao menos três vezes na semana.

Procure ajuda profissional
Pode ser difícil encontrar formas de lidar com o stress, mesmo sabendo o motivo pelo qual ele existe e quais são as suas consequências. Por isso, o auxílio de um profissional que seja especialista em saúde mental pode ser fundamental para que o stress permaneça distante e não afete a sua vida.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Mudanças no programa Farmácia Popular preocupam vereadores

22/06/2017

O Vereador Antônio Gomide (PT) falou na tribuna, na última segunda-feira, 19, sobre o possível fechamento da Farmácia Pop...

Município anuncia importantes reformulações na área da saúde

15/06/2017

Uma das áreas mais sensíveis da Administração, a pasta da Saúde, tem desafios que extrapolam os limites do Município. P...

Anvisa ouve reivindicações dos laboratórios goianos

15/06/2017

Anápolis recebeu, no último dia 09, a presença do médico sanitarista e epidemiologista, Jarbas Barbosa da Silva Júnior, ...

Projeto atende a quase 800 pacientes que estavam na fila

26/05/2017

Há dois anos, a auxiliar de limpeza, Lídia dos Reis, 38, sentia fortes dores de vesícula. As pedras acumuladas no órgão ...