(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Horário para vendas de bebidas pode ser fixado por lei

Cidade Comentários 15 de julho de 2011

Este é um dos pontos polêmicos que entrou em discussão na Câmara Municipal, com as audiências públicas para debater o projeto do novo Código de Posturas de Anápolis


A Comissão de Urbanismo, Transporte, Obras e Serviços realizou na terça-feira, 12, uma audiência pública para debater o Projeto de Lei Complementar que propõe a reformulação do Código de Posturas do Município. O texto foi encaminhado à Câmara de Vereadores pelo Poder Executivo no início de abril. Era para ser votado antes do recesso parlamentar, mas o relator da matéria, vereador Mauro Severiano (PDT), utilizando mecanismos regimentais, protelou a votação para que a proposta seja debatida com a sociedade.
“É um projeto importante, que mexe com toda comunidade. Não pode ser votado a toque de caixa”, justificou o vereador, ao fazer o seu pronunciamento na abertura da primeira audiência pública, já que pretende realizar outras discussões semelhantes para colher opiniões e sugestões que podem virar emendas. Mauro Severiano lançou algumas sugestões que, conforme observou, poderão ser propostas em forma de emendas, como, por exemplo, a proibição de venda de bebidas alcoólicas após a meia-noite nos bares, pit dogs, restaurantes e similares. Além, ainda, da proposta de regulamentar a venda de bebidas alcoólicas nas proximidades de escolas.
O relator do projeto do Código de Posturas disse, ainda, que estuda a possibilidade de colocar uma emenda para que a Cidade tenha um quantitativo de fiscais equivalente a um fiscal para cada grupo de 10 mil habitantes. “A Divisão de Postura, que trabalha 24 horas por dia, nos finais de semana e feriados, precisa ter uma estrutura adequada”, defendeu Mauro Severiano, acrescentando, ainda, que há outros dispositivos importantes a serem debatidos como a regulamentação do horário de carga e descarga de caminhões na região central e o comércio ambulante. “Sou a favor da categoria, mas tem que organizar”, frisou, alertando que muitos ambulantes vêm de outras localidades, fazem aqui as suas vendas e levam o dinheiro para os seus locais de origem, além de não gerar emprego e renda em Anápolis.
O diretor da Companhia Municipal de Trânsito e Transportes (CMTT), tenente coronel Sidney Pontes ressaltou que a modernização do Código de Posturas vai ajudar a delimitar a atuações dos órgãos como a própria CMTT e a Postura. “Precisamos de amparo legal para que as nossas ações sejam mais eficazes”, sublinhou. O representante da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Anápolis, Élcio Alves Pereira, arremata dizendo que não é preciso apenas uma “boa lei, mas que a mesma possa se fazer cumprir”, ponderou, observando que se a legislação fosse observada, o Município não teria uma situação tão agravada em relação ao comércio ambulante.
O presidente da Associação Comercial e Industrial de Anápolis (Acia), Wilson de Oliveira, disse que a iniciativa da Câmara Municipal em chamar a sociedade organizada para participar do debate sobre o novo Código de Posturas “é bastante louvável”. Segundo ele, Anápolis cresceu de forma acelerada nos últimos anos e para que os problemas decorrentes desse crescimento sejam resolvidos, é necessária a união de esforços. Ele chamou a atenção para um fato preocupante e que deve ser observado no projeto. Trata-se da acessibilidade das calçadas. “Nós temos, também, que olhar para o centro da Cidade com ações que possam convergir para os seus objetivos de comércio e serviços”, apontou, dizendo ainda, em relação ao projeto em discussão, ser preciso encontrar um ponto de equilíbrio entre os segmentos interessados.
O presidente do Conselho de Pastores de Anápolis, Leordino Lopes, disse que há todo um interesse dos pastores de Anápolis em debater o projeto. Ele adiantou que estará discutindo a proposta com os mesmos a fim de colher sugestões. Em relação às igrejas, o Código de Posturas traz alguns dispositivos para a regulamentação do nível de som, para que não haja perturbação na vizinhança.

Pouca estrutura
O diretor da Divisão de Posturas, Leonardo Xavier Nunes, que também participou da audiência pública, fez um breve relato sobre a estrutura do órgão que, hoje, conta com uma equipe de 14 funcionários. Somente nos finais de semana são atendidas até 170 ocorrências diversas. A Postura conta com três viaturas, apenas, para a fiscalização. Conforme enfatizou, o contingente de servidores deve ser ampliado com a realização de concurso público. “Nossa equipe é pequena, mas tem se desdobrado para prestar um bom atendimento”, ponderou.
Leonardo Xavier citou que um dos problemas “crônicos” de Anápolis é o de som alto em veículos. Para combater essa anormalidade, ele diz ter o apoio da CMTT e da Polícia Militar. Em relação ao comércio informal, o diretor da Postura diz que tem sido feito um trabalho de controle dentre os que estão atuando e para evitar a vinda de novos ambulantes. Essa é uma questão que, aliás, vai ser tratada num capítulo inteiro do projeto, que aborda as concessões de licença para a atividade e a sua regulamentação. Por fim, citou também que outro grande problema é em relação à limpeza de lotes. De acordo com Leonardo Xavier, há muitas reclamações dessa natureza encaminhadas ao órgão, mesmo porque, em muitos casos, a população fica ameaçada com a presença de focos da dengue, insetos variados, roedores e animais peçonhentos, sendo que, em algumas situações, é necessária a intervenção do Ministério Público.
Entre todos os debatedores, foi consenso que a renovação do Código de Postura é uma medida acertada e até já deveria ter ocorrido, uma vez que a legislação atual é de 1968, quando a realidade era bem diferente. Segundo o vereador Mauro Severiano, Anápolis tinha, à época, duas dezenas de bairros. Hoje, são mais de 340. “Naquele tempo, tinha que se disciplinar a utilização de charretes (veículos de tração animal). Atualmente, o Município tem uma frota superior a 150 mil veículos em circulação.



Pontos importantes do novo Código de Posturas

- O Código de Posturas atribui ao órgão “Poder de Polícia” que, segundo o texto do projeto, é a atividade da Administração Pública que visa disciplinar o exercício das liberdades públicas e assegurar o gozo pleno dos direitos individuais e coletivos e a defesa de interesses legítimos concernentes à segurança, ao sossego, à ordem democrática, à estética e paisagem urbana, o respeito à propriedade e sua função social, o uso das vias e logradouros públicos, a preservação dos patrimônios histórico e cultural, ao exercício ou não de atividades econômicas e profissionais, a disciplina da produção, comercialização e do mercado do Município de Anápolis.
- O licenciamento de qualquer atividade que possa perturbar o sossego e a tranquilidade pública fica condicionado à adoção de medidas que reduzam o nível de incomodidade ao sossego e à tranquilidade pública nos padrões fixados em lei.
- É vedado: soltar pipas e similares, utilizando linha de cerol ou qualquer outro material cortante, que possa colocar em risco a integridade das pessoas.
- Os proprietários ou possuidores de qualquer título de terrenos na zona urbana são obrigados a conservá-los limpos e adequá-los para o fácil escoamento das águas pluviais. (Neste caso, o Município fica autorizado, por lei, a aplicar multas quando constatadas irregularidades)
- É proibido: construir, demolir, reformar, pintar ou limpar fachadas de edificações, sem proteção apropriada para impedir que poeira, borrifamento de líquidos e outros resíduos produzidos que incomodem os vizinhos e transeuntes.
- A ocupação, para exploração comercial de qualquer espécie, de passeios e logradouros públicos, por particulares, dependerá de prévia autorização da Prefeitura.
- A licença para vendedores ambulantes só será concedida pela Administração Municipal, mediante o atendimento do interessado das seguintes formalidades: I - requerimento ao órgão de Fiscalização Municipal de Posturas, apresentando qualificação completa do requerente e descrição da atividade que pretende desenvolver; II - utilização de bancas, barracas, carrinhos, segundo modelos oficiais da Administração, definidos por decreto; III - compromisso do interessado de não impedir ou estrangular o tráfego de pedestres nas calçadas, condutas estas vedadas; IV - recolhimento da taxa devida pela licença.
- A exploração e utilização de veículos de publicidade como outdoor, front-light, painéis, placas e congêneres, fixados em áreas particulares ou públicas, nos termos do Código do Meio Ambiente, dependerão de licença específica para tal fim e pagamento dos tributos e preços públicos, nos termos da legislação tributária.
- Nenhum estabelecimento comercial, industrial, prestador de serviço ou similar poderá instalar-se no Município, mesmo transitoriamente, nem iniciar as suas atividades, sem prévia licença de localização e funcionamento outorgada pela Administração Municipal e sem que seus responsáveis tenham efetuado o pagamento da taxa devida.
- O horário de funcionamento de qualquer atividade, quando a competência for do Município, a pedido do interessado, pode ser antecipado ou adiado em uma hora, bem como do encerramento, exceto quando o término for às 22 horas. Horários normais de segunda a sexta feiras: das 7 às 19 horas; aos sábados, das 7 às 13 horas. O estabelecimento comercial em geral deverá solicitar licença especial para funcionamento aos sábados até às 22 horas e aos domingos e feriados até às 18 horas.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Anápolis tem novos comendadores

20/07/2017

A Comenda “Gomes de Sousa Ramos”, maior honraria instituída pelo Município, foi entregue a personalidade de diversos se...

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...