(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Grupo vendia drogas e tinha clínica para tratar dependentes

Geral Comentários 19 de abril de 2013

Operação da Polícia Federal foi deflagrada em cinco estados brasileiros, dentre eles Goiás, onde mantinha comércio de drogas sintéticas como Ecstasy e LSD


A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira,18, a operação denominada “BAD TRIP”, com o objetivo de reprimir o tráfico internacional de produtos químicos para a produção de drogas sintéticas, bem como o tráfico internacional de drogas sintéticas produzidas pelos produtos químicos traficados. A referida operação teve como meta o cumprimento de oito mandados de prisão, sendo um no Rio de Janeiro, dois na Bahia e cinco em Minas Gerais, sete mandados de busca e apreensão em Goiás e Minas Gerais e dois mandados de sequestro de veículos.
As investigações, segundo a assessoria da PF, iniciaram em janeiro de 2012, tendo sido realizado durante as investigações três prisões em flagrante, incluindo uma das maiores apreensões de Ecstasy já realizada pela Polícia Federal, quando foram apreendidos 50 mil comprimidos de Ecstasy, no dia 14 de novembro do ano passado, no Aeroporto do Galeão/RJ, além de outra apreensão de 28 mil comprimidos de Ecstasy, no dia 04 de julho de 2012, no Aeroporto de Guarulhos/SP.
Com o líder da Organização Criminosa foi apreendido 4,5 mil micropontos de LSD no mês de janeiro último, sendo também uma das maiores apreensões desta droga sintética, conhecida por “DOCE”, que é a droga alucinógena mais potente atualmente.
Conforme o apurado, o grupo criminoso investigado importava de forma clandestina e ilegal produtos químicos como Ergotamina do Paraguai para o Brasil, sendo então remetidos para a Europa (Holanda-Amsterdã), de onde retornavam as drogas sintéticas lá fabricadas (Ecstasy e LSD), para serem vendidas no Brasil.
O produto químico entrava por via terrestre no Brasil, sendo transportado pelos integrantes do grupo, os quais posteriormente cooptavam outras pessoas para levarem os produtos químicos para a Europa, de onde os mesmos voltavam com drogas sintéticas como Ecstasy e LSD.
No Brasil, as drogas eram revendidas nos Estados de Goiás, Minas Gerais, Bahia e São Paulo.
Além da traficância realizada pela organização criminosa investigada, o que gerava lucro ao grupo, foi verificado ainda que o grupo também abriu uma clínica para tratamento de dependentes de drogas, na cidade de Itumbiara, a qual atualmente encontra-se interditada pela Vigilância Sanitária do Município, querendo assim também lucrar em relação à dependência de drogas, a qual é causada pelas atividades do próprio grupo.
O nome da Operação foi escolhido em razão de Bad Trip ser o termo (gíria) que representa as sensações fisiológicas e psicológicas desagradáveis, provocadas pelo uso de substâncias psicoativas durante os efeitos psicotrópicos. Um sintoma comum de bad trip é o usuário se sentir perseguido, ou preso à viagem, e teme nunca mais voltar à normalidade. (Fonte: ImprensaPolícia Federal)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Geral

SENAI abre as portas para a comunidade

08/11/2018

Pioneiro na formação e qualificação de mão-de-obra para indústria, o Senai de Anápolis, primeira unidade de Goiás, fu...

Ex-presidente de associação condenada a 61 anos

08/11/2018

Criseide Castro Dourado, ex-presidente da Associação de Combate ao Câncer em Goiás, foi condenada a 61 anos de prisão pe...

Documento Digital será lançado no estado de Goiás

08/11/2018

A partir da próxima semana, os motoristas do estado de Goiás poderão acessar, no celular, o seu Certificado de Registro e ...

Provável fechamento da Unidade Oncológica gera polêmica na Cidade

08/11/2018

A notícia de que o tratamento oncológico oferecido pelo Hospital Evangélico Goiano (HEG) a pacientes com câncer poderia s...