(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Governo quer ouvir a população

Geral Comentários 28 de setembro de 2017

Estado mantem desempenho positivo nas exportações e está otimista


Com o objetivo de contribuir com o Plano de Desenvolvimento Integrado – Goiás 2038, o Governo Estadual e a consultora Macroplan elaboraram uma pesquisa online para traçar novas estratégias sobre o futuro de Goiás. Além de ter a participação do Fórum Empresarial goiano e de instituições de ensino superior e de qualificação profissional, o Governo quer contar também com a opinião dos cidadãos.
Para a participação da população neste Plano, o Governo Estadual disponibilizou o questionário da pesquisa online em todos os sites e redes sociais institucionais, através do banner Goiás 2038 ou pelo acesso direto ao endereço eletrônico https://pt.surveymonkey.com/r/goias_2038.
As informações obtidas a partir dessa coleta de respostas se unirão a outros dados, como indicadores socioeconômicos e fatores políticos recentes para, então, compor o desenho do cenário prospectivo para Goiás nos próximos 20 anos. O projeto deve ser concluído em março de 2018.

Influências
Dentro do que foi apurado no estudo prévio da Macroplan, Goiás já apresenta muitas perspectivas econômicas favoráveis a um desenvolvimento crescente e capaz de sustentar-se como um estado promissor. Entretanto, muitos fatores precisam ser considerados até 2038, que envolvem principalmente decisões governamentais, tanto a nível nacional como estadual.
Dois fatores farão grande diferença nas próximas décadas e serão imprescindíveis no futuro econômico de Goiás. Um deles é a forma como serão aplicadas as reformas adotadas pelo governo federal e o outro está relacionado às políticas públicas de atratividade de novos investimentos para Goiás.
O estudo traçou uma linha cruzada entre estes dois fatores, gerando quatro cenários. No primeiro cenário, o país e o estado seguem juntos na melhor das perspectivas, adotando reformas nacionais promissoras e impulsionando as potencialidades goianas. Com isso, tem-se o cenário da competitividade inclusiva, sistêmica e até acima da média.
No segundo cenário, apenas Goiás cumpre o seu papel de impulsionar as atratividades geoeconômicas, enquanto o país segue com reformas lentas. Este seria o cenário da competitividade com barreiras. O estado cresceria, porém de forma estimulada.
No terceiro cenário, o país conseguiria implantar as reformas importantes e seguiria um caminho com economia de mercado aberta, sem protecionismo, enquanto Goiás, não conseguiria impor seus atrativos de mercado. Neste cenário, prevaleceria uma competitividade declinante. Goiás cresceria, mas de forma lenta e poderia ser facilmente superado por outros estados.
E no último e pior cenário, se o Brasil mantiver a morosidade de reformas e Goiás não tiver atratividade de investimentos os goianos viveriam um cenário de decadência competitiva, em momentos de provável crise ou economia com menores chances de crescimento.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

UniEVANGÉLICA - Seminários destacam direitos da pessoa com deficiência

20/09/2018

Foi promovido nesta semana na UniEVANGÉLICA o Seminário dos Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência, uma iniciativa d...

Regulamenta lei que proíbe fabricação e uso do cerol

20/09/2018

O governo de Goiás editou o Decreto n° 9.316, de 18 de setembro de 2018, que regulamenta a Lei n° 17.700/2012, que dispõe...

Comarca de Anápolis fica de fora do plano para a expansão de novas varas

20/09/2018

A Comarca de Anápolis ficou de fora da primeira fase do plano de reestrutura judiciária, definido pela Lei 20.254/18, que d...

Vereador destaca do Dia do Vicentino

20/09/2018

Em discurso no pequeno expediente, durante a sessão ordinária da última quarta-feira,19, o vereador Lisieux José Borges (...