(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Governador busca apoio contra a unificação

Economia Comentários 23 de agosto de 2013

Marconi se encontrou com governadores do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e agenda prevê reuniões em mais cinco estados


O governador Marconi Perillo se encontrou na última terça-feira,20, com os governadores do Mato Grosso, Silval Barbosa, e do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, dando continuidade às reuniões iniciadas com os governadores dos estados emergentes (TRedaçãoocantins, Pernambuco e Maranhão), em julho. O governador está apresentando e discutindo um projeto de lei complementar que busca regulamentar e disciplinar os incentivos fiscais dos estados e a manutenção da alíquota unificada do ICMS para transações interestaduais.
O governador Silval recebeu a comitiva goiana no Palácio Paiaguás, em reunião que durou cerca de uma hora e meia e mostrou entusiasmo com a tese, declarando-se estar junto nessa luta e propondo uma reunião geral com todos os governadores, em Brasília, para a definição de como será o encaminhamento desse projeto de lei. Marconi estava acompanhado pelo senador Wilder Morais, os secretários Vilmar Rocha, (Casa Civil) e Alexandre Baldy (Indústria e Comércio), o presidente da Adial Brasil, José Alves Filho e o presidente Executivo do Grupo Hypermarcas, Nelson Melo.
Em seguida, a comitiva comandada pelo governador Marconi foi para Campo Grande, onde, no Parque dos Poderes, foi recebida pelo governador André Puccinelli, que também se manifestou favorável à tese de manutenção dos incentivos fiscais e contra a redução das alíquotas do ICMS. O encontro durou aproximadamente uma hora e nele fortaleceu-se o argumento de uma reunião conjunta para o encaminhamento dessas questões junto ao governo federal.
Ficou acertado também com o governador André a solicitação de uma audiência a ministros do Supremo Tribunal Federal, onde estão em andamento ações que inviabilizam a política de incentivos implementada pelos estados das regiões Centro-Oeste, Norte, Nordeste, e ainda Espírito Santo e Santa Catarina.
Os governadores querem explicar aos ministros a situação vivida por esses estados em função da existência dessa política. “Depois, vamos fazer uma reunião em Brasília para decidirmos quem vai apresentar um projeto de lei que nós elaboramos, com a participação da Adial Brasil, que convalida os incentivos fiscais já concedidos até aqui e ao mesmo tempo estabelece uma política de competição entre os estados”, observou o governador Marconi.

Empregos
Em entrevista à imprensa, Marconi explicou o motivo dessa luta e desse périplo pelos estados: “Esses incentivos são parte do ICMS que abdicamos para gerar empregos. Ou seja, a troca de imposto por emprego, para dar dignidade às pessoas. E é também uma forma que nós temos de compensar as distâncias dos grandes centros consumidores, ou seja, a distância e o frete que os produtores industriais pagam para levar seus produtos aos portos e ao mercado externo e também ao grande consumo no mercado interno”.
Sem esses incentivos, continua o Governador, “nós vamos ver, da noite para o dia, fábricas inteiras fecharem, os empregos irem embora. Nós temos um estudo que diz que se houve a redução de 12% para 7% na alíquota interestadual, nós vamos perder 2 milhões de empregos nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte. Nós estamos nos mobilizando para evitar que isso ocorra. Nós não podemos de repente trazer tantas indústrias para nossos estados e, de repente, ver essas indústrias fecharem suas portas.”
O secretário Vilmar Rocha disse que está se abrindo uma janela política de oportunidades agora para que os governadores possam se afirmar a apresentar propostas que sejam efetivas e não ficar dependendo de decisões tomadas pelos tecnocratas e pelos burocratas dos ministérios da Fazenda e do Planejamento.
“É preciso que haja uma afirmação política dos governadores e dos estados. No caso específico da questão dos incentivos fiscais, ela não pode ser tratada dessa forma. A redução das tarifas das alíquotas do ICMS vai matar a política dos incentivos fiscais, trazendo inúmeros prejuízos aos estados emergentes e à sua industrialização. Por isso é preciso ter uma articulação entre os governadores, para afirmar essa política que realmente interessa aos estados e à federação.

Marconi disse ainda que está levando aos governadores uma proposta para regulamentar e disciplinar os incentivos fiscais e não acabar com eles. “Essas visitas que o governador está fazendo aos estados são para chamar a atenção de que não interessa aos estados emergentes, a redução das alíquotas interestaduais do ICMS e nem acabar com a política de incentivos fiscais,” afirmou Vilmar.
Na semana que vem, o governador Marconi programou visitas aos governadores dos estados do Ceará, Sergipe e Alagoas. Na semana seguinte, está prevendo visitas aos governadores de Santa Catarina e Espírito Santo.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...