(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Governador aponta soluções contra criminalidade

Política Comentários 06 de fevereiro de 2015

Para Marconi Perillo, violência e a crise hídrica estão entre as principais preocupações dos brasileiros na atualidade


O governador Marconi Perillo voltou a cobrar na manhã da última quarta-feira, 04, a necessidade de uma ampla mudança na política federal no combate ao crime. “Essa é hoje, junto com a crise hídrica, uma das maiores preocupações da sociedade brasileira”, observou Marconi, durante homenagem feita pela Caixa Econômica Federal, no auditório da sede, em Goiânia, ao trabalho das forças de segurança em Goiás.
Ele enfatizou as medidas que deveriam ser tomadas – todas no âmbito federal, porque, “sozinhos, os governos estaduais não conseguem obter os resultados desejados. Temos feito altos investimentos em Goiás”, afirmou, ao destacar a queda de 2% no número de homicídios. “No entanto, a solução definitiva passa por Brasília”, ressaltou.
O governador apontou um elenco de atitudes para aumentar a eficácia da Segurança Pública e para que a população “perca o medo da criminalidade. Em primeiro lugar, o governo federal precisa assumir a Segurança Pública e também aprovar uma emenda constitucional que vincule recursos para o setor”. Para Marconi, é fundamental ainda mudar o Código Penal Brasileiro, que é de 1940.
Como resultado dessa defasagem jurídica está a reiteração do crime. A polícia prende 10, mas a Justiça solta 20, queixou-se Marconi. Ele citou um mapa feito pela Secretaria de Segurança Pública, segundo o qual os 30 crimes mais graves em Goiás nos últimos anos foram cometidos por pessoas que já tinham pelo menos dez passagens pela polícia. Outra medida sugerida é o fim do contingenciamento do Fundo Penitenciário Federal para fazer superávit primário, realocando esses recursos para os Estados e municípios.

Fronteiras
Marconi sugere também o fechamento das fronteiras. “Precisamos colocar a Polícia Federal e as Forças Armadas nas fronteiras”, disse, ao justificar que 80% dos crimes estão relacionados com as drogas que vêm de países vizinhos do Brasil. Nesse aspecto, o Governo de Goiás também dá o exemplo. É o caso do Comando de Divisas, que já conta com dez bases já instaladas – num projeto de um total de 15. Como resultado, nos últimos 20 meses foram apreendidas em Goiás 29 toneladas de drogas.
A via diplomática é mais um caminho para combater o crime nas fronteiras, disse o governador, sugerindo que o governo federal condicione os empréstimos feitos a países como Venezuela, Bolívia e Paraguai ao combate efetivo aos produtores e contrabandistas de drogas. “Ou coíbe, ou não tem empréstimo.”
“Enquanto tais medidas não são tomadas, a luta contra o crime não pode parar. Nos últimos quatro anos, as forças de segurança em Goiás receberam cinco mil policiais. Em dezembro, o Governo inaugurou o Centro Integrado de Inteligência, Comando e Controle, que chamou a atenção do Ministério da Justiça. “Vamos continuar trabalhando para que a Segurança deixe de ser um problema”, repetiu, ao agradecer a homenagem da Caixa Econômica Federal.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

Derrota nas urnas e prisão. O inferno astral vivido por Marconi Perillo

11/10/2018

O ex-governador de Goiás por quatro mandatos, ex- Senador e ex-deputado Federal, Marconi Perillo (PSDB), vive um verdadeiro ...

Bezinho, suplente de Kajuru, fala sobre vitórias e projetos

11/10/2018

Considerado um fenômeno nas urnas das eleições deste ano, o vereador de Goiânia, Jorge Kajuru Reis da Costa Nasser, ocupa...

Vanderlan diz que revisão do pacto federativo é uma das prioridades, caso seja eleito no domingo

08/10/2018

Postulante ao Senado da República, Vanderlan Cardoso (PP) cumpriu uma extensa agenda de campanha em Anápolis, na última te...

Votar nulo ou branco não faz diferença

08/10/2018

Todo ano de eleição surgem as mesmas dúvidas: se mais da metade dos eleitores votarem em branco ou anularem o voto, a elei...