(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Goiás ocupa a terceira posição no ranking nacional em transplante de córneas

Saúde Comentários 18 de agosto de 2017

Somente no ano passado, foram realizados 778 transplantes, colocando o Estado em destaque nesta área


Em Goiás, são realizados transplantes de córneas, rins, coração e medula óssea, sendo que o de córneas é o mais comum. Somente ano passado, 778 transplantes deste tipo foram concretizados no Estado. Segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), Goiás ocupa, atualmente, o terceiro lugar no ranking nacional de transplantes do tecido. O gerente da Central de Transplante de Goiás, Fernando Castro, explica que este tipo de transplante apresenta números mais altos, pois, além de ter mais equipes que fazem o procedimento no estado, as córneas, podem ser captadas até seis horas depois de o coração ter parado. Já os órgãos, só podem ser captados em casos em que há apenas morte encefálica e não cardíaca, além de que o período entre a captação e o transplante é menor. No caso do coração, por exemplo, ele deve ser transplantado em, no máximo, quatro horas.
O Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa) é uma das unidades hospitalares que coopera para que Goiás tenha um bom desempenho nesse tipo de transplante. Em 2015, a unidade criou uma Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT), formada por psicólogos, enfermeiros, médicos e assistentes sociais, com o intuito de captar córneas, por meio da Fundação Banco de Olhos (Fubog) e do Centro de Referência em Oftalmologia (Cerof). Desde então, 24 córneas foram captadas. No primeiro ano, foram 10 – cinco doadores, ou seja, um par de cada pessoa – e, durante todo o ano de 2016, houve somente uma captação. Já em 2017, em apenas seis meses, já foram seis captações, totalizando doze córneas. Um aumento de 600%, se comparado ao mesmo período do ano passado.
A falta de informação, barreiras culturais, mitos e medos fazem com que parte da população brasileira ainda resista à doação de órgãos. No Brasil, desde 2001, para ser doador não é preciso atestar por escrito em documentos oficiais, apenas expressar em vida a vontade de doar. Todas as pessoas acima de dois anos e com menos de 80 são doadores em potencial, com algumas exceções. Porém, a doação de órgãos só acontece, de fato, depois que a família autorizar. Assim, quando uma pessoa morre, a decisão passa para as mãos da família. Mas, muitas vezes, o sentimento de perda faz com que o assunto seja ignorado.

Autor(a): Da Redação

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Anápolis precisa ampliar a sua estrutura hospitalar

18/07/2018

Além do Hospital de Urgências “Dr. Henrique Santillo”, Anápolis conta com outras seis unidades hospitalares, entre pú...

Maior conscientização sobre o SAMU pode salvar vidas

18/07/2018

Prestar atendimento pré-hospitalar de urgência e com excelência à população o mais rápido possível. Essa é a missão...

Pessoas especiais têm serviços odontológicos ampliados

18/07/2018

A cadeira de dentista já foi um problema na vida de Maria Beatriz Santos, oito anos. A menina, que tem Síndrome de Down, re...

Necessidade da vacinação infantil

12/07/2018

Há o risco da criação de bolsões de crianças não vacinadas contra as doenças infectocontagiosas. O secretário Estadua...