(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Goiás fecha semestre com superávit de US$ 802 milhões

Economia Comentários 05 de julho de 2013

O saldo comercial da balança goiana foi o grande destaque do primeiro semestre contrastando com o saldo nacional que apresentou déficit elevado


A balança comercial goiana fechou o primeiro semestre do ano com saldo positivo de US$ 802 milhões, proporcionado pelas exportações de US$ 3,390 bilhões e importações de US$ 2,588 bilhões. Na comparação com o mesmo período do ano passado, as exportações evoluíram 0,67%, enquanto as importações e o saldo subiram 0,57% e 0,98%, respectivamente.
A estatística foi divulgada na tarde desta quarta-feira, 03, pelo secretário de Indústria e Comércio de Goiás, Alexandre Baldy, que traçou um paralelo entre a balança goiana e a brasileira. Segundo ele, neste semestre, Goiás conseguiu manter um leve crescimento, ao passo que o País registrou o pior déficit desde 1995, ao atingir no semestre um saldo negativo de US$ 3 bilhões. A participação goiana nas exportações brasileiras saltou de 2,87% para 2,96%.
A soja foi o produto mais vendido no semestre para o mercado externo representando 44,3% do total vendido. Na sequência, aparecem as carnes (bovinas, aves e suínas) com participação de 23,6%, ferroligas, 6,5%, sulfeto de cobre, 5,9%, milho, 4,8%, couros, 4%, e açúcar, 3,5%. Os principais mercados foram a China, Países Baixos (Holanda), Rússia, Hong Kong, Coreia do Sul, Índia, Japão, Estados Unidos, Reino Unido e Finlândia.

Junho
As exportações goianas de junho atingiram US$ 559,959 milhões e as importações chegaram a US$ 407,725 milhões, gerando saldo de US$ 152,233 milhões. O confronto com os números do mesmo mês do ano passado mostra que as exportações recuaram 3,51% e as importações caíram 1,01%.
No mês, os principais produtos goianos exportados foram a soja (grãos, bagaços e óleos) e as carnes (bovina, aves e suína), seguidos do sulfeto de cobre, couros, ferroligas, açúcar, outros produtos de origem animal, amianto, preparações alimentícias, gelatinas e seus derivados, vermiculitas e cloritas, café, glicerol em bruto e máquinas e aparelhos mecânicos e elétricos. Os principais compradores das mercadorias goianas foram a China, Países Baixos (Holanda), Rússia, Coreia do Sul, Hong Kong, Alemanha, Japão, Reino Unido, Angola e Itália.
Os destaques das importações goianas foram os produtos farmacêuticos (28,04%); veículos automóveis, tratores, suas partes e acessórios ((23,57%); adubos ou fertilizantes (20,23%); caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos; produtos químicos orgânicos; instrumentos e aparelhos de óptica e fotografia; máquinas, aparelhos e materiais elétricos e suas partes; plásticos e suas obras; borracha e suas obras e obras de ferro fundido, ferro ou aço. Os principais países de origem dessas importações foram os Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul, Alemanha, Tailândia, Canadá, Suíça, China, Tunísia e Marrocos.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

CDL diz que vendas tendem a reagir

14/09/2017

Com um índice inferior ao registrado no conjunto dos municípios goianos, as vendas no comércio varejista de Anápolis caí...

Corrente de comércio supera US$ 1,2 bi

08/09/2017

Dados divulgados pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior apontam que o volume de importações e...

Produção de 2017 daria para alimentar goianos por 13 anos

08/09/2017

Em 2017, a produção agrícola de Goiás alcançou 22 milhões de toneladas. Esta produção seria suficiente para alimentar...

Casa do ex-prefeito Anapolino de Faria está sendo restaurada

18/08/2017

Projetada por um dos mais importantes e conhecidos arquitetos do Brasil, Oscar Niemeyer, a casa do ex-prefeito Anapolino de F...