(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Filme relata presença de astros americanos em Anápolis

Cultura Comentários 20 de novembro de 2010

A autora pretende doar cerca de 500 horas de gravação e fotos para compor o acervo do Museu do Som e Imagem que deverá ser implantado no município.


A professora universitária Tânia Siqueira concluiu o filme que, segundo ela, promete revolucionar a memória cultural de Anápolis, contada através do cinema. Com base em depoimentos de diversas personalidades que viveram na Cidade na década de 50, como Anapolino de Faria, Ivan Roriz, João Asmar e muitas outras, foi reconstituída uma fase considerada áurea na cultura, com a presença de atores americanos em Anápolis, dentre os quais, Janet Gaynor, que começou a carreira no cinema mudo e foi, algum tempo depois, a primeira a receber o Oscar de Melhor Atriz, o qual ficou em Anápolis durante muito tempo, relatou a cineasta. A premiação foi em 1928, pelos filmes Sétimo Céu e Aurora. A partir daí, ele teve participação em quase 40 filmes produzidos pela Fox. Na década de 50, a estrela de Hollywood comprou uma fazenda e veio com o marido morar no Brasil, mais precisamente em Anápolis. No final da década de 60, vendeu seu imóvel no Brasil e voltou a morar na Califórnia. No filme, há diversas passagens com trechos de filmes de Gaynor, que a produção conseguiu liberar mediante direitos autorais.
Há passagem, também, de outros astros e personalidades como Ronald Reagan. Além disso, narra Tânia Siqueira, o filme vem recheado com histórias dos famosos bailes no Clube Recreativo Anapolino, a gastronomia na Churrascaria Caiçara. “É um filme que vai mexer com a memória de muita gente”, destacou. A película tem duração de 85 minutos de duração e, para chegar a esse resultado - conta a professora - foram cinco anos de trabalho e cerca de 500 horas de gravação.
O Governo do Distrito Federal colaborou na execução do projeto. Agora, Tânia Siqueira busca o apoio do Governo Municipal e de empresas de Anápolis, para viabilizar as etapas de divulgação e distribuição do filme. Ela já se dispôs a doar ao acervo do Município as gravações e fotos históricas reunidas na pesquisa de campo.
A professora Tânia tem raízes em Anápolis. Seu pai, Getúlio Siqueira, foi o primeiro engenheiro diplomado a atuar no município, sendo o responsável por inúmeras obras na cidade nas décadas de 50 e 60.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cultura

Pagode da Ofensa em Anápolis

21/06/2018

Da internet para os palcos. O Pagode da Ofensa, formado por Eros Prado, Xaxá, Lelê e Tatá, reúne hoje mais de 3,8 milhõe...

Pagode da Ofensa em Anápolis

21/06/2018

Da internet para os palcos. O Pagode da Ofensa, formado por Eros Prado, Xaxá, Lelê e Tatá, reúne hoje mais de 3,8 milhõe...

Prosa e Canto 11 anos: agora de casa nova

21/06/2018

Na sua décima primeira edição, o ‘Prosa’ segue trazendo artistas que produzem música para ser sentida e carregam na b...

Secretaria de Cultura abre inscrições para oficinas

21/06/2018

A 26ª Mostra de Teatro de Anápolis abriu as inscrições para duas oficinas que acontecem entre os dias 27 e 30 deste mês....