(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Exportações e importações sofrem quedas sucessivas

Economia Comentários 06 de outubro de 2012

As vendas e as compras externas feitas por Anápolis, podem não repetir o bom desempenho de 2011, que teve recordes históricos


Os dados da balança comercial dos municípios, com referência até o mês de agosto último, apontam que as exportações e importações feitas por Anápolis, não devem repetir o crescimento registrado no ano passado. A crise econômica mundial e as recentes greves que prejudicaram a movimentação de cargas e os despachos aduaneiros no País, certamente, contribuem com esse cenário.
Segundo os números divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Midic), de janeiro a agosto deste ano, as exportações feitas por Anápolis registraram um volume de US$ 150,9 milhões. Já as importações somaram US$ 1,509 bilhão. Comparativamente ao mesmo período do ano passado, quando as vendas externas registraram volume de US$ 159,8 milhões, a queda foi de 5,56%. Já em relação às compras externas, o volume no período de janeiro a agosto foi de US$ 1,895 bilhão. Na comparação com o mesmo período deste ano, a queda foi de 19,85%.
No ano passado, as exportações e as importações feitas por Anápolis registraram números recordes na série histórica, que é feita desde o ano 2000. As vendas para outros países somaram mais de US$ 239 milhões, enquanto que as compras internacionais, atingiram a cifra de US$ 3,169 bilhões. Neste último caso, para se ter uma ideia, em 2010, as importações somaram US$ 2,517 bilhões, portanto, houve um crescimento de 25,89%. As exportações de 2010 fecharam em US$ 51,4 milhões e, em 2011, pularam para R$ 239 milhões, com acréscimo de 364%.
Ainda restando contabilizar os dados referentes aos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro, ainda não dá para saber se os números das exportações e importações serão maiores ou menores que os registrados em 2011.

Mercados
Com relação aos mercados de destino das exportações feitas por Anápolis, uma novidade no levantamento do Midic é o surgimento das Ilhas Cayman na quinta colocação entre os países com maior participação. A liderança é dos Países Baixos (Holanda), com 54,37% de participação; em segundo a Alemanha, 11%; em terceiro a China, 9,86%; em quarto a França, 5,66% e em quinto as Ilhas Cayman com 4,07% de participação. Quanto as importações, os principais fornecedores internacionais são a Coréia do Sul, com participação de 43,63%; Alemanha, 21,11%; Estados Unidos, 12,57%; Suíça, 8,18% e China, 4,68%.
Fazem parte da pauta das exportações feitas por Anápolis a soja e derivados, carnes e medicamentos. Já os principais produtos importados são veículos e peças de veículos, medicamentos e insumos para a indústria químico-farmacêutica.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...