(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Ex-presidente de associação condenada a 61 anos

Geral Comentários 08 de novembro de 2018

Ela e várias outras pessoas foram acusadas de desvio de verbas da organização não governamental. Cabe recurso


Criseide Castro Dourado, ex-presidente da Associação de Combate ao Câncer em Goiás, foi condenada a 61 anos de prisão pelo envolvimento no desvio de recursos públicos da associação, entidade responsável pela gestão do Hospital “Araújo Jorge”. Os crimes cometidos pela então presidente da entidade e outros nove réus foram apurados no âmbito da Operação Biópsia, deflagrada em 7 de fevereiro de 2012 pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organização (Gaeco) do Ministério Público de Goiás. A sentença é da juíza Suelenita Soares Correia.
Conforme constatado no curso da ação penal, também acompanhada o pelo Gaeco, os desvios ocorreram por meio de pagamento de notas fiscais relativas à falsa prestação de serviços de consultorias e assessorias genéricas em favor do Hospital Araújo Jorge, assim como pelo pagamento de notas fiscais de aquisição do quimioterápico Glivec, sem a entrega do produto. Restou demonstrado ainda que os lotes dos medicamentos constantes das notas fiscais sequer foram produzidos. Também ficou comprovado o desvio de recursos públicos por meio de suposta compra de soros fisiológicos, que não foram entregues.
Na sentença foram reconhecidos os três esquemas utilizados para o desvio de verbas públicas ocorridos no âmbito da ACCG, resultando nas condenações pelos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, peculato e lavagem de dinheiro. Também foi fixada a obrigação aos condenados de repararem os danos causados, chegando-se ao montante de R$ 1.015.884,22 (valor a ser corrigido).
As condenações
Dentre os réus condenados, está a então presidente da ACCG, Criseide Dourado; o ex-tesoureiro da associação, Clécio Paulo Carneiro; o gerente financeiro à época, Antônio Afonso Ferreira, e o ex-supervisor administrativo do Hospital “Araújo Jorge” Amarildo Cunha Brito. Também foram condenados os empresários Marcelo Rodrigues Gomes, administrador da empresa Assismed Comércio de Medicamentos e Serviços Ltda. ME; Leonardo Souza Rezende, sócio da empresa Vidafarma Distribuidora de Medicamentos Ltda.; Rafael José Lemos Filho, sócio da empresa Lemos Comércio, Representação e Consultoria de Materiais Médicos Hospitalares Ltda. - Engemed, e Milton Lopes de Souza, sócio da empresa Milton Lopes de Souza ME - ML Administração Hospitalar.
Foram, ainda, condenados, Paulo Rassi, ex-secretário municipal de Saúde de Goiânia, e Alessandro Leonardo Alvares Magalhães, então assessor do secretário. Na sentença, a juíza resguardou aos sentenciados o direito de recorrerem em liberdade. (Assessoria de Comunicação Social do MP-GO).


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

SESC promove espetáculo humorístico “Sob Nova Direção”

22/03/2019

Nos dias 23 e 24 de março, às 20h30 e 20h, respectivamente, o espetáculo “Sob Nova Direção” promete arrancar gargalh...

Comunidade Bahá´í comemora a chegada do ano novo em solenidade

22/03/2019

A comunidade Bahá´í em Anápolis celebrou na última quarta-feira, 20, a passagem do ano novo, também chamado de Naw-rúz...

Gestores de eventos criam associação

22/03/2019

Para defender os interesses dos profissionais da área, dentre outras finalidades, foi fundada a APEFA, Associação dos Prof...

Fotógrafo promove exposição de fotos das tragédias de Minas Gerais

22/03/2019

As imagens das tragédias que atingiram as cidades mineiras de Mariana e Brumadinho, respectivamente em novembro de 2015 e ja...