(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Estágio: Portas abertas para jovens

Cidade Comentários 12 de maro de 2010

Perpectiva de uma boa oferta de empregos para jovens iniciantes em diversas profissões está a caminho


Uma pesquisa realizada pelo Instituto Evaldo Lodi (IEL Goiás) em 2009 e agora divulgada, revela que de uma amostra de 231 entrevistados, egressos de estágio de ensino superior em instituições públicas e privadas, 91,3% considera que a experiência somou positivamente para a vida profissional. Outra conclusão revela uma notícia ainda melhor: conforme os dados da pesquisa, mais de 80% dos estagiários acabam sendo contratados.
A metodologia da pesquisa foi desenvolvida com a finalidade de conhecer a opinião do egresso quanto ao relacionamento profissional com as empresas onde estagiou e identificar a contribuição do estágio na qualificação para o mercado de trabalho. Para a coleta dos dados foi empregada a técnica de amostragem, figurando a aplicação de 231 questionários, dentre egressos de ensino superior em Goiás que finalizaram os contratos de estágio em 2007 e que estimavam finalizar o curso de graduação em 2008.
O gerente do IEL, Fernando Nunes, destaca que o estágio, hoje, possui regras bem definidas e se tornou um aliado tanto dos estudantes que buscam colocar o que aprenderam na teoria, em prática, quanto para as empresas, que têm a oportunidade de descobrir e investir em uma nova safra de talentos.
A pesquisa, denominada Acompanhamento dos Egressos de Estágio do IEL, avaliou os seguintes requisitos: tipo de empresa em que ocorreu o estágio, contribuições do estágio para a vida profissional, conhecimento em informática, atualização de conhecimentos, o egresso e o mercado de trabalho, o egresso na área de atuação e renda mensal bruta dos egressos


Outros dados da pesquisa
Em relação ao tipo de empresa onde ocorreu o estágio, os dados apontam que a maioria, 51,3% dos entrevistados estagiou em empresas privadas; 28,4% em empresas públicas e 20,3% em outras organizações, tais como: sindicatos, associações e empresas de economia mista. Quanto a contribuição do estágio para a vida do aluno, 91,3% afirmou que a contribuição foi positiva, sendo que os principais fatores, nesse requisito, foram: 52,6% colocar em prática o que viram na teoria; 49,3% conhecimento do mercado de trabalho; 47,9% promoção da integração com o mercado de trabalho.
Quanto ao levantamento das questões atitudinais, a pesquisa do IEL demonstrou que 86,3% dos entrevistados considerou que o estágio contribuiu muito para melhorar a postura profissional; 84,9% enfatizou que o estágio contribuiu muito para o desenvolvimento de habilidades de comunicação e 80,1% destacaram que o estágio favoreceu a iniciativa e proatividade. Os índices negativos nessas avaliações, foram de 1,9%, 1,4% e 0,9%. Ou seja, para estas parcelas o estágio não contribui em nada para a postura profissional, a comunicação e a proatividade.
Segundo a avaliação sobre conhecimento dos egressos em informática, os dados são os seguintes: 34,6% dos entrevistados afirmaram possuir nível de conhecimento avançado; 40,7% nível médio e 24,7% básico. Os egressos também opinaram sobre a forma de atualização de conhecimentos na área de formação. Neste caso, disparado está a leitura de artigos e notícias da área na internet (85,6%). A seguir, livros (72,6%), leitura de revistas especializadas (63,5%), jornais (54,8%) e cursos de capacitação de curta duração (50%).
Quanto a situação do egresso no mercado de trabalho, a pesquisa de 2009, registra que 81,4% dos entrevistados respondeu estar trabalhando no momento, contra 18,6% que informou não estar trabalhando no momento. Nesse grupo, 29,3% informou que não está trabalhando porque ainda não encontrou emprego; 26,8% por outros motivos e 24,4% porque está estudando para prestar concurso. Na última pesquisa, realizada em 2006, o percentual dos egressos que afirmaram estar trabalhando era de 59,1% e os que não estavam trabalhando 40,9%.
Finalmente, os egressos ouvidos na pesquisa, quando questionados a respeito da faixa salarial, colocaram os seguintes resultados: 24,6% de R$ 466,00 a R$ 930,00; 23% de R$ 931,00 a R$ 1.395,00 e 20,3% de R$ 1.396,00 a R$ 1.860,00. Apenas 5,3% revelou ter rendimento de até R$ 465,00, então o salário mínimo vigente no país.

Perfil dos entrevistados:
Por faixa etária (%)
De 20 a 24 anos.........................................51,1
De 25 a 29 anos...................................36,4
De 30 a 34 anos...............................7,4
De 35 a 39 anos...........................2,2
De 40 anos acima....................3,0

Por gênero (%)
Feminino.........................................60,2
Masculino.................................39,8

MAIS INFORMAÇÕES
Fernando Nunes
fernando.iel@sistemafieg.org.br
Gerente do IEL/GO
( 62 ) 3311-1761 - 1735 - 9980-2406

Assessoria de comunicação Sistema Fieg/IEL Goiás
Célia Oliveira
celia@sistemafieg.org.br
(62) 3219-1467

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

MP pode aliviar dívida municipal com o INSS

18/05/2017

Durante a marcha dos prefeitos à Brasília, na terça-feira,16, o Presidente Michel Temer assinou uma Medida Provisória amp...

Escola de Pais promove evento para a família

18/05/2017

A Escola de Pais do Brasil (EPB) – Seccional Anápolis- realiza no próximo dia 26, a partir das 19h30, o 31º Seminário R...

Presidente do Tribunal de Justiça visitou a Base Aérea

11/05/2017

O comando da Base Aérea de Anápolis, agora denominada Ala 2 de Anápolis - Otávio Lage de Siqueira -, recebeu, na segunda-...

ABIH quer pressa para Centro de Convenções e Aeroporto de Cargas

04/05/2017

O momento vivido pela rede de hotelaria de Anápolis foi debatido no Denali Hotel na manhã do último dia 28 de abril, em ma...