(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Estágio: Portas abertas para jovens

Cidade Comentários 12 de maro de 2010

Perpectiva de uma boa oferta de empregos para jovens iniciantes em diversas profissões está a caminho


Uma pesquisa realizada pelo Instituto Evaldo Lodi (IEL Goiás) em 2009 e agora divulgada, revela que de uma amostra de 231 entrevistados, egressos de estágio de ensino superior em instituições públicas e privadas, 91,3% considera que a experiência somou positivamente para a vida profissional. Outra conclusão revela uma notícia ainda melhor: conforme os dados da pesquisa, mais de 80% dos estagiários acabam sendo contratados.
A metodologia da pesquisa foi desenvolvida com a finalidade de conhecer a opinião do egresso quanto ao relacionamento profissional com as empresas onde estagiou e identificar a contribuição do estágio na qualificação para o mercado de trabalho. Para a coleta dos dados foi empregada a técnica de amostragem, figurando a aplicação de 231 questionários, dentre egressos de ensino superior em Goiás que finalizaram os contratos de estágio em 2007 e que estimavam finalizar o curso de graduação em 2008.
O gerente do IEL, Fernando Nunes, destaca que o estágio, hoje, possui regras bem definidas e se tornou um aliado tanto dos estudantes que buscam colocar o que aprenderam na teoria, em prática, quanto para as empresas, que têm a oportunidade de descobrir e investir em uma nova safra de talentos.
A pesquisa, denominada Acompanhamento dos Egressos de Estágio do IEL, avaliou os seguintes requisitos: tipo de empresa em que ocorreu o estágio, contribuições do estágio para a vida profissional, conhecimento em informática, atualização de conhecimentos, o egresso e o mercado de trabalho, o egresso na área de atuação e renda mensal bruta dos egressos


Outros dados da pesquisa
Em relação ao tipo de empresa onde ocorreu o estágio, os dados apontam que a maioria, 51,3% dos entrevistados estagiou em empresas privadas; 28,4% em empresas públicas e 20,3% em outras organizações, tais como: sindicatos, associações e empresas de economia mista. Quanto a contribuição do estágio para a vida do aluno, 91,3% afirmou que a contribuição foi positiva, sendo que os principais fatores, nesse requisito, foram: 52,6% colocar em prática o que viram na teoria; 49,3% conhecimento do mercado de trabalho; 47,9% promoção da integração com o mercado de trabalho.
Quanto ao levantamento das questões atitudinais, a pesquisa do IEL demonstrou que 86,3% dos entrevistados considerou que o estágio contribuiu muito para melhorar a postura profissional; 84,9% enfatizou que o estágio contribuiu muito para o desenvolvimento de habilidades de comunicação e 80,1% destacaram que o estágio favoreceu a iniciativa e proatividade. Os índices negativos nessas avaliações, foram de 1,9%, 1,4% e 0,9%. Ou seja, para estas parcelas o estágio não contribui em nada para a postura profissional, a comunicação e a proatividade.
Segundo a avaliação sobre conhecimento dos egressos em informática, os dados são os seguintes: 34,6% dos entrevistados afirmaram possuir nível de conhecimento avançado; 40,7% nível médio e 24,7% básico. Os egressos também opinaram sobre a forma de atualização de conhecimentos na área de formação. Neste caso, disparado está a leitura de artigos e notícias da área na internet (85,6%). A seguir, livros (72,6%), leitura de revistas especializadas (63,5%), jornais (54,8%) e cursos de capacitação de curta duração (50%).
Quanto a situação do egresso no mercado de trabalho, a pesquisa de 2009, registra que 81,4% dos entrevistados respondeu estar trabalhando no momento, contra 18,6% que informou não estar trabalhando no momento. Nesse grupo, 29,3% informou que não está trabalhando porque ainda não encontrou emprego; 26,8% por outros motivos e 24,4% porque está estudando para prestar concurso. Na última pesquisa, realizada em 2006, o percentual dos egressos que afirmaram estar trabalhando era de 59,1% e os que não estavam trabalhando 40,9%.
Finalmente, os egressos ouvidos na pesquisa, quando questionados a respeito da faixa salarial, colocaram os seguintes resultados: 24,6% de R$ 466,00 a R$ 930,00; 23% de R$ 931,00 a R$ 1.395,00 e 20,3% de R$ 1.396,00 a R$ 1.860,00. Apenas 5,3% revelou ter rendimento de até R$ 465,00, então o salário mínimo vigente no país.

Perfil dos entrevistados:
Por faixa etária (%)
De 20 a 24 anos.........................................51,1
De 25 a 29 anos...................................36,4
De 30 a 34 anos...............................7,4
De 35 a 39 anos...........................2,2
De 40 anos acima....................3,0

Por gênero (%)
Feminino.........................................60,2
Masculino.................................39,8

MAIS INFORMAÇÕES
Fernando Nunes
fernando.iel@sistemafieg.org.br
Gerente do IEL/GO
( 62 ) 3311-1761 - 1735 - 9980-2406

Assessoria de comunicação Sistema Fieg/IEL Goiás
Célia Oliveira
celia@sistemafieg.org.br
(62) 3219-1467

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Anápolis tem novos comendadores

20/07/2017

A Comenda “Gomes de Sousa Ramos”, maior honraria instituída pelo Município, foi entregue a personalidade de diversos se...

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...