(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Estado repassa R$ 148 milhões para os municípios

Saúde Comentários 17 de novembro de 2016

Recurso é para quitação de contrapartidas com unidades conveniadas. Verba vem de repasse da chama Lei de Repatriação


A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) recebeu do Tesouro Estadual e começou a repassar a todos os municípios, a partir de quinta-feira,17, o montante de R$ 148 milhões relativo à contrapartida do Estado para a área da Saúde. Com esta iniciativa, serão quitados, com os municípios, todos os débitos relativos às contrapartidas, necessárias ao desenvolvimento de uma assistência plena e à realização de procedimentos básicos e imprescindíveis.
Os R$ 148 milhões integram parte dos recursos remetidos pela União ao Governo Estadual com a regularização de ativos no exterior, por meio da chamada Lei da Repatriação. O secretário de Estado da Saúde de Goiás, Leonardo Vilela, acentua que o direcionamento e a priorização de tal aporte à SES-GO sintetiza a sensibilidade do governador Marconi Perillo em proporcionar condições para o atendimento qualificado a um grande contingente de pessoas. O fato é histórico porque, há várias gestões, em função do contingenciamento de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), a contrapartida era repassada com bastante atraso aos municípios.
“Tais recursos vão beneficiar a população que mora no interior goiano e que necessita cada vez mais de uma assistência à saúde universal e integral”, enfatiza Leonardo Vilela. O valor relativo à contrapartida estadual deve ser utilizado pelos municípios para o pleno funcionamento dos seguintes programas: Estratégia de Saúde da Família, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Assistência Farmacêutica, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Complexo Regulador.
O secretário Leonardo Vilela ressalta que essa visão municipalista do governo estadual, com apoio importante da secretária da Fazenda Ana Carla Abraão, chega em boa hora para os municípios goianos – com as ações de combate ao Aedes e a transição de gestão das prefeituras. “Desde que a definição tripartite do financiamento do SUS existe (com 50% de participação da União, 25% estados e 25% municípios), esse repasse sempre foi recebido com atraso. Fui secretário municipal de saúde de Mineiros em 1997; sei como é importante o fechamento das contas ao final de uma gestão”.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Combate à “farra” dos cartões do SUS

17/01/2019

O Prefeito Roberto Naves anunciou que deverá enviar uma equipe técnica para conhecer o modelo de gestão de uma espécie de...

Secretário Municipal de Saúde faz “raio-x” nas unidades ligadas ao setor

17/01/2019

Avaliar de perto a realidade de cada uma das unidades da rede municipal e fiscalizar a prestação de serviços ao cidadão. ...

Crise na Saúde - Municípios estão em dificuldades sem os repasses do Estado

10/01/2019

De acordo com o Atlas da Eficiência da Educação (versão 2018) em Goiás, a gestão da educação em 213 municípios (93% ...

Verba para equipamentos na odontologia municipal

10/01/2019

Devido ao trabalho executado na área de saúde bucal, inclusive com a criação de 12 novas equipes em dois anos, a Prefeitu...