(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Esquadrão Resgate busca reinserção de dependes à sociedade

Geral Comentários 25 de setembro de 2015

Comunidade terapêutica completa 20 anos de existência e carrega na bagagem a missão de recuperar drogativos e prepará-los para o reencontro com o mundo real


Os malefícios do álcool e das drogas na vida das pessoas tornaram-se um grave problema social e de saúde pública no Brasil, nos últimos anos, principalmente, com o advento da chamada “droga do mal”, o crack. O trabalho de recuperação dos viciados nas drogas ilícitas e, também, nas lícitas, como as bebidas alcoólicas, é um desafio para os entes governamentais em níveis federal, estaduais e municipais. E, esse trabalho, talvez, não fosse possível sem o auxílio das chamadas comunidades terapêuticas.


Uma dessas comunidades é o Esquadrão Resgate, que está localizada em Planalmira, distrito de Abadiânia que, em outubro próximo, completa 20 anos de fundação. Nestas duas décadas, centenas e centenas de pessoas passaram pela instituição em busca de recuperação. E, são muitas as que, após o tratamento, têm um reencontro com a vida e a convivência em sociedade.


A advogada Cristiane Silva Lemos, uma das colaboradoras da diretoria do Esquadrão Resgate, presidida pelo Pastor Ruiter Clemente da Fonseca, explica o perfil das pessoas acolhidas na instituição: são do sexo masculino, com idade acima de 18 anos. Em sua maioria, dependentes de drogas como o crack e a cocaína e são todos voluntários, ou seja, permanecem no tratamento por conta própria.


Atualmente, são acolhidos em torno de 60 internos, sendo que um pouco mais da metade é mantido pelo convênio firmado no âmbito do programa “Crack, é preciso vencer!”, do Ministério da Justiça. Os demais vêm de outros convênios ou são custeados pelos próprios parentes. Segundo Cristiane Lemos, está sendo trabalhado, também, um convênio com o Grupo Executivo de Enfrentamento às Drogas, ligado ao Estado, semelhante ao que está em andamento com o Governo Federal. Ainda assim, a comunidade terapêutica não dispensa nenhum tipo de doação ou trabalho voluntário que possa ajudar no tratamento dos internos. Afinal, são pessoas que necessitam de uma atenção especial, dada a situação de vulnerabilidade que viviam. Muitas têm problemas de desagregação familiar.


Basicamente, de acordo com a advogada, o trabalho na instituição se desenvolve em três vertentes: espírito, mente e físico. O tempo de acolhimento é de nove meses e, neste período, os internos desenvolvem todos os afazeres da casa: cuidam da limpeza e higiene do local, da horta e desenvolvem atividades esportivas e recreativas, bem como participam de oficinas de artesanato e cursos de qualificação. “É um ambiente familiar”, sintetizou Cristiane Lemos, acrescentando que, também, são oferecidas assistências médica; psicológica, odontológica e orientação religiosa.


“Nós somos uma comunidade evangélica e recebemos aqui pastores de diversas denominações que colaboram com o nosso trabalho junto aos recuperandos”, destacou a advogada e voluntária da ONG. Conforme disse, embora a comunidade seja ligada a Abadiânia, há muita ligação com Pirenópolis e Corumbá de Goiás, cujas prefeituras participam de projetos desenvolvidos com a instituição, em especial, visando a reintegração dos acolhidos à sociedade. Também, há parceria com entidades como o SENAI e o SENAR, que ministram cursos de capacitação para o mercado de trabalho.


 


Novos projetos


Cristiane Lemos adianta que o Esquadrão Resgate está com alguns projetos, que visam melhorar a sua autossustentabilidade. Um deles é a formação de um viveiro com mudas do cerrado, para serem comercializadas na região. Além disso, está em estudo adiantado a criação de um local especializado em lavagem de veículos, troca de óleo e outros serviços. A ideia, inclusive, é aproveitar o espaço que a ONG tem e fica à margem da rodovia que liga Planalmira a Pirenópolis e tem grande movimentação.


Outra frente é firmar contratos com empresas para que as mesmas possam absorver a mão de obra das pessoas ali recuperadas. Isso já ocorre - disse ela - em muitas situações. Mas, é um trabalho que pode ser ampliado, já que, dentre elas há muitos bons profissionais em diferentes áreas. Alguns, por exemplo, trabalharam em obras nos quarteis da Polícia Militar. “O importante é que possamos dar um horizonte para estas pessoas”, ponderou.


 


SERVIÇO


Esquadrão Resgate


Localização: Rodovia GO 330 - Planalmira - Distrito de Abadiânia


Telefones de contato: (63) 8143-4290/ 3902-6559


Site: www.esquadraoresgate.org.br

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Capitão Waldyr pode ser nome da Plataforma

13/07/2017

Decano da indústria, com uma folha de mais de 60 anos prestados aos classismo e, em especial, à Federação das Indústrias...

Prevista redução de construtores com novas exigências do MC

13/07/2017

A exigência do Ministério das Cidades para que todos os pequenos e médios construtores tenham o Cadastro Nacional da Pesso...

Anápolis presente no Conselho Nacional de Juventude

06/07/2017

A assessora de juventude da Secretaria Municipal de Cultura, Larissa Pereira, foi eleita para ocupar uma das três cadeiras d...

Ubiratan Lopes é empossado na presidência da FACIEG

29/06/2017

O empresário anapolino Ubiratan da Silva Lopes foi empossado na presidência da Federação das Associações Comerciais, In...