(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Empresas injetam mais de R$ 2 bi na economia anapolina

Economia Comentários 03 de julho de 2015

Salários e remunerações na economia resultaram em um incremento de mais de 120% nos últimos cinco anos


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados consolidados de 2013 do Cadastro Central de Empresas (CEMPRE). Conforme os números apurados pelo Jornal Contexto, de 2008 a 2013, o número de unidades locais saltou de 8.033 para 10.231, com uma variação de 27,36%. O quantitativo de empresas atuantes, no mesmo período, pulou de 7.688 para 9.789, com uma variação de 27,33%.


O levantamento do IBGE traz, ainda, informações sobre o contingente de pessoal ocupado assalariado, ou seja, de pessoas assalariadas em atividade (horistas e mensalistas), com ou sem vínculo empregatício, com contrato de trabalho por tempo indeterminado ou temporário, ligadas ou não ao processo produtivo.  Neste recorte, consta que o número de assalariados evoluiu de 68.652 para 94.556 (variação de 37,73%).  O total de pessoas ocupadas (não apenas os assalariados) subiu de 78.343 para 105.508 (34,67%).


A remuneração média mensal manteve-se estável em relação a 2012, com a média de 2,4 salários. Em 2009 e 2010, foram registradas as melhores médias: 2,6 salários. Por outro lado, os números do IBGE revelaram que cresceu em mais de 123% o volume de salários e outras remunerações. Em 2008, este volume foi estimado em R$ 904,7 milhões, saltando para mais de R$ 2 bilhões em 2013.


O Jornal Contexto confrontou, também, os dados de Anápolis com outros municípios. Em relação ao número de empresas atuantes, os cinco municípios melhor posicionados nesta avaliação, são: Goiânia (60.129); Anápolis (9.798); Aparecida de Goiânia (9.320); Rio Verde (5.803) e Itumbiara (3.784). Quanto ao número de unidades locais, o quadro é próximo: Goiânia (63.408); Anápolis (10.231); Aparecida de Goiânia (9.539); Rio Verde (6.065) e Itumbiara (3.881).


Já, em relação ao número de pessoal ocupado assalariado, os cinco melhores desempenhos, são: Goiânia (613.662); Aparecida de Goiânia (120.824); Anápolis (94.556); Rio Verde (51.140) e Itumbiara (27.525).  No total de pessoal ocupado, os dados são os seguintes: Goiânia (690.377); Aparecida de Goiânia (132.333); Anápolis (105.508); Rio Verde (56.861) e Itumbiara (31.301).


Salário Médio


Em termos de recorte do salário médio, Anápolis (2,4 salários) ocupa, apenas, uma posição intermediária na avaliação em relação a outros municípios. No topo, disparado, está o município de Alto Horizonte (4,1). Outros destaques são: São Simão (3,9); Santo Antônio de Goiás (3,9); Ouvidor (3,8); Crixás (3,8) e Chapadão do Céu (3,7). A média de Goiânia é de 3,2; Aparecida (2,0); Rio Verde (2,5) e Itumbiara (2,4).


 


Os números do País


O CEMPRE reúne informações cadastrais e econômicas de empresas e outras organizações (administração pública, entidades sem fins lucrativos, pessoas físicas e instituições extraterritoriais) formalmente constituídas no País e suas respectivas unidades locais (endereços de atuação das empresas e outras organizações).


Em 2013, as entidades empresariais representavam 89,9% das 5,4 milhões de empresas e outras organizações do Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) do IBGE. Em cinco anos, a participação das empresas, que já eram predominantes em 2008 (89,1%), aumentou em 0,8 por cento. As 5,4 milhões de empresas e outras organizações formais do CEMPRE ocupavam, em 2013, 55,2 milhões de pessoas, sendo 47,9 milhões (86,8%) como pessoal assalariado e 7,3 milhões (13,2%) como sócios ou proprietários. Os salários e outras remunerações pagos por essas empresas naquele ano totalizaram R$ 1,3 trilhão, e o salário médio mensal foi de R$ 2.127,73, equivalente a 3,1 salários mínimos.


Em 2013, no âmbito empresarial, 57,0% do pessoal ocupado assalariado eram homens e 43,0%, mulheres. A participação feminina cresceu 2,6% em relação a 2009, quando era de 41,9%. De 2012 para 2013, o aumento do número de mulheres (4,2%) foi superior ao de homens (3,1%), e a participação feminina na variação de pessoal ocupado assalariado foi superior à masculina: enquanto os homens contribuíram com 49,4% (814,5 mil pessoas), as mulheres contribuíram com 50,6% (833,2 mil pessoas). Em termos salariais, em 2013, os homens receberam, em média, R$ 2.334,46 e as mulheres, R$ 1.855,37. Ou seja, o salário das mulheres era equivalente a 79,5% do salário dos homens. Essa diferença, que havia recuado entre 2011 e 2012 (de 25,7% para 25,3%), voltou a aumentar entre 2012 e 2013, passando para 25,8%. (Com informações do IBGE)


 











































































EVOLUÇÃO DO CEMPRE EM ANÁPOLIS - 2008/2013



ANO



Nº EMPRESAS ATUANTES



Nº DE UNIDADES LOCAIS



PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO



TOTAL DE PESSOAL OCUPADO



SALÁRIO MÉDIO MENSAL



SALÁRIOS E OUTRAS REMUNERAÇÕES x MIL (R$)



2013



9.789



10.231



94.556



105.508



2,4



2.021.110



2012



9.209



9.607



89.585



100.356



2,4



1.767.653



2011



8.650



9.011



84.035



94.205



2,5



1.475.676



2010



8.651



8.924



79.984



89.568



2,6



1.364.560



2009



8.325



8.682



74.245



94.562



2,6



1.096.192



2008



7.688



8.033



68.652



78.343



2,5



904.781



Fonte: Cadastro Central de Empresa- IBGE



 

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...