(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Drogas e álcool derrotam trabalhadores

Geral Comentários 18 de janeiro de 2013

Levantamento do Ministério da Previdência Social aponta que o número de pessoas afastadas por causa da dependência cresceu 23% em 2012


Um dado que vem chamando a atenção das autoridades judiciárias e trabalhistas no Brasil: a cada mês, 3,5 mil pessoas, em média, são afastadas do trabalho por problemas com álcool e drogas. A estimativa é do próprio Ministério da Previdência, que aponta que o número de afastamentos vem aumentando ano a ano: de janeiro a setembro de 2012 (dados mais atualizados), 31,8 mil pessoas precisaram tirar licença e se afastar do emprego por causa de dependência química. Esse número é 23% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado.
O que mais chama a atenção é que o maior motivo de afastamento não são as chamadas ‘drogas pesadas’, como o crack e a cocaína, mas sim o álcool, que muitos chamam, de “droga social” ou “droga lícita”. O psicólogo Dionísio Banaszewski, que trabalha há mais de 20 anos na orientação e combate ao uso de drogas, afirma que o problema do álcool se avoluma porque não é percebido pela sociedade. “O fato de a bebida alcoólica ser aceita socialmente - e até incentivada - só agrava a questão”, comenta.
O especialista argumenta que é na empresa que os reflexos do problema aparecem com maior nitidez - absenteísmo (falta constante ao trabalho), acidentes de trabalho, abandono do emprego, dentre outras consequências. Portanto, segundo ele, os trabalhos de prevenção também devem ser intensificados nas organizações, o que tem acontecido de forma ainda tímida. “O trabalho de conscientização deve ser contínuo e feito por profissionais qualificados”, alerta o psicólogo, lembrando que há muitos casos de pessoas bem intencionadas, mas pouco preparadas, fazendo palestras meramente emocionais, que não chegam a promover resultados no objetivo de se evitar e combater o uso e a dependência.
Quando o trabalho de conscientização é bem feito dentro das organizações, os resultados são realmente efetivos. “Temos estudos que apontam resultados muito positivos, como o resgate de mais de dois terços das pessoas que estavam se afundando no vício e foram recuperadas, além da prevenção, que é mais difícil de ser mensurada. Pudemos perceber esses números em pesquisas desenvolvidas dentro de empresas onde desenvolvemos programas contínuos de conscientização”, exemplifica.
Fonte: ABEAD (Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Adoção de selo eletrônico é adiada

22/06/2017

A Secretaria da Fazenda informa que a obrigatoriedade de uso do Selo Fiscal Eletrônico para as embalagens descartáveis de ...

Jovem anapolino abre portas para o difícil universo das fragrâncias

15/06/2017

O jovem anapolino Helder Machado Owner é um exemplo de que o empreendedorismo não tem barreiras. A primeira coisa para aven...

Subseção da OAB entrega Moção a juíza de Anápolis

09/06/2017

A juíza titular da 2ª Vara de Família e Sucessões da comarca de Anápolis, Aline Vieira Tomás, recebeu, na segunda-feira...

Controle da folha de pagamento é um desafio para a Prefeitura

02/06/2017

Dentro do que preconiza a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o Prefeito Roberto Naves e a equipe econômica apresentaram, ...