(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Doença avança para ser a terceira maior causadora de mortes

Saúde Comentários 31 de agosto de 2012

Quinta causa de mortes no Brasil, as doenças causadas pelo cigarro não param de aumentar. A situação é cada vez mais preocupante


Quase oito milhões de brasileiros são portadores de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), uma condição progressiva causada predominantemente pelo fumo. Trata-se de uma doença sistêmica, ou seja, compromete o corpo todo. Associada a uma reação inflamatória exagerada - uma resposta do organismo a partículas e gases nocivos aos pulmões - ela gera a limitação progressiva do fluxo de ar que entra e sai dos pulmões, e é responsável por 40 mil mortes ao ano no Brasil, o que, estatisticamente, resulta em uma pessoa a cada quatro horas.
As consequências da gradual redução no ar aspirado e expirado começam de forma discreta. Os sintomas são tosse e catarro crônicos, cansaço e falta de ar. Com o tempo, o quadro evolui para uma bronquite crônica, e vai se agravando até chegar ao estágio mais avançado da doença, o enfisema pulmonar. E os problemas não param por aí: a DPOC pode gerar depressão e fadiga muscular, e aumenta em duas vezes o risco de infarto e acidente vascular cerebral (AVC). Muitas pessoas com a doença vão parar no hospital por conta de problemas cardiovasculares gerados pela DPOC. E um grande número delas volta para casa medicada para o coração, mas sem ter a doença pulmonar diagnosticada, avaliam os médicos.
Conforme o que foi divulgado pela Organização Mundial de Saúde, o diagnóstico da DPOC é o grande entrave para mudar o cenário da doença. Ele é feito com base no histórico do paciente e com um teste chamado espirometria. O grande problema é que a maioria dos médicos nem chega a desconfiar da doença quando atende pacientes com problemas respiratórios. Hoje, dos quase oito milhões de afetados por ela no País, apenas 350 mil estão fazendo tratamento - ele é feito com broncodilatadores, remédios de ação prolongada cujo objetivo é dilatar os brônquios e aumentar o fluxo de ar nos pulmões.
A pesquisa indica, entretanto, que nem todos os casos de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, no entanto, são consequência do fumo ativo ou passivo. Uma parcela dos doentes (cerca de 20%) tem DPOC por exposição frequente e prolongada a agentes químicos, poluição, poeira e fumaça proveniente da queima de madeira (fogão e forno à lenha). Mas, a grande maioria dos casos é provocada pelo cigarro. “O tabagismo não é um vício nem um hábito, é uma doença. E 100% de quem fuma terá algum mal relacionado ao tabaco. A DPOC é um deles” alerta o pneumologista Roberto Stirbulov, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).
De acordo com a última estatística mundial da entidade, divulgada pela Organização Mundial de Saúde sobre a DPOC, em 2005 a doença matou três milhões de pessoas, o equivalente a 5% do total de mortes daquele ano. Desde então, os números vêm subindo, impulsionados pelo adoecimento da legião de fumantes e ex-fumantes com mais de 20 anos de tabagismo, quando a DPOC geralmente começa a se agravar. Ela já é a quinta causa de morte no País e será, em menos de duas décadas, a terceira a mais matar pessoas em todo o mundo, estima a OMS.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Anápolis tem alta incidência de sífilis

20/10/2017

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou o Boletim Epidemiológico da Sífilis, publicação técnica da Coordenação Estad...

Goiás registra queda nos casos de catapora

05/10/2017

A catapora, cientificamente chamada varicela, é uma infecção viral primária, aguda, altamente contagiosa, caracterizada p...

Protesto contra a falta de insulinas

28/09/2017

A falta de regularidade na dispensação de insulinas e insumos aos diabéticos cadastrados em um programa mantido pela Prefe...

Região de Anápolis mantém baixa em novos casos de dengue

21/09/2017

Anápolis pode fechar 2017 com bons indicadores em relação à dengue. Desde o início do ano, o Município mantém uma baix...