(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Doenças de coluna afetam bebês viciados em celular

Saúde Comentários 13 de dezembro de 2018

Especialista faz alerta sobre o risco de bebês terem acesso ao aparelho, coisa que é muito frequente nos dias atuais


Ainda adepto da mamadeira, o neném de 12 meses aprende a andar e a falar, mas já sabe brincar com o telefone celular e fica horas quietinho atraído por sons e imagens da telinha. Com apenas dois anos, as crianças de hoje já ligam, mexem e descobrem como tirar fotos no celular. Papai e mamãe acham uma gracinha. Para o fisioterapeuta neurofuncional Mário Magalhães Netto, graduado pela UniEvangélica, e com pós na PUC-GOIÁS-CEAFI, as neuropatias por compressão de raízes nervosas, devido a má postura a longo prazo, associadas ao uso sem controle do aparelho celular por crianças pequenas apresentam um quadro evolutivo preocupante de futuras gerações viciadas em tecnologias e afetadas por graves doenças da coluna.
A postura do viciado em celular, crianças ou adultos, pode provocar também patologias da visão, distúrbios comportamentais e dificuldade de relacionamentos, entre outros males que poderiam ser evitados a partir da conscientização e do acompanhamento profissional. “Nesse cenário, a fisioterapia passa a assumir importante papel na prevenção e no tratamento, assim como no controle de uma eventual epidemia mundial detonada pelo vício da tecnologia e seus reflexos avassaladores na vida de qualidade em todas as faixas etárias, sociais e culturais” – alerta o profissional, com mais de 10 anos de experiência, inclusive como professor da Faculdade Anhanguera, em Anápolis, nos estágios de neuro infantil e adulto e formação em quiropraxia.
Com um corpo e uma mente em desenvolvimento bebês e crianças são muito vulneráveis ao ambiente ao seu redor. O uso dos telefones chamados smartphones é cada vez mais comum e pesquisas mostram que, em média, uma pessoa olha 150 vezes para o aparelho ao longo do dia.
O neném usa. O irmão usa. Papai e mamãe também. Todo mundo usa. Todo dia. Toda hora. Todo lugar. Ninguém sabe onde isso vai parar. O fisioterapeuta Mário Netto adverte que a prevalência do vício, maior do que se imagina, é tão assustadora quanto os riscos de graves doenças.

Autor(a): MVanderic

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Combate à “farra” dos cartões do SUS

17/01/2019

O Prefeito Roberto Naves anunciou que deverá enviar uma equipe técnica para conhecer o modelo de gestão de uma espécie de...

Secretário Municipal de Saúde faz “raio-x” nas unidades ligadas ao setor

17/01/2019

Avaliar de perto a realidade de cada uma das unidades da rede municipal e fiscalizar a prestação de serviços ao cidadão. ...

Crise na Saúde - Municípios estão em dificuldades sem os repasses do Estado

10/01/2019

De acordo com o Atlas da Eficiência da Educação (versão 2018) em Goiás, a gestão da educação em 213 municípios (93% ...

Verba para equipamentos na odontologia municipal

10/01/2019

Devido ao trabalho executado na área de saúde bucal, inclusive com a criação de 12 novas equipes em dois anos, a Prefeitu...