(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Documentário “Eu preciso saber” resgata fatos de Anápolis na ditadura

Especial Comentários 14 de fevereiro de 2019

Curta-metragem mostra como a Cidade foi uma trincheira de lutas nos chamados “anos de chumbo”


Era 1º de abril de 1964, quando o golpe de Estado no Brasil depôs o governo do, então, Presidente João Goulart, o Jango. A “Revolução de 64”, um dos episódios mais controversos da história recente do País, deixou marcas profundas e uma gama de fatos e personagens espalhados pelos quatro cantos do País. Anápolis não fugiu à regra e, inclusive, era considerada uma “trincheira” de resistência e de luta pela retomada da democracia.
Recortes sobre a “Revolução de 64” no Município estão no curta metragem “Eu preciso saber”, com roteiro e direção da jornalista Luana Cavalcante. O filme foi apresentado na noite da última quarta-feira, 13, na reunião da Associação Comercial e Industrial de Anápolis, com a participação de três dos quatro protagonistas da produção: os ex-prefeitos José Batista Júnior e Adhemar Santillo e o historiador e ex-secretário municipal de Cultura, Tauny Mendes. Não pôde estar presente o ex-secretário estadual de Indústria e Comércio e ex-secretário municipal de Governo, Mozart Soares Filho.
Segundo o ex-Prefeito Adhemar Santillo, ele e os seus irmãos Henrique e Romualdo nunca haviam participado de um partido político, embora fossem militantes no movimento estudantil e, devido ao clima instaurado no País, decidiram fundar no Município, junto com outros companheiros, o MDB, que era o contraponto para a ARENA na época em que se instaurou o bipartidarismo. Lutando contra forças poderosas e famílias que detinham poder, Henrique Santillo lançou-se candidato a vereador. Poucos acreditavam que ele pudesse obter algum êxito. Mas, ao contrário, sua eleição foi plenamente vitoriosa (obteve, naquela época, cerca de 1,5 mil votos, para um universo de 10 mil eleitores).
Ocorre que, um Juiz de Anápolis, sob alegação de que Henrique era “fichado” na polícia e seria um subversivo, tentou barrar a sua posse. Com muita luta, diz Adhemar, a situação foi revertida, porque a decisão não se embasava em nenhuma prova, era mera perseguição. O ex-Prefeito, também, narrou a dificuldade da época em combater a censura que se instalara no País e, em Anápolis, fechou duas emissoras: a Rádio Santana e a Carajá, que teve o estúdio e os seus transmissores invadidos.
Anos mais tarde, José Batista Júnior, então chefe de gabinete de Henrique Santillo, que administrou o Município entre 1970 e 1973, foi lançado para concorrer à Prefeitura de Anápolis. Os comícios do adversário da ARENA eram feitos em duas carretas, com direitos a shows com “Os Incríveis” e Globo da Morte. Batista Júnior que foi, também, vereador na Cidade, fazia a campanha numa caminhoneta. Um grande comício na Praça Bom Jesus marcou sua arrancada para a vitória nas urnas.
Oposicionista, José Batista Júnior imprimiu um forte ritmo de trabalho, mas via a necessidade de se aproximar do, então, Governador Leonino Caiado e, no dia em que havia conseguido uma audiência com o mesmo, na Capital, foi informado de que a reunião havia sido cancelada. O motivo: o então presidente Emílio Garrastazu Médici decretou a transformação de Anápolis em Área de Interesse da Segurança Nacional. Ele deu a meia volta, de Terezópolis e nem chegou a voltar à Prefeitura. Além do mandato, Batista Júnior teve os direitos políticos cassados por 10 anos.

Assalto e música
O curta-metragem “Eu preciso saber” traz, ainda, outros fatos marcantes da época. Um deles, relatado por Tauny Mendes, descreve o assalto ao Tiro de Guerra. Ele conhecia a corporação e um primo, com outros amigos, o informara sobre uma ação para a tomada de armas que haviam no grupamento do Exército. Tauny relata, no filme, que aquela ação, de fato, não só aconteceu, como repercutiu não só no Brasil, mas em outros países, inclusive, na antiga União Soviética, que apoiava a luta contra o regime de linha dura. E, obviamente, o ato enfureceu os militares. Após uma delação, Tauny acabou preso pelo DOI-CODI, o temido órgão da repressão.
Tauny e Mozart Soares Filho narraram, também, sobre os festivais musicais e a música de protesto que ecoava no País durante a Revolução. Um dos ícones era o cantor e compositor Geraldo Vandré, que fez um show no Clube Recreativo de Anápolis. A música “Pra não dizer que não falei das flores”, de Vandré, que tem um refrão: ‘Caminhando e cantando e seguindo a canção, somos todos iguais, braços dados ou não’, virou uma espécie de hino libertário e revolucionário.
“Eu preciso saber”, de acordo com o presidente da ACIA, Anastácios Apostolos Dagios, que em nome da entidade prestou uma homenagem aos personagens do filme, é uma oportunidade, sobretudo, para que os mais jovens possam entender o que aconteceu no Brasil, durante o período da Ditadura. Ele destacou, ainda, que a experiência dos ex-prefeitos, que passaram por momentos distintos e fizeram boas gestões, é importante para ajudar a construir o presidente e o futuro da Cidade.

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Especial

Abadiânia tenta se reerguer de crise após prisão do seu famoso curandeiro

25/04/2019

Desde a prisão do famoso médium João Teixeira de Faria, o “João de Deus” - preso sob acusações de assédio sexual e...

Campanha para lembrar a Síndrome de Down

22/03/2019

“Ninguém fica para trás”. Esse é o tema do Dia Internacional da Síndrome de Down em 2019, comemorado nesta quinta-fei...

Dia da Mulher terá ampla programação

07/03/2019

Oito de março, Dia Internacional da Mulher. Em Anápolis, a data será amplamente comemorada. É que a Prefeitura preparou u...

UniEVANGÉLICA promove colação de grau para mais de 400 estudantes

28/02/2019

O Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA promoveu no dia 26 de fevereiro, terça-feira, colação de grau espe...