(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Direito Médico - responsabilidade civil médica com base no Direito do Consumidor

Contexto Jurídico Comentários 08 de outubro de 2018


Diante do aumento desmedido de denúncias e processos por reparação civil envolvendo médicos e hospitais, um tema bastante em voga no mundo jurídico é a responsabilidade civil médica.
Inicialmente, cumpre esclarecer que a responsabilidade civil do médico, via de regra, configura obrigação de meio (não de resultado) e com base no direito do consumidor, assim como a de qualquer profissional liberal, é puramente subjetiva.
Sendo a responsabilidade civil do médico subjetiva e decorrente de uma obrigação de meio, o Código de Defesa do Consumidor no seu artigo 14, § 4º preleciona que “Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. § 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa.”
Ao contrário do observado em muitas ações propostas em desfavor de médicos e hospitais, não basta simplesmente que um agente alegue o erro e o prejuízo, devendo obrigatoriamente demonstrar que o profissional contribuiu culposamente para tanto, que não se utilizou dos corretos ensinamentos e métodos disponíveis da ciência médica na busca da cura e/ou reabilitação.
A ilustre Irany Novah Moraes (2003, p. 40) ensina que “O erro médico vai ser tratado como desvio de comportamento do médico na execução do seu trabalho profissional, trabalho que, se tivesse sido feito dentro dos parâmetros estabelecidos pelos seus pares, não teria causado dano ao paciente”.
Deste modo, conclui-se que, o médico apenas poderá ser responsabilizado quando agir de modo imprudente, negligente ou imperito, devendo somente, ser indenizado, aquele que, submetido a tratamento médico, venha, por causa deste tratamento e de culpa do profissional, a sofrer um prejuízo, seja de ordem material ou imaterial, haja vista que a ciência médica não é exata.

CURIOSIDADE:
A obrigação nas cirurgias meramente ESTÉTICAS é de resultado, comprometendo-se o médico com o efeito embelezador prometido, logo, a responsabilidade do médico é OBJETIVA.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Contexto Jurídico

Locar imóvel por curto período não altera seu caráter residencial, diz Tribunal de Justiça de São Paulo-TJSP

17/04/2019

Proprietários de imóveis que exploram o bem alugando-o em sites de hospedagem têm conseguido decisões favoráveis no Trib...

Responsabilidade pelo pagamento do IPTU – imposto sobre propriedade predial e territorial urbana

05/04/2019

Quando se trata de aluguel de imóvel uma das dúvidas mais frenquentes é, quem será o responsável pelo pagamento do IPTU ...

Contribuição sindical e seu caráter facultativo

15/03/2019

A Presidência da República editou a Medida Provisória 873, em 1º de março do corrente ano – MP 873/2019, que proíbe a...

Plano de Saúde deve custear cirurgia reparadora para paciente que foi submetido à bariátrica

07/03/2019

O entendimento do Superior Tribunal de Justiça - STJ, quanto à realização da cirurgia para a redução do estômago, indi...