(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

DAIA 40 ANOS: Distrito é um dos principais marcos da industrialização de Goiás

Economia Comentários 10 de novembro de 2016

Em quatro décadas de existência, o DAIA foi ocupado por empresas de vários segmentos, destacando uma planta automotiva e dezenas de indústrias de medicamentos


No dia 09 de novembro de 1976, com as presenças do então Governador de Goiás, Irapuan Costa Júnior e do então Presidente da República, General Ernesto Geisel, era inaugurado o Distrito Agro Industrial de Anápolis (DAIA), um marco no processo de industrialização de Goiás, cuja economia tinha um perfil meramente agropecuário.
Durante o governo de Mauro Borges (1961 a 1964), foi criado o Plano de Desenvolvimento de Goiás (PDEG), também conhecido por Plano MB, que era inspirado no Plano de Metas do, então, Presidente Juscelino Kubitscheck. Foi dentro desse planejamento, que o Governo da época começou a criar órgãos e secretaria vinculados, de alguma forma, à plataforma de desenvolvimento econômico e modernização do Estado.
A política para a construção de distritos agroindustriais em Goiás teve o seu ápice no ano de 1973, no governo de Leonino di Ramos Caiado, como advento da Lei nº 7.700 que previa isenções de impostos para e criava a Superintendência de Distritos e Áreas Industriais, que ficaria responsável em escolher os locais e dotar de infraestrutura necessária para acolher as plantas industriais.
Anápolis, que desde o início de sua história já tinha forte vocação comercial, acabou sendo estrategicamente escolhida para abrigar um polo industrial, sobretudo, por sua localização, entre duas capitais (Goiânia e Brasília); por estar no centro do País e ser servida por três rodovias federais - BRs 153, 060 e 414 - facilitando o escoamento da produção de Norte a Sul do País. Além disso, a Cidade foi pioneira ao receber a primeira escola de formação profissional para a indústria do SENAI (em 1952) fora do eixo Rio/São Paulo.
Crescimento
Após a sua inauguração, o DAIA passou por um período de dificuldades, já que a área, a infraestrutura oferecida, a localização geográfica privilegiada do Município e a política de incentivos não eram, ainda, elementos que, por si só, atraíssem os investimentos tirando o foco da região Centro-Sul do País. A partir de meados da década de 80, o governo goiano, na gestão de Íris Rezende Machado, adotou uma política mais agressiva de incentivos fiscais, a partir da Lei nº 9489, de 19 de julho de 1984, que criou o Fundo de Fomento à Industrialização (FOMENTAR), que substituiu o Fundo de Expansão da Indústria e Comércio (FEINCOM), oriundo da lei nº 7.700. Depois veio o PRODUZIR (Lei nº 13.591, de 18 de janeiro de 2000), dando uma repaginada na política de incentivos fiscais, com o intuito de oferecer mais competitividade ao Estado na busca de investimentos para a geração de empregos, rendas e divisas.
A história do DAIA tem alguns marcos importantes, dentre eles a implantação da Estação Aduaneira Interior (EADI), em 1999. Foi o primeiro Porto Seco da região Centro Oeste, criado por meio de concorrência pública e licenciado ao grupo empresarial vencedor do certame para a prestação de serviços aduaneiros. A partir de então, a economia de Anápolis e de Goiás projetou um novo cenário com o aumento da exportação e da importação de produtos.
Outro marco foi a implantação do Polo Farmacêutico, que ocorreu pouco tempo depois da vigência da Lei 9.787, a chamada Lei dos Genéricos. Através de uma política fiscal setorizada, o Estado de Goiás atraiu mais de duas dezenas de indústrias e, hoje, Anápolis é considerado o segundo município brasileiro maior produtor de medicamentos genéricos e o terceiro maior produtor de remédios em geral do País, abrigando plantas como as dos grupos Hypermarcas e Teuto/Pfizer, que estão entre as maiores da América Latina.
No ano de 2007, o DAIA recebeu a primeira planta automotiva, com a implantação da CAOA, ligada à marca sul-coreana Hyundai

Desafios
O DAIA, hoje, com cerca de 170 empresas em funcionamento, emprega mais de 20 mil trabalhadores. É o maior dos 34 distritos industriais administrados pela Companhia de Desenvolvimento do Estado de Goiás (CODEGO). Devido ao seu crescimento acelerado, ele carece de área para se expandir. Além de uma atenção especial em relação à infraestrutura: energia elétrica, água e esgoto e manutenção de ruas e da via central que o corta em toda a sua extensão (da BR-060 até a GO 330). Isto, sem contar outras demandas como segurança e a inauguração das obras do Aeroporto de Cargas, do Centro de Convenções, do Anel Viário e a efetiva operacionalidade da Ferrovia Norte Sul e sua interligação à Ferrovia Centro-Atlântica.

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

CDL diz que vendas tendem a reagir

14/09/2017

Com um índice inferior ao registrado no conjunto dos municípios goianos, as vendas no comércio varejista de Anápolis caí...

Corrente de comércio supera US$ 1,2 bi

08/09/2017

Dados divulgados pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior apontam que o volume de importações e...

Produção de 2017 daria para alimentar goianos por 13 anos

08/09/2017

Em 2017, a produção agrícola de Goiás alcançou 22 milhões de toneladas. Esta produção seria suficiente para alimentar...

Casa do ex-prefeito Anapolino de Faria está sendo restaurada

18/08/2017

Projetada por um dos mais importantes e conhecidos arquitetos do Brasil, Oscar Niemeyer, a casa do ex-prefeito Anapolino de F...