(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Crise retrai geração de empregos temporários para o Natal

Economia Comentários 11 de novembro de 2016

Apesar do aumento nas vendas de final de ano, comércio continua cauteloso, redistribuindo trabalho para manter o atual quadro de funcionários


Nenhuma das entidades que representam o comércio em Anápolis não se arrisca a apontar o número de empregos temporários que poderão ser gerados neste final de ano para atender o aumento sazonal das vendas de Natal e de Ano Novo, em consequência da crise econômica que o país está vivendo e da falta de perspectivas de sua reversão em curto prazo. “Com a situação que estamos vivendo, a luta do empresariado é a de manter o seu quadro atual de funcionários, redistribuindo tarefas com o crescimento das vendas de final de ano para evitar que sejam demitidos”.
Assim reagiu o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Anápolis (Sincovan), José Pereira D’Abadia, ao ser questionado sobre as perspectivas da entidade que dirige sobre a criação de empregos temporários neste final de ano. Segundo ele, por causa da crise o comércio não está contratando novos funcionários, “mas lutando muito para segurar os que já têm, porque ninguém sabe o que irá acontecer em 2017”.
José Pereira acha que a crise afetou indistintamente todos os segmentos da economia, especialmente a indústria de transformação e a construção civil, setores onde o desemprego é alto, provocando reflexos negativos nas vendas do comércio varejista, inclusive de supermercados e mercearias, áreas que trabalham com a venda de gêneros de primeira necessidade, onde o número de demissões também é alto. Mesmo assim, o presidente do Sincovan acredita que algumas vagas de empregos temporários, em número que ele não se arrisca a estimar, poderão ser abertas no final de novembro ou início de dezembro, quando ele espera que haja uma reação positiva nas vendas de final de ano, por causa do pagamento da primeira parcela do 13º salário.
Previsão CNC
“Antes disso, dificilmente surgirão vagas de empregos temporários”, garante o presidente do Sincovan lembrando que a Confederação Nacional do Comércio (CNC) estima a criação de apenas 135 mil vagas de empregos temporários neste final de ano em todo o País, uma estimativa 2,4% menor de postos de trabalho ofertados em 2015. Segundo ele, com essa estimativa, a CNC acredita que o País está voltando ao patamar de 2012, quando foram contratados cerca de 135 mil temporários para cobrir o movimento de fim de ano. “É muito pouco para 5.570 municípios existentes no Brasil”, sentenciou.
José Pereira explica que o estudo da CNC levou em consideração a crise econômica, aliada à elevação das taxas de juros e à desaceleração do consumo, fatos que segundo ele, vem deixando as empresas mais cautelosas, reduzindo as expectativas de crescimento das tradicionais contratações de fim de ano para serviços temporários. Confirmada esta tendência, a CNC acredita que o número de trabalhadores contratados para o Natal e Ano Novo pode ser ainda menor.
Um pouco menos pessimista, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis, Wilmar Jardim de Carvalho acha que a situação pode melhorar na segunda quinzena de novembro por causa do hábito de muitos consumidores de fazerem suas compras de final de ano com antecedência. “O comércio não pára de vender”, garante Wilmar de Carvalho reforçando o ponto de vista segundo o qual o Natal é o melhor apelo para aumentar as vendas.
“E é isso que o comércio está esperando”, acrescentou o presidente da CDL admitindo, porém, que a entidade que preside ainda não recebeu nenhum pedido para a avaliação de curriculum para a contratação de temporários. Ele reconhece também que a maioria das empresas enxugou seu quadro de pessoal por conta da crise econômica e que novas contratações deverão ocorrer somente depois que as vendas reagirem positivamente, ao aponto das empresas necessitarem de um reforço de funcionários.

Sine e shoppings
No Posto de Atendimento do Sine, a coordenadora do Núcleo de Atendimento de Anápolis, Fernanda Ribeiro de Oliveira informou que até o último dia 10 ainda não havia sido captada nenhuma vaga de emprego temporário. Ela informou que em 2015 o número de empregos temporários captados pelo Sine foi muito reduzido, mas acredita que a situação pode ser revertida no final de novembro ou início de dezembro, por causa do aumento nas vendas, especialmente em lojas que trabalham com brinquedos, confecções, calçados e produtos eletrônicos.
“Estamos mantendo contatos diários com o comércio e o setor de serviços, segmentos que mais oferecem empregos temporários no final de ano, na tentativa de captar vagas”, disse Fernanda Ribeiro revelando, porém que ainda não foi possível captar vagas temporárias.
Nos shoppings da cidade, a situação não é muito diferente, com poucas lojas oferecendo vagas temporárias. Nas administrações dos shoppings, os funcionários disseram que não sabem informar quantos empregos temporários serão gerados neste final de ano. Limitaram a informar que poucas lojas já contrataram um reduzido grupo de trabalhadores temporários, número que segundo eles pode crescer no final do mês e início de dezembro, depois que a liberação da primeira parcela do 13º salário provocar um aumento de consumidores nos shoppings da cidade.

Autor(a): Ferreira Cunha

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Ministério Público quer implantar nova tecnologia para monitorar os preços dos combustíveis

21/09/2017

O projeto MP de Olho na Bomba, desenvolvido pelo Ministério Público de Goiás em parceria com o governo estadual com o obje...

Preços dos combustíveis variam até mais de 36% nos postos

21/09/2017

O Procon de Anápolis realizou, entre os dias 12 e 14 de setembro, pesquisa para aferir a variação de preços dos combustí...

Balança comercial registra o 44º superávit consecutivo

21/09/2017

O secretário de Desenvolvimento (SED), Francisco Pontes comemorou na última quarta-feira, 13, o resultado da balança comer...

Anápolis é a cidade do Estado com mais vagas de emprego

21/09/2017

O Sistema Nacional de Emprego é uma instituição criada pelo Governo Federal, com objetivo de promover a interação entre ...