(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Contratação no governo deve passar pela lei

Política Comentários 10 de fevereiro de 2017

A regra é a mesma da legislação eleitoral que embasa as hipóteses de inegibilidade


Governador Marconi Perillo usou os seus perfis nas redes sociais para afirmar que qualquer cidadão indicado para cargo no Governo de Goiás precisa, obrigatoriamente, passar pelo crivo da Ficha Limpa. “É mais um ato para reforçar a transparência de nossa administração e mostrar que estamos em sintonia com os anseios da sociedade, que tanto lutou pela criação desta Lei”, escreveu Marconi.
Em 4 de abril de 2012, foi publicado no Diário Oficial do Estado o decreto de número 7.587/12, assinado pelo governador Marconi Perillo, instituindo a Ficha Limpa Estadual na administração pública estadual. O documento veda a nomeação, contratação e a designação para função comissionada de pessoas que tenham sido responsabilizadas ou condenadas pela prática de infração penal, civil ou administrativa nas situações que, descritas pela legislação eleitoral, configurem hipóteses de inegibilidade.
O decreto estabelece, em seu artigo 1º, que “não será nomeado para qualquer cargo em comissão no âmbito da administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo, nem poderá permanecer no exercício, caso o provimento já tenha se consumado, quem haja sido responsabilizado ou condenado pela prática de infração penal, civil ou administrativa nas situações que, descritas pela legislação eleitoral, configurem hipóteses de inegibilidade.”
No artigo 2º fica determinado que “a Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento deverá, no prazo de 30 dias, proceder ao levantamento do pessoal no exercício do cargo comissionado, contrato temporário ou função comissionada em situação de infrigência ao disposto no art. 1º e propor, a quem de direito, a prática do competente ato de exoneração, rescisão ou dispensa, respectivamente”.
O artigo 3º estabelece que “as empresas públicas e sociedades de economia mista sob o controle acionário do Estado de Goiás deverão adotar medidas de economia interna, objetivando a aplicação da vedação prevista neste decreto, relativamente ao provimento e exercício de seus cargos de direção, chefia e assessoramento e funções de confiança”.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

MP investiga ex-governador por criação de conta única

18/07/2018

A promotora de Justiça Villis Marra abriu inquérito para apurar supostas irregularidades praticadas pelo ex-governador de G...

1240 requerimentos são aprovados no primeiro semestre

12/07/2018

O campeão deste tipo de proposição no primeiro semestre do ano é o vereador Deusmar Japão (PSL), com 176 requerimentos a...

Da Câmara Municipal para o Senado?

12/07/2018

Primeiro foi o vereador Jakson Charles (PSB) que teve seu nome ventilado com provável companheiro de chapa da senadora Lúci...

Da Câmara Municipal para o Senado?

12/07/2018

Primeiro foi o vereador Jakson Charles (PSB) que teve seu nome ventilado com provável companheiro de chapa da senadora Lúci...