(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Conselho vai questionar lei de partição de massas

Cidade Comentários 23 de dezembro de 2011

Órgão ligado à estrutura do ISSA, o Conselho de Previdência vai buscar amparo do Ministério Público para derrubar a lei. Prefeitura diz ter garantido o debate


O Conselho Municipal de Assistência e Previdência-Comap, colegiado de caráter normativo e deliberativo ligado à estrutura do Instituto de Seguridade Social dos Servidores Municipais de Anápolis- ISSA, divulgou uma nota de desagravo ao Executivo, manifestando descontentamento em relação à Lei Complementar 034/2011, que dispõe sobre a partição de massas dos segurados do regime próprio da previdência social dos servidores do Município.
No início da semana, o Conselho deliberou sobre o referido desagravo. A Presidente do Sindicato dos Funcionários Públicos de Anápolis, Regina Faria, observou que durante a reunião, inclusive, foi discutida a declaração do presidente do Instituto, Dido Gonzaga Jaime da ao CONTEXTO, em reportagem publicada pelo CONTEXTO na edição passada, afirmando que ao contrário da matéria, não teceu críticas à representação dos servidores e dos aposentados.
Independente deste posicionamento, entretanto, o Comap, na nota de desagravo, confirmou que há dois anos a proposta de segregação de massas vinha sendo debatida e que havia sido feito um pedido para que antes de a proposta ser encaminhada ao Legislativo, fosse mandada uma minuta para análise do conselho. “A minuta do aludido projeto foi disponibilizada apenas no dia 28/11/11” e dessa forma teria havido o tempo hábil para uma análise mais aprofundada. Segundo conta ainda da nota, o conselho estaria seguindo uma orientação do técnico atuário para que o cenário de corte fosse em 2004, enquanto a Prefeitura apresentou proposta para o corte em 2012. Mas não houve tempo nem espaço para essa sugestão ser debatida.
Diante o quadro, destaca o desagravo, “já se adianta a intenção das partes envolvidas em encaminhar pedido de Representação ao Ministério Público do Estado, no sentido daquele órgão ajuizar competente ação civil pública em face ao Município de Anápolis, e após análise prévia das irregularidades da Lei Complementar promulgada, encaminhar solicitação para que o Procurador Geral de Justiça promova Ação de Arguição de Inconstitucionalidade também em face do Município de Anápolis”.
Na justificativa do projeto que foi encaminhado e aprovado pela Câmara de Vereadores, o Prefeito Antônio Gomide assinalou que a intenção das mudanças propostas é garantir o equilíbrio financeiro do regime próprio de previdência e que o Município, por meio do órgão competente, promoveu ampla discussão com o Conselho Municipal de Previdência e associações representativas dos servidores, sob orientação do atuário responsável, “definindo, assim, as diretrizes do presente projeto”, agora já com efeito de lei após a sua publicação no Diário Oficial.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Anápolis tem novos comendadores

20/07/2017

A Comenda “Gomes de Sousa Ramos”, maior honraria instituída pelo Município, foi entregue a personalidade de diversos se...

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...