(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Conselho Municipal propõe ação inovadora na política para o setor

Economia Comentários 27 de julho de 2017

Presidente já iniciou suas ações à frente do conselho, com um diagnóstico socioeconômico do Município.


À frente do Conselho Municipal do Trabalho e Renda desde 11 de julho, o empresário Baltazar José dos Santos está propondo uma ação inovadora com vistas à formulação de uma política municipal para o setor, inicialmente, com a realização de um diagnóstico socioeconômico do Município em busca da elaboração de um plano de trabalho durante sua gestão. De natureza tripartite e paritária, o Conselho reúne representantes dos trabalhadores, dos empregadores e do Poder Público e tem como objetivo, estabelecer as diretrizes para a formulação de uma política municipal de trabalho e renda, além de orientar e fiscalizar os recursos públicos destinados à capacitação de trabalhadores.
“Temos pressa na realização do diagnóstico e na elaboração do plano de trabalho”, disse Baltazar. Ele revelou que já adotou as providências para discutir com os segmentos organizados da sociedade, especialmente com os diversos setores produtivos e o meio acadêmico, que cursos de formação e de qualificação de profissionais precisam ser oferecidos aos trabalhadores para que eles atendam às demandas das empresas, em um momento de constantes e rápidas transformações com os avanços tecnológicos.
Baltazar dos Santos acha que as pessoas precisam ser motivadas e preparadas para o novo momento que o País está vivendo. “Estamos diante de muitas coisas novas e de rápidas tendências para o futuro”, destacou o presidente do Conselho, frisando que, no caso específico de Anápolis, as áreas de logística e de tecnologia devem ser levadas em conta na elaboração de políticas de formação e qualificação profissional. E, cita como exemplo, um recente anúncio feito por uma empresa do pólo farmoquímico de Anápolis, oferecendo 335 vagas de trabalho.
“Infelizmente, menos de 12% dessas vagas foram ocupadas por profissionais de Anápolis”, lamenta Baltazar dos Santos, explicando que a falta de qualificação acabou eliminando a maioria dos trabalhadores anapolinos que se candidatou a uma das vagas. Para ele, em sua gestão, o Conselho, além de discutir e formular a política de trabalho e renda irá reorientar os segmentos produtivos e acadêmicos na criação de cursos de capacitação e formação profissional que sejam identificados com as nossas potencialidades, suas carências e com visão no futuro.
GRUPOS DE TRABALHO
Ele revelou que está criando grupos de trabalho para discutir temas específicos e para acelerar na elaboração de uma política para o setor. Baltazar dos Santos promete ouvir todo o segmento produtivo - empregados e empregadores - o meio acadêmico, as universidades e as unidades que oferecem cursos de formação e de qualificação profissional. “Precisamos rediscutir os cursos de formação tecnológica e logística”, defende, ao lembrar que o Instituto Federal de Educação, o SENAI e o CEPA terão grandes espaços na identificação das profissões com maior demanda das empresas.
“Temos que nos organizar para nos preparar para o futuro”, acrescentou Baltazar dos Santos. Para ele, a implantação do projeto de um pólo tecnológico, entre Anápolis e Terezópolis vai demandar a contratação de muitos profissionais qualificados, o mesmo ocorrendo que o Aeroporto de Cargas, com a Plataforma Logística, o Centro de Convenções e um grande número de empresas com projetos de instalação de suas unidades no eixo Anápolis/Goiânia/Brasília, além da ampliação da Base Aérea. Ele acha que é preciso aproveitar a estratégica localização de Anápolis, entre Goiânia e Brasília e o fato de o Município estar inserido em um dos maiores eixos de desenvolvimento econômico e social do País.
“Temos de despertar a cidade para este novo momento, hoje com todos os indicativos de que irá avançar rapidamente”, acrescentou o presidente do Conselho garantindo que por essa razão a cidade precisa capacitar e qualificar profissionais com a utilização de avançadas técnicas de formação tecnológica. Segundo Baltazar José dos Santos, para ocupar estes novos empregos, as pessoas precisam se preparar e se qualificar ainda mais. Ele acredita que muito em breve 60% dos jovens terão seu primeiro emprego em profissões que, hoje, sequer ainda existem. “Como hoje as coisas acontecem muito rápidas, Anápolis precisa se preparar para as novas oportunidades que vão surgindo com os avanços tecnológicos e também para receber os novos empreendimentos e segurar as pessoas na cidade”, acrescentou.
Paralelo a esse trabalho, Baltazar dos Santos acha que a cidade necessita de representantes de peso nas políticas estadual e federal para ter influência na defesa dos interesses da Cidade, principalmente para o fortalecimento de sua economia. Para retomar o crescimento econômico anapolino, ele defende o estímulo à implantação de novas empresas como meio de geração de postos de trabalho. “Anápolis experimentou um crescimento econômico negativo nos últimos anos e corre o risco de perder espaço para Aparecida de Goiânia, que anuncia novos e vultosos polos de desenvolvimento”, lembrou o presidente do Conselho acreditando que a viabilização do pólo logístico e tecnológico, assim como o incremento ao turismo, contribuirão para a retomada do crescimento de Anápolis.

Autor(a): Ferreira Cunha

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...