(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Combate à corrupção pode render verbas para escolas

Educação Comentários 07 de dezembro de 2018

Verbas vêm de recursos das ações cíveis e penais da Justiça


O secretário de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), Flávio Peixoto, assinou na segunda-feira, 03, o Termo de Cooperação Técnica e o Plano de Trabalho a serem postos em prática no âmbito do Projeto Reeducar. A ação é para a melhoria da infraestrutura educacional nos estados brasileiros, viabilizando a destinação de verbas recuperadas em ações criminais e de combate à corrupção para a revitalização da rede física das escolas públicas.
Para o secretário, esse tipo de iniciativa desperta nos profissionais de educação, alunos e em toda população o interesse de saber o que será feito com os valores apreendidos em operações contra corrupção. “Esse dinheiro não poderia ser melhor investido do que aplicado na educação. Nossos jovens são o futuro desse país e precisamos fazer com que os alunos se sintam bem nas unidades escolares para que a cada dia o número de evasão diminua”, disse.
De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o investimento será composto por recursos obtidos em ações cíveis e penais da Justiça Federal em Goiás, incluindo algumas que são desdobramento da Operação Lava Jato. “O valor disponível para esse projeto já totaliza 80 milhões”, afirma a procuradora da República com atuação no Ofício da Educação, Mariane Guimarães de Mello Oliveira.
Mariane explicou que por meio desse projeto a intenção é alocar recursos de condenações judiciais em processos de combate à corrupção e também ações criminais para Secretária Estadual para serem destinadas às melhorias da infraestrutura e na aquisição de mobiliários. “Vamos melhorar assim as condições de acesso e permanência do aluno nas escolas da rede pública. E tenho certeza de que, quando o aluno tem um ambiente bom para estudar, irá absorver melhor o ensino”, diz.
O procurador-chefe da Procuradoria da República no Estado de Goiás, Ailton Benedito de Souza, disse que essa ação reúne, além do MPF, órgãos de Justiça e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Projeto Reeducar
A iniciativa surgiu no Rio de Janeiro, proposta pelo Grupo de Trabalho (GT) Educação da 1ª Câmara de Coordenação e Revisão (1CCR) do Ministério Público Federal. O projeto-piloto resultou na assinatura de Termo de Cooperação Técnica, que viabilizou a destinação de parte dos recursos recuperados pela Operação Lava Jato no Rio de Janeiro às escolas do estado. O acordo foi assinado em maio.
A partir dessa primeira experiência bem-sucedida, a 1CCR enviou o modelo adotado para todas as unidades do MPF, com a sugestão para que fossem fechados acordos semelhantes nos demais estados. Goiás é o segundo a aderir ao projeto.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Educação

Saúde na Escola conta com 100% de adesão em Goiás

15/03/2019

Os 246 municípios goianos se cadastraram no Programa Saúde na Escola com apoio da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás ...

Institutos Federais vão formar novos agentes digitais

07/03/2019

Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs) terão até 29 de março para aderir ao Programa Nacional d...

UniEVANGÉLICA amplia parcerias com as universidades estrangeiras

07/03/2019

O Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA é uma instituição que oferece várias oportunidades para que seus ...

UniEVANGÉLICA amplia parcerias com as universidades estrangeiras

07/03/2019

O Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA é uma instituição que oferece várias oportunidades para que seus ...