(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Cobrança de ponto adicional de televisão a cabo

Contexto Jurídico Comentários 31 de agosto de 2017


Uma prática recorrente, e que muitas vezes passa despercebida pelos consumidores, é a cobrança pela programação exibida nos pontos adicionais em Televisão a Cabo pelas empresas fornecedoras deste serviço específico. Tal prática, contudo, é proibida pela Resolução nº. 488/2007 da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), com redação atualizada em 2009.
A resolução prevê em seu artigo 29 que “A programação do Ponto-Principal, inclusive programas pagos individualmente pelo Assinante, qualquer que seja o meio ou forma de contratação, deve ser disponibilizada, sem cobrança adicional, para Pontos-Extras e para Pontos-de-Extensão, instalados no mesmo endereço residencial, independentemente do Plano de Serviço contratado”. A prática configura má-fé e, por ser uma cobrança ilegal, enseja em reparação em dobro, conforme o artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor (CDC).
Conforme o CDC, o consumidor cobrado por quantia indevida tem direito à repetição do indébito por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais. E, tratando-se de engano injustificável, é configurada a má-fé por parte da empresa provedora do serviço, uma vez que a proibição é expressamente prevista pela ANATEL.
As empresas podem cobrar pela instalação e manutenção do aparelho decodificador, cabendo a elas estipular a maneira pela qual os cedem, podendo ser por meio de comodato, aluguel ou venda dos dispositivos. Esse valor, entretanto, não pode ser utilizado com forma de ocultar a cobrança contínua do custeio da rede do ponto adicional. Portanto, a cobrança de quantia excessiva e pouco clara quanto ao valor real do aluguel do aparelho pode constituir abusividade e ser passível de questionamento, de acordo com entendimento do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Contexto Jurídico

Ato de desídia. Faltar sem justificativa é motivo para justa causa

17/01/2019

Segundo entendimento da 1ª turma julgadora do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, faltar ao trabalho por mais de ...

Pensando em abrir seu próprio negócio? Vejaos principais tributos pagos por uma empresa:

10/01/2019

O que mais assusta os empreendedores e donos de negócios são os valores a serem pagos e a burocracia ao abrirem uma empresa...

Código de Defesa do Consumidor X Convenção de Varsóvia Controvérsias quanto às indenizações

20/12/2018

O transporte aéreo de passageiros é configurado como uma relação consumerista, haja visto que, a Companhia Aérea enquadr...

Teletrabalho. Reforma Trabalhista

13/12/2018

Inicialmente é necessário esclarecer que o teletrabalho é o serviço prestado, de forma preponderante, fora das dependênc...