(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

CMEP: Conselho não pode ser político

Geral Comentários 01 de julho de 2011

Empresário afirma que a força do Conselho Municipal de Execuções Penais está na ausência de política partidária


Ao falar sobre a entrega das obras físicas da ala feminina do Centro de Inserção Social (Cadeia Pública de Anápolis) “Monsenhor Luiz Ilc”, o Presidente da Associação Comercial e Industrial, Wilson de Oliveira, assegurou que não se pode politizar um assunto tão importante como este. Para Oliveira, os recursos conseguidos junto à comunidade para a construção da nova dependência, só se viabilizaram devido à credibilidade de que desfrutam os membros do Conselho junto ao empresariado local. “É um grupo de abnegados cidadãos, descompromissados com a mídia e com os holofotes. São pessoas responsáveis e que olham para o bem coletivo. A rigor, nenhum membro do Conselho seria candidato a cargo eletivo nas eleições vindouras e, é por conta disso, que o empresariado de Anápolis ajudou”, destaca o Presidente da ACIA.
Wilson Oliveira lembrou-se de dois outros episódios em que a sociedade anapolina envolveu para a resolução de problemas ligados à segurança pública na Cidade. No início dos anos 90, o então Comandante do Quarto Batalhão de Polícia Militar, Coronel Santos, buscou o apoio da comunidade e, em especial, dos empresários ligados à ACIA, para levantar recursos e conseguir a doação de material para se construir o atual prédio do comando. Na época, o Quarto BPM funcionava em acanhadas instalações, tipo barracão, depondo contra a boa imagem socioeconômica que a Cidade já ostentava. “A comunidade respondeu prontamente e em poucos meses o prédio ficou pronto”, lembrou o Presidente da ACIA.
Cadeia Pública
Da mesma forma, a construção da segunda ala na Cadeia Pública de Anápolis somente foi possível graças ao apoio comunitário. Na época, o então vigário da matriz de Bom Jesus, Monsenhor Luiz Ilc, que por sinal empresta seu nome ao complexo prisional de Anápolis, mobilizou a comunidade e conseguiu recursos para a construção. Dentre outras atividades, ele obteve a doação de um carro zero quilômetro e fez um sorteio, levantando grande parte dos recursos necessários.
Assim sendo, o Presidente da ACIA disse que outros avanços podem ser conseguidos, desde que haja seriedade e não se leve o assunto para o campo político/partidário. “Os doadores, os parceiros e os que se interessam pelo problema são de diferentes siglas partidárias, de variados credos religiosos e diversas posições sociais. São todos bem-vindos. Não podemos, desta forma, privilegiar, nem discriminar ninguém. Qualquer ajuda é importante”, justifica o Presidente da ACIA. De acordo com ele, existem mais demandas a serem trabalhadas neste aspecto. “Já que os governos têm dificuldades em realizar obras como esta, a sociedade se envolve, pois, afinal de contas, isto interessa a todos”, declarou.
Concluindo seu raciocínio, Wilson de Oliveira disse que o empresariado anapolino sempre se solidarizou com ações como a que foi desenvolvida pelo Conselho Comunitário de Execuções Penais. “Afinal de contas, foi deplorável e, até, vergonhoso, mostrar, em cadeia nacional, uma mulher amarrada a um banco na Delegacia Geral de Anápolis. Isto depõe contra toda a comunidade e quando é visto lá fora, pode afugentar eventuais grupos interessados em investirem na Cidade. Como é que podemos explicar que uma cidade onde existe esta grande proposta tecnológica, industrial e educacional, ainda se amarram presos em bancos de delegacia?”, indaga o Presidente. Assim sendo, ele assegura que há a ideia de se mobilizar a sociedade para novos desafios, inclusive, na parte de segurança. “Vamos, agora, trabalhar pela consolidação do mini-presídio, uma obra indispensável e inadiável”, encerrou.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Município quita dívidas trabalhistas de ex-servidores comissionados

19/04/2017

A Prefeitura de Anápolis começa a quitar dívidas trabalhistas do município, que estão pendentes desde 2011, para ex-serv...

Ovos de chocolate com diferenças salgadas, aponta pesquisa do Procon

12/04/2017

O Procon de Anápolis divulgou a pesquisa sobre os preços de produtos para a páscoa- ovos de chocolate e caixas de bombons....

Projeto da sede do MP tem significativo avanço

12/04/2017

A proposta de se definir uma nova sede para as promotorias de Justiça em Anápolis (hoje funcionando em um edifício da Aven...

Advogados receberam a Caravana Nacional de Prerrogativas

07/04/2017

Morosidade do Poder Judiciário; desrespeito por parte de autoridades policiais, juízes, promotores; porte de arma; e até o...