(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Cinco anos como patrimônio cultural do Brasil pelo Iphan

Cultura Comentários 14 de maio de 2015

Realizada na histórica cidade de Pirenópolis, a primeira manifestação do evento ocorreu em 1819


São quase 30 dias que movimentam a comunidade entre novenas, folias, alvoradas, apresentações folclóricas e muitas celebrações. Essa é a Festa do Divino Espírito Santo (GO) que teve a primeira manifestação em 1819 e completou, na última quarta-feira,13, cinco anos de registro como patrimônio cultural imaterial. A comemoração é considerada uma das maiores e mais tradicionais do país.
A Festa foi inscrita, em 2010, no Livro de Registro das Celebrações, onde são incluídos os rituais e festas que marcam a vivência coletiva do trabalho, da religiosidade, do entretenimento e de outras práticas da vida social. Reconhece-se a inclusão, no patrimônio a ser preservado pelo Estado em parceria com a sociedade, dos bens culturais que sejam referências dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira.
O Patrimônio Cultural Imaterial é transmitido de geração a geração, constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade, contribuindo para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana. É apropriado por indivíduos e grupos sociais como importantes elementos de sua identidade. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) reconhece os bens por meio de categoria e os registram em livros.

A Festa
A celebração é realizada no período de Pentecostes, 50 dias após a Páscoa, e começa com o giro das folias, na zona rural e urbana. Os foliões partem para as visitas levando a bandeira do Divino com o objetivo de recolher donativos, chamar o povo para a festa e levar as bênçãos do Divino. Os donos das fazendas enfeitam suas casas, preparam o altar e muita comida para receberem a bandeira do Divino e os foliões. A cada noite, o grupo se reúne para orações, louvores e saudações ao Divino, junto ao anfitrião que os recebe, e em seguida são servidas tachadas de comida gratuitamente a todos os presentes, foliões e comunidade que vem de várias partes do município e também de cidades vizinhas para participar dos chamados Pouso de Folia.
Após o giro das folias, inicia-se na Igreja Nossa Senhora do Rosário a novena em louvor ao Divino Espírito Santo. Além da oração do terço e celebração da missão, durante todos os dias da novena, a comunidade católica organiza, no Largo da Matriz, a Barraca da Família, um espaço para confraternização da comunidade e onde são comercializadas comidas típicas para levantar fundos para custear ações beneficentes da Igreja.
A edição deste ano começou no dia 1º de maio e se estende até o próximo dia 26, com uma vasta programação de eventos. (Com informações da Assessoria de Comunicação Iphan)

Autor(a): Da Redação

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Cultura

Inscrições para o Salão Anapolino de Artes abrem-se em 11 de fevereiro

08/02/2019

Um dos cinco eventos do gênero mais concorridos do país e, também, o que há mais tempo é realizado na Região Centro-Oes...

Orquestra de Violeiros de Anápolis será atração em Goiânia

08/02/2019

Repertório essencialmente da cultura no Cerrado e danças típicas do folclore local são os ingredientes para uma noite esp...

Divulgada a lista dos filmes que vão concorrer no 8º Festival de Cinema

20/12/2018

Com o número recorde de 249 inscrições, a 8ª edição do Anápolis Festival de Cinema (AFC) já tem os 24 filmes selecion...

Peça enfoca obsessão por atuar e dramas existenciais

13/12/2018

Um ator obcecado pela atuação em uma peça entra em confronto com os dramas de sua existência. Esse é o ponto de partida ...