(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

CELG: Modelagem da desestatização da está definida

Geral Comentários 30 de novembro de 2015

Os estudos apontaram, inicialmente, uma avaliação de R$ 5,2 bilhões, mas com as obrigações devidas pela CELG D, a estimativa caiu para R$ 2,8 bilhões


O Conselho Nacional de Desestatização (CND) aprovou as condições da modelagem da desestatização da CELG Distribuição, empresa de distribuição de energia elétrica que opera no Estado de Goiás. O modelo foi resultado de estudos conduzidos pela International Finance Corporation (IFC), membro do Grupo Banco Mundial, que foi contratada pelo BNDES. Enquanto o Ministério de Minas e Energia (MME) responde pela execução e acompanhamento deste processo, o BNDES tem o papel de prestar apoio técnico da operação.
A CELG D é uma empresa controlada pela Eletrobras, que detém 50,93% do seu capital social, e pelo Governo de Goiás, que possui, via CELGPar, 49% do capital da empresa. Por esta razão, as condições da operação de desestatização da CELG D também deverão ser aprovadas pelos órgãos de administração das duas empresas.
Segundo os estudos de modelagem, a empresa foi avaliada em R$ 5,2 bilhões. Após dedução das atuais obrigações da CELG D, o valor da totalidade das ações da CELG D foi estimado em R$ 2,8 bilhões.
Após a aprovação da modelagem da desestatização pelo TCU, assinatura do contrato de prorrogação da concessão e deliberação sobre alienação pelas instâncias decisórias da Eletrobras, será publicado o edital de desestatização, que apresentará as condições detalhadas para venda do controle da empresa, como data e formato do leilão.
O processo de desestatização da CELG D está sendo conduzido com o foco na transparência para a sociedade. Desta forma, para acompanhamento periódico da evolução do processo de desestatização, a governança da operação lançará em breve o blog CELG Distribuição Eficiente, por meio do qual será possível acompanhar as principais notícias e cronologia dos eventos.
A Resolução 11/2015 do CND estabelece duas possibilidades de venda das ações:
• Caso apenas a participação da Eletrobras na CELG D seja negociada, as ações serão vendidas em leilão ao preço mínimo de aproximadamente R$ 18,63 por ação. Neste caso, serão oferecidos aos empregados e aposentados a oportunidade de adquirirem 0,93% das ações com desconto de 10%.
• Se forem colocadas à venda em conjunto todas as ações da Eletrobras e CELG Par, o preço mínimo da ação para o leilão será de aproximadamente R$ 18,69 para compensar um maior volume de ações que poderão ser ofertadas aos empregados e aposentados, equivalente a 5,093% do capital da CELG D.
• O valor mínimo para desestatização da CELG D, somando as ações da Eletrobras e da CELG Par e incluindo o percentual destinado aos empregados, poderá chegar a R$ 2,8 bilhões.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Adoção de selo eletrônico é adiada

22/06/2017

A Secretaria da Fazenda informa que a obrigatoriedade de uso do Selo Fiscal Eletrônico para as embalagens descartáveis de ...

Jovem anapolino abre portas para o difícil universo das fragrâncias

15/06/2017

O jovem anapolino Helder Machado Owner é um exemplo de que o empreendedorismo não tem barreiras. A primeira coisa para aven...

Subseção da OAB entrega Moção a juíza de Anápolis

09/06/2017

A juíza titular da 2ª Vara de Família e Sucessões da comarca de Anápolis, Aline Vieira Tomás, recebeu, na segunda-feira...

Controle da folha de pagamento é um desafio para a Prefeitura

02/06/2017

Dentro do que preconiza a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o Prefeito Roberto Naves e a equipe econômica apresentaram, ...