(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Casos de Polícia - Ed. 397

Causos de Polícia Comentários 21 de dezembro de 2012

Notas Gerais


Galinha cega
Dionísio, morador do Conjunto Filostro Machado, tem uma galinha cega. Ele cuida da referida ave como se fosse de uma pessoa da família e tem o maior xodó por ela. Seu vizinho, de nome Rafael, pensa de outra forma. Para ele, “galinha boa é galinha na panela”. Na semana passada Rafael viu a galinha dando sopa e resolveu fazer um escaldado com ela. Mas, Dionísio descobriu e chamou a polícia. Rafael desconversou e disse que, apenas, viu a pobre penosa vagando sem destino e resolveu guardá-la até que o dono aparecesse. Agentes da Polícia Civil descobriram, entretanto, que, além de dependente químico, Rafael tem várias passagens por delegacias. Foi levado para conversar com o delegado de plantão. Dionísio recuperou galinha e disse que não vai mais deixá-la desprotegida.

Na farmácia
Em Goiânia, Paulo Henrique, 30 anos, precisando fazer um dinheiro rápido, optou pelo caminho que entendia ser mais curto: assaltar. E não contou história. Ao passar em frente a uma drogaria, resolveu que seria ali mesmo. Com um revólver 38 na mão, achou que seria moleza e entrou na farmácia. Mas, em um segundo de bobeira, ele foi surpreendido pelos funcionários e por alguns clientes que o agrediram, tomando-lhe a arma. Amedrontado ele fugiu, mas logo adiante foi alcançado pela Polícia Militar. Aconteceu no Setor Coimbra.

Despejo?
No começo do ano, graças ao trabalho de empresários e líderes comunitários em Anápolis, a Delegacia de Atendimento à Mulher ganhou uma nova sede, mobiliada, equipada e muito confortável. Faltava, apenas, pagar o aluguel do imóvel. Mas, isto, por razões desconhecidas, não vem sendo feito desde maio. Esta semana, o delegado responsável pela especializada entrou em contato com a imobiliária, solicitando reparos nas calhas do prédio e obteve uma notícia bem desagradável. A empresa está iniciando um processo de despejo da Delegacia da Mulher, por falta de pagamento.

Atrevido
Rangel, funcionário de um restaurante que funciona em um grande supermercado de Goiânia, foi convidado, juntamente com outros colegas, para uma festinha de confraternização de fim de ano na casa da gerente do estabelecimento. Lá pelas tantas, todo mundo foi embora, menos o Rangel. E, aproveitando-se da situação, ele resolveu aprofundar o relacionamento com a chefe. Ela já estava recolhida ao seu quarto, mas, mesmo assim, Rangel entrou e tentou manter relações mais íntimas com a mulher. A gerente não concordou e entrou em luta corporal com ele. Rangel acabou fugindo, mas a chefe chamou a polícia que não teve muitas dificuldades em localizá-lo. E, prendê-lo.

Casal preso
Sheila é amásia de Rosalvo. E, Rosalvo está preso na cadeia de Goianésia. Esta semana, com saudades do amado ele resolveu visitá-lo e, de quebra, levar um suculento almoço. Tudo ia muito bem, até que alguém se lembrou de puxar a ficha de Sheila. E, não é que contra ela constava um mandado de prisão por infração ao Artigo 157 (roubo) do Código Penal em 2008? Resultado, ela que foi para ficar, apenas, alguns minutos ao lado do amado, agora vai ter mais tempo, para curti-lo. Sheila, em companhia de outros comparsas, praticou um assalto e achou que todo mundo já havia se esquecido. Dançou...

Inacreditável
Na semana passada ninguém sabe como uma chave de rodas foi parar na cela do Primeiro Distrito Policial. E, com ela, alguns detentos conseguiram quebrar o cadeado que mantinha a grade trancada. Quando alguns já estavam ganhando o corredor para a liberdade, foram surpreendidos por um agente policial que, sozinho, enfrentou o grupo, com, apenas, um revólver na mão. Felizmente, todos voltaram para a cela e foi preciso que uma funcionária, lotada na Delegacia, se dirigisse à sua residência, para buscar o cadeado do portão e trouxesse para substituir ao que fora quebrado. Cômico, se não fosse trágico.

Belas e perigosas
Bruna e Raíza, duas belas jovens, loiras, elegantes, filhas de famílias da classe média alta em Goiânia, eram garotas acima de qualquer suspeita. Eram... Na semana passada, ambas saíram para comprar um churrasquinho nas proximidades de onde moram e não voltaram para casa. As famílias entraram em pânico e acionaram todos os meios policiais para descobrirem o paradeiro das meninas. Não demorou muito, através de denúncia anônima, a polícia as encontrou. Fazendo sabem o quê: Roubando em lojas comerciais de Goiânia. Identificadas e presas, elas foram levadas à Delegacia de Polícia. Pagaram fiança e vão responder pelos crimes em liberdade.

Precoce
Tiaguinho, 17 anos, tinha mais de dez passagens pela polícia. Esta semana, em companhia de alguns colegas, tomou de assalto um carro em Alexânia e fugiu para Anápolis. Na entrada da Cidade o bando foi interceptado pela PM e revidou disparando contra a viatura. Houve reação e Tiaguinho acabou baleado e morreu a caminho do hospital. Seus comparsas fugiram, deixando o veículo.
OBS: Por ordens superiores, de Goiânia, a PM em Anápolis não está mais fornecendo o boletim de ocorrências (Resenha) motivo pelo qual as ações dos Policias Militares não estão sendo divulgadas.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Causos de Polícia

CAUSOS DE POLÍCIA

16/11/2018

O “comerciante” O Eduardo Henrique (21 anos) vinha se destacando como um “próspero comerciante”. Mas, o produto que...

Causos de Polícia

08/11/2018

Droga na praça I A Auxiliadora, que não anda auxiliando a ninguém ultimamente, foi abordada por policiais militares (Patr...

CAUSOS DE POLÍCIA

02/11/2018

Comércio ilícito Dois elementos, cujas identidades não foram reveladas, estavam no que a Polícia chama de “em atitude ...

Causos de Polícia

25/10/2018

Bananas da discórdia Os integrantes da viatura 8892 foram acionados para atenderem a um caso de violência doméstica, ist...