(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Casos de Polícia - Ed. 396

Causos de Polícia Comentários 14 de dezembro de 2012

Notas Gerais


Dupla dinâmica
Olho de polícia é outra coisa. Wenderson e Willian, que são amigos até na hora de praticarem crimes e contravenções, davam a maior sopa na Vila Santa Maria de Nazareth. Foi até que, policiais militares, componentes de uma patrulha que passava pelo local, resolveram interceptá-los. Depois do tradicional baculejo, veio a surpresa. Wenderson estava com várias notas de R$ 50 no bolso. O problema é que eram notas falsas. Dada mais uma prensa e o Willian abriu o bico. Era usuário de maconha. Na casa dele, os policiais encontraram um belíssimo pé da erva, cujo nome científico é Cannabis sativa. Os dois foram levados para um papo com o delegado de plantão.

Amor bandido
Cláudia ama Willian. Acontece que Willian está preso na Cadeia Pública de Anápolis e ela foi fazer-lhe uma visita. Só que, Cláudia estava com os documentos de sua irmã, de nome Thaís. Vacilou na portaria e acabou sendo descoberta. A moça confessou que, por ser menor, há tempos usava o documento da irmã para visitar o amado na prisão. Enrolou a vida. Agora que completou maioridade, vai ter de se virar e pagar um advogado para sair dessa.

Fora de circulação
Pedro e Johnny, amigos inseparáveis. Tão amigos que andavam juntos praticando assaltos. Esta semana os dois, utilizando uma moto, andaram pelas ruas dos bairros Alvorada e de Lourdes, abordando pessoas e tomando tudo o que elas tinham. Só não contavam com uma abordagem da Polícia Militar, agora de viatura nova. Resultado... Acabaram confessando que, de fato, ganhavam a vida praticando assaltos. A surpresa maior, entretanto foi para os policiais que descobriram que a dupla assaltava utilizando uma réplica de arma (revólver de brinquedo). Mas, na hora do aperto, ninguém quer saber se a arma é de verdade, ou não. Entrega mesmo.

Bagulho na cadeia
Esta semana, durante uma inspeção de rotina no Centro de Inserção Social “Monsenhor Luiz Ilc”, ou Cadeia Pública de Anápolis, a polícia descobriu uma infinidade de coisas ilegais, incluindo 80 pedras de crack, facas artesanais e telefones celulares. A intriga maior foi para se saber por onde esses objetos e essas drogas passaram. Um preso, cuja identidade foi mantida em sigilo, para não atrapalhar as investigações, assumiu ser o “dono do bagulho”.

Bateu, foi preso
Edmar foi namorado de Aline por muito tempo. Noivaram e se casaram. Tempos depois, o amor foi esfriando e, da rispidez nas respostas, Edmar passou a ameaçar a companheira. Da ameaça para uns tapas foi questão de tempo. E, ela, cansada de apanhar, disse que iria sair da vida dele. Ele disse que não aceitava a separação e deu-lhe mais uma coça. O jeito foi chamar a polícia e Edmar foi enquadrado na Lei “Maria da Penha”. Pagou fiança e foi colocado em liberdade. Agora, Aline está morrendo de medo que ele reapareça e torne a agredi-la. Mas, voltar, ela disse que não volta para ele.

Fuga frustrada
Quem pensa que moeda só serve para comprar balinha, ou passar troco, está redondamente enganado. Serve para abrir buraco em paredes também, dentre outras coisas. Foi o que aconteceu esta semana na cela do Primeiro Distrito, que funciona no prédio da Terceira Regional de Polícia Civil em Anápolis. Durante a inspeção de rotina, os agentes descobriram um belo rombo na parede, feito com uma moeda de 50 centavos. Desta vez, foi possível interceptar o plano de fuga de mais um grupo de presos. Há poucos dias, alguns detentos fugiram de lá.

Ação dupla
Denominada “Operação União”, as polícias Civil e Militar, em Anápolis, desenvolveram um ação conjunta e conseguiram o cumprimento de vários mandados de prisão contra criminosos que se achavam em liberdade, dois deles foragidos da cela da Delegacia Geral. Foi no começo da semana. Nada menos que 12 indiciados foram capturados logo no começo da operação. Detalhe que um dos acusados não pôde ser conduzido, pois estava se convalescendo de grave enfermidade.

Fim do jogo
Depositadas, há meses, em dependências improvisadas, mais de 80 máquinas de jogos de azar foram destruídas e levadas para o aterro sanitário de Anápolis. Elas foram apreendidas durante as operações de combate a jogos ilegais. A destruição do material foi autorizada pela Justiça. A operação contou com o apoio da Prefeitura que cedeu funcionários e um caminhão para o transporte até o local onde as máquinas foram destruídas.

Vai mudar
Confirmada a transferência da Terceira Delegacia Regional de Polícia, da Praça do Expedicionário, para um prédio no interior do Distrito Agro Industrial de Anápolis. A mudança faz parte do projeto de descentralização do serviço policial e visa oferecer mais comodidade e melhor logística para a realização dos trabalhos.

Bichos e mulheres
Maria Helena cria um cachorro vira-latas. Michele, sua vizinha, cria um gato, também, de raça comum. Esta semana os animais ficaram frente à frente, na Vila Formosa. Não deu outra... o gato levou a pior. Michele foi tirar satisfações com Maria Helena e quase que, também, apanhou. Foi salva por uma viatura da PM chamada pelos vizinhos. No fim, ficou tudo bem. As duas fizeram as pazes e prometeram cuidar melhor de seus bichos.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Causos de Polícia

Causos de Polícia

24/11/2017

Castelo fraco Valdeci montou um comércio no Residencial Copacabana e ia de vento em popa. Não faltavam clientes. Só que,...

Causos de Polícia

16/11/2017

Moto complicada O Gabriel estava todo prosa, circulando em uma moto novinha pelas ruas do Jardim dos Ipês. Mas, foi inter...

Causos de Polícia

09/11/2017

Bateu na mãe O Roberto, morador da Vila Jaiara, tem 45 anos, mas é muito esquentado. Qualquer coisinha ele quer bater. E,...

Causos de Polícia

03/11/2017

Maldade pura I O Eurípedes tinha uma perua FIAT Elba que era o seu maior xodó. Era, porque, esta semana, um embaixador do ...