(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Casos de Polícia - Ed.569

Causos de Polícia Comentários 05 de maio de 2016

Notas Gerais


O revólver da discórdia
O Geraldo entrou no Bar da Pâmela, no Jardim América e exibia um revólver. Como estava mais pra lá do que pra cá, deixou a arma cair. Ato seguinte, apanhou o “berro” e foi embora. Minutos depois voltou mais bravo do que uma cobra caninana e acusou a Pâmela e a Dayane de haverem furtado a referida arma. Elas negaram e disseram que ele, o Geraldo, havia saído com o revólver na mão. Ele não acreditou e disse que se o revólver não aparecesse, quem iria desaparecer eram as duas. Elas, temendo esse desaparecimento precoce, ligaram para a Polícia e pediram socorro.

Arma na capanga
Sete e pouco da manhã e policiais do Quarto BPM faziam uma ronda de costume na região conhecida por Água Cristalina. De longe, avistaram um sujeito com uma capanga dependurada no ombro. Resolveram abordá-lo. Era o Benedito. “Bom dia, gente fina. Vai levando o que aí neste embornal?”, perguntou todo gentil um dos policiais. “Né nada não. Tem nada aqui não”, respondeu o Dito. Mas, tinha. E, era um baita revólver cheio de balas. O Benedito ainda tentou argumentar que o revólver era para sua defesa pessoal, mas como não tinha porte de armas, foi levado com revólver e tudo para o plantão.

Quatro assaltos
Hanna, comerciante no centro da Cidade, acabara de fechar seu estabelecimento, na companhia de um funcionário e ia entrar no carro, quando foi abordado por dois elementos armados. “Entra aí, e toca lá para detrás do Colégio Estadual”, ordenou um dos bandidos. Ele, sob a mira de uma arma, obedeceu. No caminho, disse que tinha pouco dinheiro no bolso. Mas, um dos bandidos respondeu “Mente não, cara! Tem e é muito, você acabou de tirar a grana do caixa!”. E, era verdade. O Hanna ficou sem 30 mil reais em dinheiro vivo, mais 1.900 dólares que carregava. Ele disse que o assalto durou poucos minutos e que era a quarta vez que passava por este tipo de situação. “Na primeira vez foi pior, pois levei um tiro e fiquei dois meses na UTI”, declarou ele à polícia.

Assalto covarde
O Rogério, em companhia da esposa Renally, que dirigia o carro da família, um Gol branco, foi à casa de seu pai, no Bairro Alvorada, apanhar um filho do casal. Quando o carro parou, se aproximaram dois elementos fortemente armados e deram voz de assalto. Eram muito agressivos e empurraram a esposa do Rogério que caiu ao chão, sofrendo alguns arranhões. Ato seguinte, a dupla entrou no carro e desapareceu, tomando o rumo do Bairro Boa Vista. Era pouco mais de nove e meia da noite. O casal ficou traumatizado com a violência dos bandidos.

Surpresa na noite
Depois de uma cansativa aula, o Leonardo e seu primo Ageu se dirigiam para casa, na Vila Jaiara. De repente, surgiu uma moto. Em cima da moto, dois elementos. Na mão de um deles, reluzia um revólver igual aos que o Clint Eastwood usa nos filmes de faroeste. O carona desceu e sem muita conversa pediu que os primos entregassem tudo o que tinham de valor, caso não quisessem dar adeus a este mundo. E, eles, diante de tal argumento, não hesitaram. Os bandidos foram embora levando carteiras; celulares, dinheiro e documentos. Hora do assalto: nove e meia da noite.

Câmeras salvadoras
O Ivan, que mora no Anexo Itamaraty, chegou em casa e notou que a porta estava arrombada. Entrou e deu falta de vários objetos, como eletrodomésticos, utensílios e três mil reais em dinheiro. Ligou para a Polícia e foi socorrido pelo pessoal do 28º Batalhão. Procura daqui, procura dali, e decidiram ver as câmeras de videomonitoramento. Foi quando observaram dois elementos colocando os pertences em um Gol cinza. Os policiais não perderam tempo e passaram a vasculhar o bairro. Encontraram o carro sem ninguém em seu interior. Mas, ficaram de campana. Logo surgiu o Hanna. Abordado, ele não teve escapatória. E, ainda entregou seu comparsa, o Bruno. Foram à casa do tal Bruno e lá estavam os objetos do roubo. Eles confessaram o crime, mas negaram ter apanhado os três mil reais. Assunto para o delegado resolver.

Ponto de ônibus
Marco Antônio e Neivaldo estavam esperando pelo ônibus em frente a uma empresa do DAIA. Mas, antes do ônibus, apareceu uma moto, com dois elementos mal encarados. E eram bandidos. De arma na mão, abordaram os dois trabalhadores e deram voz de assalto. Levaram as carteiras documentos e outros objetos de valor que os amigos conduziam. Já passava das onze da noite.

Desativados
A Ariani e a Ingrid transitavam pela Avenida Fayad Hanna, por volta de dez da manhã de domingo. Iam tranquilas e nem perceberam a aproximação de um FIAT Pálio. Nele estavam três elementos cada qual com uma faca na mão. As duas amigas tremeram de medo e logo descobriram que iriam ser assaltadas. “E aê, belezuras... Tem dinheiro, tem celular, tem correntinha de ouro?”, perguntou um dos bandidos. Elas, sem condições de reagir, entregaram tudo. Mas, por sorte, memorizaram a placa do carro e passaram para a Polícia. Feita a investigação, descobriu-se que o veículo está no nome do Fábio Júlio. Puxaram no sistema e apareceu a foto dele, prontamente reconhecido pelas vítimas. O Fabio já é antigo cliente das delegacias de polícia. Não demorou muito e ele já estava embarcado na viatura da PM. O resto ficou por conta do delegado de plantão. (Colaborou Richardson de Bastos).

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Causos de Polícia

Causos de Polícia

16/11/2017

Moto complicada O Gabriel estava todo prosa, circulando em uma moto novinha pelas ruas do Jardim dos Ipês. Mas, foi inter...

Causos de Polícia

09/11/2017

Bateu na mãe O Roberto, morador da Vila Jaiara, tem 45 anos, mas é muito esquentado. Qualquer coisinha ele quer bater. E,...

Causos de Polícia

03/11/2017

Maldade pura I O Eurípedes tinha uma perua FIAT Elba que era o seu maior xodó. Era, porque, esta semana, um embaixador do ...

Causos de Polícia

26/10/2017

Ladrão folgado Um homem (identidade preservada) foi assaltado por dois elementos que estavam em um Celta preto. Ele chamou ...