(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Cardiologista alerta sobre as doenças do coração causadas pelo tabagismo

Saúde Comentários 01 de junho de 2012

O Dia Mundial Sem Tabaco comemorado na quinta-feira, 31 , serviu de alerta aos fumantes ativos e passivos sobre os problemas causado pelo fumo


Um estudo realizado pelo Banco Mundial estimou que o tabagismo resulta em uma perda global de US$ 200 bilhões por ano em função de mortes prematuras, incapacitação, adoecimento, aposentadorias precoces e faltas ao trabalho, sendo que, aproximadamente, a metade deste montante ocorre em países em desenvolvimento. No Brasil, os gastos sociais determinados pelo consumo de cigarros também são altos e superam, em muito, a arrecadação de impostos provenientes da indústria do tabaco.
A cardiologista Marly Uellendahl, do Atalaia Medicina Diagnóstica, considera o tabaco o principal fator de risco, evitável, para as doenças cardiovasculares. “O fumo aumenta consideravelmente a chance de se ter um infarto do miocárdio, além de provocar inúmeras outras doenças, como o câncer”, explica a médica. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 1,2 bilhão da população mundial adulta seja fumante. No Brasil, a pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico 2011 (Vigitel), realizada pelo Ministério da Saúde, indica que 14,8% da população são fumantes, sendo que 18% são homens e 12% mulheres. Em Goiânia (GO), 11% das pessoas maiores de 18 anos fazem uso de cigarro.
De acordo com o estudo da Organização Mundial de Saúde das Nações Unidas, o total de mortes devido ao uso do tabaco atingiu a cifra de 4,9 milhões de mortes anuais, o que corresponde a mais de 10 mil mortes por dia, seis mortes por minuto. A pesquisa revela, ainda, que se a atual tendência de expansão do consumo de cigarros continuar, estes números aumentarão para 10 milhões de mortes anuais por volta do ano 2030, sendo metade delas em indivíduos em idade produtiva (entre 35 e 69 anos).
Os fumantes passivos não estão de fora das estatísticas alarmantes do tabagismo. Segundo a Vigitel 2011, 11,8% dos brasileiros fumam passivamente no domicílio e 12,2% no trabalho. “Eles têm contato direto com 30 substâncias cancerígenas presentes na fumaça do cigarro. Além disso, o risco de um fumante passivo desenvolver um infarto do miocárdio é 25% maior do que a população não fumante e 30% maior de ter câncer de pulmão, entre outras doenças”, destaca Marly. Ela acrescenta que os programas de educação sobre os riscos do tabagismo e as medidas restritivas como a Lei Antifumo, aprovada em 2010, pode contribuir na redução do consumo de tabaco e evitar, também, os efeitos do fumo passivo.
Para isso, a cardiologista acredita que alguns mitos sobre o cigarro devem ser debatidos. “Na verdade, não há diferenças nos riscos à saúde entre as diferentes marcas de cigarro, nem entre os supostos cigarros com alto e baixo teor de nicotina, ou seja, não existem níveis seguros para o consumo de alcatrão, monóxido de carbono e nicotina”, esclarece.

Goiás
Os diversos inquéritos realizados em Goiás sobre a prevalência de fatores de risco para doenças não transmissíveis apontam uma redução na prevalência do tabagismo. Em Goiânia, no ano de 1999, a prevalência era de 22,8%. E em 2004 de 16,2%. Além disso, outro importante indicador desta redução é o inquérito telefônico VIGITEL , que vem sendo realizado desde 2006 pelo Ministério da Saúde (MS) nas capitais e na população acima de 18 anos. Em 2011, a pesquisa encontrou uma prevalência de 11%.
Para a coordenadora, Goiás tem avançado em relação ao oferecimento de apoio aos fumantes que desejam parar de fumar, por meio da implantação do programa de atendimento ao tabagista nas Unidades de Saúde da Rede SUS, que consiste na abordagem cognitiva comportamental do fumante e tratamento medicamentoso com a terapia de reposição de nicotina. Na capital do Estado, o programa já foi implantado em 36 Unidades de Saúde. No interior, 50 municípios já possuem o programa de apoio ao fumante implantado. É o caso de Anápolis, porém, não há procura embora haja a estrutura para atender quem procurar pelo serviço, que é oferecido por meio do SUS.

Saiba mais:
- a fumaça do cigarro possui 4.720 substâncias químicas nocivas e pelo menos 60 delas são reconhecidamente cancerígenas, além de irritantes e tóxicas ao pulmão;
- crianças que convivem com fumantes têm incidência maior de doenças alérgicas e respiratórias, como a asma, pneumonia, sinusite e alergia;
- fumar causa doença vascular que pode levar à amputação de dedos e pernas;
- ao fumar você inala arsênico e naftalina, também usados como veneno de ratos e baratas;
- fumar causa câncer de laringe, câncer de pulmão, câncer de boca, entre outros;
- em gestantes, o ato de fumar pode resultar em partos prematuros, aborto espontâneo e o nascimento de crianças com anomalias e de baixo peso;
- o uso de tabaco obstrui as artérias, dificulta a circulação do sangue, leva ao enfisema pulmonar, à perda dos dentes e causa morte por doenças do coração.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Faculdade promove campanha educativa

24/11/2017

Em novembro, a Faculdade Fama realiza uma ação, em parceria com a Prefeitura de Anápolis e apoio de empresas, voltada para...

Nova força-tarefa para combater a dengue, zika e chikungunya

16/11/2017

Durante solenidade realizada no Teatro Municipal, na última terça-feira,14, o Prefeito Roberto Naves reuniu dezenas de repr...

Dengue - Redução de casos economiza R$ 3,6 mi

09/11/2017

Com a chegada do período chuvoso, a Prefeitura de Anápolis volta a intensificar os cuidados com a dengue, chikungunya e zik...

Anápolis vai sediar campanha para doação de medula óssea

03/11/2017

Jovens e mães, Eva e Karise são duas amigas que enfrentam o mesmo problema: a leucemia. Eva Araújo, ex-servidora da Prefei...