(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Câncer infantil: Diagnóstico precoce salva

Saúde Comentários 21 de novembro de 2009

Em evento realizado na Câmara Municipal, especialistas destacam importância da prevenção


O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil (23 de novembro) é considerado uma data para a reflexão sobre a doença. Em Anápolis, a Câmara Municipal, por iniciativa da vereadora Dinamélia Rabelo (PT), realizou uma sessão especial, antecipando a data, reunindo vários profissionais que atuam com a prevenção e o tratamento da doença, com o objetivo de debater o tema.
Conforme a vereadora, que é médica, a garantia de debates sobre temas relacionados a saúde em todo município é extremamente importante. Segundo ela, a reunião de pessoas ligadas à temática serve como fonte de informação. “Até hoje existem pacientes que sentem medo do diagnóstico do câncer. É o maior erro que pode ser cometido por uma família, principalmente quando se trata da vida de uma criança”. Dinamélia destacou que o diagnóstico de uma criança é apenas o inicio de uma longa caminhada que exige preparo psicológico, não só do paciente, mas de toda a sua família, além de pessoas próximas. “Mistura-se dor, angústia e ansiedade, mas a esperança é um dos remédios mais importantes no tratamento desses pacientes”, destacou.
O diretor do Núcleo Esperança, Válber Barreto, observou que nem sempre a condição financeira é o fator determinante para curar uma criança com câncer. “Temos nosso núcleos que buscam apoio para tratar das crianças carentes. As famílias devem ser informadas e saberem onde devem buscar ajuda”, comentou.
Para a oncopediatra, Patrícia Carneiro, é essencial, assim que os sintomas surgirem, que os pais ou responsáveis pela criança procurem atendimento adequado. A médica explicou que, quanto mais rápido o câncer for diagnosticado, maiores são as chances de cura e menores são as possibilidades de sequelas na criança. Durante a reunião, a profissional apresentou dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), com base em referências dos registros de base populacional, são estimados mais de nove mil novos casos de câncer infanto-juvenil por ano.
Uma das responsáveis pelo Projeto Colméia, que também trabalha com crianças portadoras de câncer, Mônica Hajjar, ressaltou que a continuidade dos projetos voltados para atender essas pessoas dependem da colaboração de toda a sociedade. “Muitas pessoas ficam comovidas com cada situação nova que conhece, mas isso não é suficiente. Além da comoção é preciso ter vontade e ajudar, da maneira que for possível”, finalizou.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Combate à “farra” dos cartões do SUS

17/01/2019

O Prefeito Roberto Naves anunciou que deverá enviar uma equipe técnica para conhecer o modelo de gestão de uma espécie de...

Secretário Municipal de Saúde faz “raio-x” nas unidades ligadas ao setor

17/01/2019

Avaliar de perto a realidade de cada uma das unidades da rede municipal e fiscalizar a prestação de serviços ao cidadão. ...

Crise na Saúde - Municípios estão em dificuldades sem os repasses do Estado

10/01/2019

De acordo com o Atlas da Eficiência da Educação (versão 2018) em Goiás, a gestão da educação em 213 municípios (93% ...

Verba para equipamentos na odontologia municipal

10/01/2019

Devido ao trabalho executado na área de saúde bucal, inclusive com a criação de 12 novas equipes em dois anos, a Prefeitu...