(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Campanha oficial termina, mas ainda sobram vacinas

Saúde Comentários 28 de junho de 2018

A Secretaria Municipal de Saúde contabiliza que restaram mais de três mil doses, que serão ministradas a partir de 2 de julho


A campanha de vacinação contra a Influenza (H1N1) em Anápolis superou a meta de 90% de imunizados do grupo de risco, alcançando em algumas situações 100% de eficácia. E para oferecer ainda mais proteção à comunidade, as vacinas restantes estarão disponíveis a partir de segunda-feira, 2 de julho, para quem quiser se proteger. São apenas 3.600 doses restantes – dado ao sucesso da campanha – que serão distribuídas nas seguintes unidades de saúde: Dr. Ilion Fleury, no Bairro Jundiaí (1.600 doses); Vila União (1.000 doses); e Parque Iracema (1.000 doses).
O coordenador de Vigilância em Saúde, Júlio César Espíndola, explica que a decisão de disponibilizar as vacinas, mesmo em baixa quantidade, vai evitar o desperdício e também proteger mais pessoas na cidade. “Graças à Deus conseguimos atender o grupo de risco e agora podemos disponibilizar um pouco aos demais cidadãos”, disse.
Neste ano alguns casos da doença transmitida pelo vírus, alarmaram as autoridades de saúde e a campanha foi antecipada. Conforme o Ministério da Saúde, alguns pacientes apresentam um risco maior de complicações após infecção pelo vírus H1N1 e por isso foram incluídos em um grupo especial. São eles: portadores de doenças pulmonares crônicas (asma, por exemplo); cardiopatas; portadores de doenças metabólicas crônicas, como a diabetes; imunodeficientes ou portadores de imunodepressão; crianças com menos de cinco anos; grávidas ou mulheres no período pós-parto; adultos com mais de 60 anos; pacientes debilitados e portadores de doenças renais ou hemoglobinopatia.
Mesmo com vacinação e a redução dos casos é importante alguns cuidados. A orientação é tomar medidas de precaução como evitar levar crianças pequenas, gestantes ou idosos a locais onde há aglomerações; lavar sempre as mãos com água e sabão ao voltar da rua ou sempre que tiver contato com muitas pessoas; usar lenços de papel ao tossir e espirrar; e, diante de qualquer sinal de alarme como febre alta, falta de ar e dor no corpo procurar, imediatamente, auxílio médico.

SINTOMAS
A febre é a manifestação mais importante e dura em torno de três dias. Sintomas respiratórios, como a tosse, dores musculares, de garganta e de cabeça, calafrio, fraqueza, espirros e coriza tornam-se mais evidentes com o avanço da doença e mantêm-se em geral por três a quatro dias após o desaparecimento da febre. Podem aparecer ainda sintomas como: pele quente e úmida, olhos avermelhados e lacrimejantes. As crianças podem apresentar aumento de linfonodos cervicais (gânglios no pescoço), diarreia e vômitos.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Anápolis precisa ampliar a sua estrutura hospitalar

18/07/2018

Além do Hospital de Urgências “Dr. Henrique Santillo”, Anápolis conta com outras seis unidades hospitalares, entre pú...

Maior conscientização sobre o SAMU pode salvar vidas

18/07/2018

Prestar atendimento pré-hospitalar de urgência e com excelência à população o mais rápido possível. Essa é a missão...

Pessoas especiais têm serviços odontológicos ampliados

18/07/2018

A cadeira de dentista já foi um problema na vida de Maria Beatriz Santos, oito anos. A menina, que tem Síndrome de Down, re...

Necessidade da vacinação infantil

12/07/2018

Há o risco da criação de bolsões de crianças não vacinadas contra as doenças infectocontagiosas. O secretário Estadua...